O futebol agradece – Análise tática Liverpool 4×3 Leeds United


Por Daniel Klabunde


O dia 12 de setembro de 2020 ficará para a história do futebol, não pelo confronto do campeão da Premier League 19/20 contra o campeão da Championship 19/20, mas pela estreia de Marcelo Bielsa na primeira divisão do campeonato inglês contra um dos maiores técnicos da atualidade, Jurgen Klopp.


Um confronto que gerou muita expectativa pelas ideias de jogo de cada treinador com um futebol ofensivo de muito controle de bola e intensidade. Os amantes do futebol aguardavam ansiosamente por este confronto que confirmou todas as expectativas. Logo aos 3 minutos Henderson faz o passe e Salah inteligentemente faz o corta luz para Mané, que entra na área e devolve para Salah finalizar, a bola bate no braço do estreante Robin Koch e o pênalti é assinalado. Salah cobra e abre o placar. Neste momento já podíamos ver que seria uma partida diferente, com o Leeds não se retraindo e tentando buscar o empate em todo momento.


O time de Bielsa então começa a colocar o seu futebol em prática e o resultado vem aos 12 minutos, se aproveitando da marcação falha dos Reds no meio campo, Kalvin Phillips em uma bola longa perfeita encontrou Jack Harrison na ponta esquerda. Mais bonito que o lançamento foi a jogada de Harrison, que aplicou uma meia lua em Arnold e uma janelinha em Gomez antes de finalizar e empatar a partida.

Phillips com liberdade para receber e efetuar o lançamento.
Imagem: InStat / Edição: Daniel Klabunde

Na recomposição defensiva a regra do Leeds era manter os encaixes em jogadores nas linhas de passe desde o campo de ataque até se organizar defensivamente, ou seja, jogadores do Liverpool que estivessem como opção mais próxima do portador da bola para receber o passe, com o intuito de evitar a transição ofensiva em velocidade dos Reds.

Transição defensiva do Leeds, mantendo linhas de marcação e buscando encaixes.
Imagem: InStat / Edição: Daniel Klabunde

Diferente da transição defensiva do Liverpool, onde podíamos ver alguns espaços, com jogadores sofrendo superioridade numérica e deixando o meio campo com espaços.

Transição defensiva do Liverpool deixando espaços para a saída de bola do Leeds.
Imagem: InStat / Edição: Daniel Klabunde

O 2×1 para o Liverpool veio de uma jogada ensaiada na cobrança de escanteio, onde Van Dijk se aproveita da barreira formada por seus companheiros e cabeceia livre para marcar.

Henderson e Wijnaldum fazem o bloqueio para Van Dijk ficar livre.
Imagem: InStat / Edição: Daniel Klabunde

Com um desempenho tão intenso entre as duas equipes o jogo ficou por muito tempo concentrado no meio campo, de intermediária a intermediária, tanto que foram 348 perdas de posse das duas equipes, 185 do Liverpool contra 163 do Leeds. Esse número engloba toda a perda de posse, roubadas de bola, passes errados, etc.

Isso se deu muito por tentar imprimir velocidade ao jogo, sempre que a posse era recuperada a regra era rapidamente acionar o companheiro para efetuar a transição ofensiva. Pelo lado do Leeds, era muito utilizada a bola longa buscando os pontas nas costas dos laterais do Liverpool que jogam praticamente como alas, sempre bem avançados.

Foi de uma bola longa que se originou o segundo gol dos Leeds, com uma ajuda de Van Dijk, que tentou afastar a bola, mas acabou pegando muito fraco e deixando para Bamford marcar.

Três minutos depois os Reds já estavam a frente no placar, novamente em uma bola parada, agora com Salah aproveitando o rebote da zaga e acertando um belo chute no ângulo do goleiro Meslier. Isso tudo com apenas 33 minutos de partida.

No segundo tempo aos 21 minutos de partida a pressão alta do Leeds surtiu efeito. Em uma cobrança de lateral a bola foi recuperada e em um belo passe de ruptura de Hélder Costa para Mateusz Klich conseguiram o gol de empate.

Superioridade numérica do Leeds para recuperar a bola.
Passe de ruptura do Hélder buscando a infiltração de Klich nas costas de Van Dijk.
Imagem: InStat / Edição: Daniel Klabunde

Em uma partida como essa a concentração sempre deve estar no nível máximo, para que não haja erros em que o adversário possa se aproveitar. Mas outro estreante não começou bem a sua caminhada com o Leeds, Rodrigo cometeu um pênalti infantil em Fabinho que foi convertido por Salah, decretando a vitória e o Hat-Trick do egípcio.

Uma grande partida para o início do campeonato das duas equipes, como todos esperavam que seria e que ambos nos proporcionem ainda mais emoções maravilhosas como a deste 12 de setembro durante a temporada.

@dktricolor

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s