Uma atacante moderna – Ottilia

Por Rafael Santos

A atacante Ottilia começou no futebol em 2014 fazendo parte do elenco do Centro Esportivo (ADECO – Associação Desportiva Centro Olímpico), nessa época ainda era jogadora de meio campo e não teve oportunidades devido a pouca idade, após um primeiro ano de aprendizagem foi emprestada a Ferroviária onde ficou por toda a temporada 2015 onde também não teve tantas oportunidades.

Retornou ao Centro Esportivo no inicio de 2016, permaneceu no elenco por nove meses, após seis jogos e quatro gols se transferiu para o Braga de Portugal, onde mudou de posição se transformou em atacante. Durante os nove meses de Portugal foram 26 jogos e 19 gols ao todo.

Logo em sua estreia entrou no decorrer do segundo tempo e deixou a sua marca, no jogo seguinte começou a partida desde o inicio e fez o gol da vitória.

Estreia pelo SC Braga – Posicionamento livre em impedimento e livre de marcação.

Suas próximas três partidas não tiveram gol, mas ela manteve o bom nível e pouco a pouco foi evoluindo na competição. Em contrapartida nos próximos oitos jogos ela marcou simplesmente 12 gols em sequencia, destaque para o “hat trick” contra Belenenses e os dois gols contra Vilaverdense FC.

Primeiro doblete na carreira – Transição ofensiva em profundidade visando o gol.

Nas rodadas seguintes manteve um bom nível e nos próximos 13 jogos fez apenas cinco gols, tendo feito mais um “hat trick” contra Belenenses. Após o final da temporada europeia ela retorna ao Brasil, chegando ao Sport de Recife onde não atuou até o fim da temporada nacional feminina.

Após quase dez meses sem jogar ela retornou aos campos no inicio do campeonato brasileiro feminino apenas em maio, desde o inicio sendo uma das principais jogadoras do elenco ao lado da atual companheira de Palmeiras, Ary Borges.

Nas primeiras dez partidas, ela atuou por apenas 448 minutos (proporcionalmente cinco jogos) e fez quatro gols. Naturalmente o começo não seria avassalador, apenas 19 anos e com passagem por Portugal precisou de tempo para se tiver o entrosamento necessário, ficou cinco jogos sem marcar e mais três sem ser relacionada.

Porem chegando próximo de agosto ela viveu sua melhor fase, nos últimos seis jogos do ano atuou os 90 minutos em todas as partidas e fez oito gols, esse fato comprova o desempenho feito em Portugal, uma jogadora que tem bom nível e sabe fazer gols, mas é necessário ter calma e paciência.

Na temporada 2019 se transferiu para o São Paulo onde teve uma temporada próxima do que fez no Sport Recife, porem teve mais representatividade, mas ainda teve grandes fases sem marcar gols. Nos primeiros 12 jogos ela marcou apenas três jogos, mas jogou apenas 757 minutos (respectivos a oito jogos). Essa primeira fase sem tantos gols é natural em sua carreira.

Jogo aéreo – Posicionamento impecável e tecnicamente mostrando qualidades além dos chutes.

Nos próximos 15 jogos ela marcou oito gols, tendo uma regularidade bem melhor, o seu limite de jogos sem marcar virou apenas três jogos.

Frieza – Novamente bem posicionada recebe o psse e se livra da marcação antes de finalizar.

Analisando de forma fria, todas as suas temporadas foram boas nos últimos três anos, média de quase 15 gols em todas as temporadas, um numero bem interessante, mas precisamos analisar sua interação com o elenco e isso ela entrega, além disso, precisamos entender que ela tem apenas 22 anos ainda e já tem uma experiência bem grande.

Função tática

Desde sua chegada, foi nomeada como um dos destaques entre os reforços da primeira lista, fruto dos vários gols marcados contra o Palmeiras na fase final das competições.

Porem é preciso fazer uma analise da jogadora de forma geral, ela se transformou em uma centroavante com muita utilidade e com muita inteligência tática e muita técnica. É muito comum que ela não faça alguns gols, mas ela esteja muito próxima do finalizador tanto com um espaço aberto e/ou uma assistência.

Nova função – Atuando com falso 9 ela cria um espaço e faz um passe em profundidade quebrando a linha defensiva.

Essa característica é muito interessante para o modelo de jogo do futebol feminino moderno, não se pode cobrar ela por apenas marcar gols ou “perder” gols ditos como “fáceis”. Nos dias de hoje ela é uma das melhores atacantes SUB 23 no futebol nacional, mas ela ainda tem ressalvas e coisas para evoluir e ela está em boas mãos.

Mobilidade – Agora com mais liberdade de movimentos ela pode se deslocar ainda mais buscando finalizações.
(https://youtu.be/jF-yHx5lbeM )

É possível imaginar que ela vai evoluir no decorrer da temporada, talvez seja a sua maior temporada em relação a quantidade de jogos pelo calendário.

Conclusão

Primeiro que preciso te dar uma noticia chata, honestamente o elenco do Palmeiras é muito bom, mas está abaixo do nível nacional em relação às grandes potencias. No nível médio é um dos melhores facilmente, mas contra as potencias vai ser sempre zebra e o pouquíssimo tempo de conjunto faz com que o time sempre fica um passo atrás de alguns adversários

Não se pode cobrar um titulo em hipótese nenhuma essa temporada, vai ser um ano para evoluir o elenco e algumas jovens promessas evoluírem com a parceria das experientes e estrelas Rosana e Bia Zaneratto

@Rafinha_Esporte