Mestre vs Aprendiz Parte 3 – PRÉ JOGO MAN CITY x ARSENAL

Por Ícaro Caldas Leite

Pep Guardiola e Mikel Arteta se enfrentarão na tarde deste sábado às 13:30 pela quarta rodada da Premier League. Se encontrarão novamente no Etihad Stadium e os dois precisam vencer: o City para espantar a suposta “crise”, e o Arsenal para não se distanciar do topo. No primeiro duelo entre o mestre e o aprendiz, Pep Guardiola deu um “baile” no Mikel Arteta e o derrotou pelo placar de 3 a 0. No segundo confronto, Mikel Arteta deu o troco, aplicou 2 a 0 no seu mestre, neutralizou os Citizens (que mal conseguiram chutar no gol do Arsenal) e os eliminaram na semifinal da FA Cup.

Os Citizens, donos da casa, continuam na sua fase decadente. Os comandados de Guardiola não conseguem manter o alto nível e a regularidade positiva das temporadas 17-18 e 18-19. A cada ano que passa a equipe vai mostrando uma queda no nível. É uma equipe apática que deu uma relaxada gigantesca após as quatro conquistas do clube na temporada 18-19. Já pelo lado dos Londrinos, nota-se evolução. O Arsenal de Arteta é um time em ascensão. Venceram os dois últimos títulos que foram disputados na Inglaterra: a FA Cup e a Supercopa da Inglaterra.

Como Guardiola soube neutralizar a saída de bola do Arsenal no Etihad Stadium? Gabriel Jesus é a chave para o mecanismo ter dado certo. Enquanto o City subia sua marcação no campo adversário, o camisa 9 alternava entre ficar na cola do volante Guendozi e apertar o goleiro Leno na saída de bola. Dessa forma, os Citizens obrigavam os Gunners a jogarem pelos lados (por fora) e não pelo meio (por dentro), causando com isso a neutralização da saída de bola do Arsenal, que sequer conseguiu levar perigo à meta do Ederson. O Manchester City teve sucesso no jogo de ida. 

Mas qual deve ter sido a chave do sucesso para o Arsenal no confronto em Wembley? Exatamente o mesmo conceito: marcação pressão. Porém com a execução diferente. 

Marcação pressão com os encaixes individuais sem pressionar o Ederson: essa foi a estratégia que o Arteta utilizou e surpreendeu o Guardiola. Quando City tinha a posse, os Gunners subiam sua marcação, colocavam seus jogadores marcando individualmente os do City e NÃO iam pressionar o Ederson (primeiro jogador na saída de bola dos Citizens), o que o obrigava a sair com bolas longas.

O futebol é feito de estratégias, e elas são executadas de diversas maneiras diferentes, às vezes o conceito é o mesmo, mas não é feito da mesma maneira. O importante é executar bem o que acredita e gerar o resultado. Não há um único método certo para vencer jogos e títulos e essas equipes provam isso.

@10icarocaldas 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s