O que esperar taticamente da nova passagem de Martelotte no Santa Cruz?

Por Felipe Holanda

Foto: Rafael Melo/Santa Cruz

Nesta análise, o MW dissecou as principais possibilidades táticas do comandante coral, que estreia neste domingo (13/9), contra o Remo, pela Série C do Brasileiro.

O último trabalho de Martelotte à beira do gramado foi no modesto Taubaté, de São Paulo. Em 2019, no Burro, MM não teve muito sucesso, atuando na maioria das vezes num 4-4-2 sem a posse de bola, porém, com as linhas muito espaçadas, como aconteceu contra a Juventus.

No Santa, Martelotte deve manter a base tática, com duas linhas de quatro e dois homens mais avançados lá na frente. No ataque, Pipico é dúvida para o embate com o Remo. Victor Rangel deve ser o titular ao lado de Jáderson.

Na saída da defesa para o ataque, ainda no primeiro terço do campo, o Taubaté de Martelotte costuma utilizar uma saída de três, na tentativa de abrir espaços na marcação adversária.

Caso utilitize a saíde de três no Santa, Martelotte deve contar com os dois zagueiros e um dos laterais. Toty, titular da posição na lateral direita, iniciou a transição nesta semana e ainda não tem presença garantida diante do Remo.

Outro alternativa adotada por Martelotte no Burro foi o esquema com três zagueiros, como aconteceu na derrota para a Portuguesa. Com uma tática ofensiva, formado no 3-4-3, o Taubaté não conseguiu segurar o ataque da Lusa e perdeu por 3 x 0.

Um dos pontos fracos das equipes de Martelotte são os contra-ataques. No Paraná, em 2016, MM foi surpreendido algumas vezes na transição defensiva, como aconteceu no gol do Náutico, anotado por Rodrigo Souza.

Ofensivamente, por outro lado, o Paraná de Martelotte era um time bastante agressivo. Utilizando um jogo apoiado entre os homens do meio e do ataque, o tricolor conseguia bagunçar as linhas ofensivas do adversário, deixando o funil aberto. Foi o que aconteceu diante do Bahia, também em 2016, pela Série B.

A maior característica positiva daquele Paraná de MM era a apertar a saída de bola adversária. No tricolor, os homens de ataque iniciavam a pressão pós perda, diminuindo os espaços. Também contra o Bahia, Fernando Karanga desarmou o defensor e o time paranaense quase chegou ao gol.

O melhor momento da carreira de Martelotte como técnico foi justamente no Santa Cruz. Em 2015, MM montou um time altamente compatitivo e conquistou o sonhando acesso à Série A. Aquela equipe tricolor era bastante reativa e tinha como uma das principais características a troca de passes no ataque, capitaneada por Grafite.


Em 2015, a tática mais utilizada por MM foi o 4-2-3-1 quando a equipe coral tinha a bola. Daquela forma, o Santa conseguia sair para o contra-ataque rapidamente na transição ofensiva, com muita velocidade lá na frente.

O ápice daquela campanha de 2015 foi a vitória emblemática em cima do Botafogo, por 3 x 0, no Engenhão. No segundo gol, em jogada bastante reativa, Luisinho recebeu belo passe de Daniel Costa e deixou Grafite na boa para estufas as redes botafoguenses. No fim, Bruno Moraes fechou o placar a favor dos corais.

Aquele time de 2015 teve uma ascensão meteórica com a chegada de Martelotte ao Arruda. O Santa Cruz, com um esquema de jogo definido (tendo o 4-1-4-1 como base sem a posse de bola), foi do 18º lugar ao G4 da Série B em 20 rodadas.

O torcedor coral também tem boas lembranças do Santa de Martelotte de 2013, campeão estadual naquele ano. Na final, tendo o 4-4-2 como base, o tricolor venceu o Sport, em plena Ilha do Retiro, e ergueu a taça do Pernambucano.

O primeiro gol daquela final, marcado por Flávio Caça-Rato, veio após um contra-ataque fulminante dos corais. Raul lançou CR7 com categoria e o atacante tricolor teve a frieza para deslocar Magrão e bater de perna esquerda para o fundo das redes rubro-negras. No segundo tempo, Sandro Manoel selou o 2 x 0.

Antes de ser treinador, MM já havia brilhado com a camisa do Santa como goleiro. Fez parte do antológico título estadual de 1993, quando os corais venceram o Náutico por 2 x 1. O Timbu vencia até os 37 do 2º tempo, mas o Santa virou aos 38 e 44.

📸Ramiro Spíndola/Revista Viver


@holandafelipee

Um comentário sobre “O que esperar taticamente da nova passagem de Martelotte no Santa Cruz?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s