Experiência americana vence a bravura holandesa – ANÁLISE TÁTICA EUA 2 x 0 HOLANDA

Por Pedro Galante e Henrique Mathias Foto destaque: Reuters. A grande final da Copa do Mundo na França colocou Holanda e Estados Unidos frente a frente. De um lado as holandesas que chegaram a sua primeira final na segunda participação no torneio, do outro as americanas maiores campeãs do torneio e favoritíssimas. Os primeiros 15 minutos seriam fundamentais. Os EUA marcaram antes do décimo sexto … Continuar lendo Experiência americana vence a bravura holandesa – ANÁLISE TÁTICA EUA 2 x 0 HOLANDA

Bola parada e cadência: uma Holanda competitiva

Por Pedro Galante Primeira colocada do grupo E, a Holanda marcou 10 gols e sofreu 3 nesses cinco jogos de Copa do Mundo. Comandadas por Sarina Wiegman as holandesas são fiéis ao 4-3-3 e tem na bola parada um dos principais argumentos ofensivos. É um time que controla a bola – tem 59% de posse de bola em média – mas faz isso de forma … Continuar lendo Bola parada e cadência: uma Holanda competitiva

Solidez defensiva e transições: a Suécia semifinalista

Por Pedro Galante A Suécia de Peter Gerhardsson, foi segunda colocada do grupo F. Atrás apenas dos EUA, as suecas marcaram 10 gols e sofreram cinco. Importante destacar que cinco gols foram contra a frágil Tailândia. Aliás, as duas primeiras partidas da seleção sueca na Copa são um ponto fora da curva. Enfrentando, Chile e Tailândia, o time assumiu o protagonismo. Teve média de 70% … Continuar lendo Solidez defensiva e transições: a Suécia semifinalista

Intensidade e verticalidade: o monstro americano

Por Henrique Mathias Jill Ellis está no comando da seleção americana desde 2014 e nesse período conseguiu desenvolver uma forte ideia coletiva e montar uma equipe que possui ideias muito fortes em termos de construção ofensiva pelos flancos e que utiliza a coordenação entre os movimentos, para limitar ofensivamente seus rivais. Em 5 jogos disputados na Copa do Mundo da França, as Americanas marcaram 22 … Continuar lendo Intensidade e verticalidade: o monstro americano

Equilíbrio e imposição: a campanha inglesa na Copa do Mundo

Por Pedro Galante A Inglaterra fez uma campanha muito equilibrada e sólida até a semifinal. Sob o comando de Phil Neville, as Lionesses – como são conhecidas as jogadoras – marcaram 11 gols e sofreram apenas um, em cinco partidas. É uma seleção que se destaca pelo domínio da posse de bola e imposição no campo adversário. Veja abaixo alguns dados que ilustram o volume … Continuar lendo Equilíbrio e imposição: a campanha inglesa na Copa do Mundo