SELEÇÃO BRASILEIRÃO 2019

Por Felipe Henriques,  Luiz Juno Martins, João Vitor Bonamin e Rodrigo Costa 

SELEÇÃO MW

Foram 380 jogos, onde centenas de jogadores desfilaram seu futebol nos gramados Brasileiros. Ao fim de tudo, com o supercampeão Flamengo, 21 dos nossos analistas elegeram os seus melhores. A unanimidade foi a dupla Gabigol e Bruno Henrique. Para as outras nove posições, mais a revelação, treinador e melhor jogador foram mais de 9 MIL VOTOS! Vocês escolheram e abaixo uma analise de cada um deles!

TADEU – GOLEIRO (por João Vitor Bonamin)

tadeu

Tadeu, evidentemente, foi um dos grandes acertos do Goiás no ano. O esmeraldino olhou com carinho para o Campeonato Paulista que fez com a Ferroviária e foi certeiro na sua contratação. Chegou, se firmou e titular desde a 1a rodada, foi (mais do que) fundamental para que o Goiás terminasse na 10a posição e conseguisse disputar uma vaga na Libertadores até a penúltima rodada. A equipe sofreu algumas goleadas e ele, ao todo, 59 gols. Não era uma defesa forte – muito pelo contrário. Teve, no entanto, uma média de 2.7 defesas consideradas difíceis por jogo e grandes atuações que sacramentaram vitórias e resultados importantes. Seus reflexos, o manuseio e os gestos todos fazem dele merecidamente o melhor goleiro do Brasileirão.

RAFINHA – LATERAL DIREITO (por Felipe Henriques)

rafinha

Chegando ao rubro-negro carioca no meio do ano, o experiente lateral de 34 anos tinha a missão de resolver os problemas da equipe na lateral-direita do Flamengo com a irregularidade de Rodinei e Pará nos últimos anos. De uma forma incontestável, proporcionou criatividade e um alto nível de apresentações, sendo fundamental para um esquema de jogo baseado em dominar e controlar o adversário, já que terminou a competição com cinco assistências, o 4º maior do Flamengo no BR19, atrás de Everton Ribeiro (sete), Gabriel Barbosa (oito) e De Arrascaeta (catorze).

Inclusive, fazendo a ótima assistência para o gol mais bonito do campeonato, marcado com perfeição, de bicicleta, por Giorgian De Arrascaeta.

Devemos destacar também os diferentes papéis que ele e Filipe Luís fazem na equipe de Jorge Jesus, já que o posicionamento mais recuado do lateral-esquerdo (Atuando ocasionalmente como um ala-invertido) permitia Rafinha a gerar amplitude pela direita e fazer uma dupla sensacional com Everton Ribeiro na fase construtiva.

Além disso, Rafinha teve a segunda melhor média de desarmes por partida da competição (média de 2.05 – atrás apenas de Renê com 2,78), o que mostra como, tanto defensiva, quanto ofensivamente, o Flamengo teve seus problemas na lateral direita resolvidos.

RODRIGO CAIO – ZAGUEIRO (por Felipe Henriques)

rodrigo caio

Com um início de temporada desacreditado após a saída conturbada do São Paulo, Rodrigo Caio mostrou o alto nível do seu futebol que justificava as suas convocações para a seleção brasileira. Atuando pelo lado direito da defesa após a chegada de Pablo Marí, mas iniciando o BR19 pelo lado esquerdo quando formou a dupla de zagueiros com Léo Duarte, Caio foi sinônimo de eficiência nas ações defensivas, marcando os centroavantes adversários, iniciando as saídas de bola, reunindo marcação forte e disciplina, recebendo apenas quatro cartões amarelos em 28 apresentações.

Talvez, a principal característica que o defensor mostrou foi a sua imposição, já que o fato de ter sido marcado como um jogador muito mais leal, do que competitivo, gerou dúvidas se o ainda jovem zagueiro poderia liderar a defesa de uma grande equipe, que sofria com a inconstância nas últimas temporadas.

Com as médias de 0.9 interceptações p/ partida, 0.7 desarmes p/ partida, 2,9 cortes p/partida, 5,0 duelos ganhos p/partida e mais de 70% de aproveitamento nos duelos aéreos, Rodrigo Caio provou que protege a sua área como um grande líder defensivo, com técnica apurada para contribuir com a fase construtiva de sua equipe.

VICTOR CUESTA – ZAGUEIRO (por Luiz “Juno” Martins)

cuesta

Cuesta é um zagueiro valioso para o sistema defensivo colorado. É um jogador de velocidade na leitura de jogo e um ótimo jogo aéreo. Possui números expressivos defendendo a área, com 2,3 interceptações e desarmes por partida. Estes números ocorrem por ter uma reação rápida na leitura de jogo, sempre buscando o melhor posicionamento, para vencer seus duelos, como zagueiro de sobra ou em certas situações saindo da linha defensiva e pressionando o adversário longe da área.

Outro ponto positivo em seu jogo é a saída de bola qualificada e visão de jogo para construção de jogadas desde a linha defensiva. Com médias de 40,8 passes certos por jogo (86%) e 3,3 bolas longas por partida, valores altos para um zagueiro, foi um dos armadores colorados, encontrando companheiros em zonas atrás das linhas adversárias, fazendo o time progredir em campo adversário.

O zagueiro foi destaque não somente no cenário brasileiro, mas também se destacou dentro do próprio Internacional, sendo o melhor jogador da temporada no clube, devido a sua regularidade, capacidade de liderança e todas as qualidades destacadas acima.

FILIPE LUÍS – LATERAL ESQUERDO (por Felipe Henriques)

filipe luis

Filipe Luís é um lateral experiente, inteligente taticamente e tecnicamente acima da média. Não a toa, sua contratação no meio do ano surgia como um reforço, de nível mundial, para fazer uma das equipes mais fortes do futebol brasileiro subir de patamar.

Com 34 anos de vida e 15 de futebol europeu, Filipe acumulou temporadas de destaque no Atletico de Madrid e, no Flamengo, teve ótimas apresentações e destacou-se pela sua visão de jogo e também pelo bom tempo de desarmes e antecipação defensiva, contribuindo para a segurança de uma equipe ofensiva.

Além disso, Filipe desempenhou uma função de “ala-invertido”, fechando por dentro enquanto Rafinha gerava amplitude pela direita, auxiliando assim a criação da equipe e o domínio no meio-campo, já que por vezes, Bruno, Arrascaeta ou Everton Ribeiro atuavam abertos pela esquerda, permitindo o lateral atuar por dentro ao lado de Gérson na fase de construção, como na partida contra o Cruzeiro, em Belo Horizonte, sua melhor atuação no campeonato, onde foi potencializado o seu jogo sem-bola.

GÉRSON – VOLANTE (por Felipe Henriques)

gerson

Logo quando chegou ao Flamengo, Jorge Jesus identificou uma carência no elenco rubro-negro: Não havia um segundo volante, um meio-campista que atuasse ao lado do primeiro homem de meio-campo e que tivesse mais liberdade para chegar ao ataque, com qualidade no passe, boa finalização e boa capacidade no jogo sem-bola.

Reunindo força física e habilidade, Gérson liderou o meio-campo durante o BR19 com grandes apresentações, vencendo duelos com imposição física para roubar a bola e iniciar transições ofensivas (média de 1,5 desarmes p/ partida). Aliás, o “Coringa” também destacou-se desempenhando outras funções durante o torneio, como um meia aberto pela direita, na goleada sobre o Vasco da Gama – 4×1, em Brasília, por exemplo.

Com dois gols, três assistências e cinco grandes chances criadas, Gérson surpreendeu quem duvidava de seu bom futebol devido a passagem conturbada que teve pela Itália, sendo um jogador fundamental no esquema de JJ, com o perfil de um meio-campista completo.

CARLOS SÁNCHEZ – VOLANTE (por Rodrigo Costa)

sanchez

O meia de 35 anos foi o melhor jogador da equipe do Santos no Brasileirão. Símbolo de raça e ao mesmo tempo técnica, o uruguaio foi peça fundamental para a equipe na campanha do vicecampeonato. Por ser um jogador intenso, com muito vigor físico, aliando ótimos passes e lançamentos (9 assistências para gols e 81 assistências para finalizações) além de bolas paradas mortais que foram importantíssimas para o Peixe. Destaque também para as infiltrações constantes e perigosas nas defesas adversárias.

DE ARRASCAETA – MEIO CAMPO (por Felipe Henriques)

arrascaeta

Um jogador talentoso que simplifica as jogadas com um toque genial, com muita habilidade. Eu poderia definir o meia uruguaio Giogian De Arrascaeta com essa frase, pois definiria a técnica diferenciada, o rápido raciocínio e a habilidade do camisa 14 de forma simples e objetiva, já que foram apresentados argumentos suficientes para considerá-lo um dos melhores jogadores em atividade no futebol brasileiro.

Com um raro “Double-Double” atingindo o dígito duplo em gols (13) e assistências (14), Arrascaeta foi fundamental durante o BR19 ao acumular grandes apresentações seja como armador-central ou como ponta pela esquerda, até mesmo como um segundo atacante, pisando na área e abrindo espaço, seja com um passe ou uma movimentação, para infiltrações na área.

Arrascaeta também chama a atenção pela forma como simplifica as jogadas, para gerar uma assistência ou conseguir um drible, sendo inclusive, o segundo maior driblador rubro-negro na competição (51 dribles em 23 partidas), atrás apenas de Everton Ribeiro. Como se não bastasse a sua qualidade técnica, Arrascaeta ainda terminou o campeonato como líder de assistências e de grandes chances criadas, provando como foi decisivo para o título e histórica campanha do Flamengo.

Desde um passe para finalização até um golaço de bicicleta: Arrascaeta é, de fato, um jogador talentoso que simplifica as jogadas com um toque genial, com muita habilidade.

EVERTON RIBEIRO – MEIO CAMPO

everton ribeiro

Em seu Brasileirão menos artilheiro dos últimos anos, Everton Ribeiro foi o cérebro de uma equipe ofensiva e com muita qualidade na fase construtiva. Principal driblador da equipe e digno de criar grandes jogadas quando acerta um gesto técnico perfeito, o camisa 7 consegue ser um meia muito difícil de ser parado, principalmente se acrescentarmos a sua velocidade e capacidade de improvisação.

Seja como ponta direita ou como armador central, Everton parece ter um “playbook” de jogadas em sua mente para conseguir envolver os demais jogadores ofensivos nas investidas de ataque. Não a toa, o Flamengo tem o flanco direito como lado mais forte no setor ofensivo, conseguindo associar  Rafinha, Gérson e, por vezes, até Arrascaeta, Bruno Henrique ou Gabriel na fase construtiva, isso quando consegue abrir o corredor para o lateral rubro-negro atacar a linha de fundo e realizar os seus bons cruzamentos.

É verdade que Everton não foi tão protagonista, mas temos que considerar que ele não estava 100% fisicamente. Mesmo assim, é um jogador que consegue, em passes curtos e rápidos, realizar triangulações que deixam seus companheiros em boas condições de finalizar.

Não a toa, foi o sexto em assistências no campeonato e o terceiro em passes decisivos (ou seja, assistências para finalização), com 85. Discreto, porém indispensável e decisivo: Everton Ribeiro justificou a sua alcunha, de Miteiro.

BRUNO HENRIQUE – ATACANTE E MELHOR JOGADOR (por Felipe Henriques)

bh

Bruno Henrique já fazia um bom 2019 sob o comando de Abel Braga, é verdade; Porém, a técnica do atacante parecia a cada jogo mais apurada e afiada depois da chegada de JJ, fazendo um BR19 simplesmente inesquecível ao marcar 21 gols, dar quatro assistências e conseguir dribles e arrancadas decisivas para o título rubro-negro.

Bruno chama a atenção pelo fato de estar no auge de sua forma física e técnica, terminando o torneio como o quarto maior finalizador do campeonato (78) e com versatilidade para atuar como atacante de referência, segundo atacante e ponta no esquema de Jorge Jesus, mesclando funções na parte ofensiva e também contribuindo na parte defensiva, fechando o corredor pela esquerda.

O camisa 27 foi o vice-artilheiro do campeonato, fez uma dupla soberba com Gabriel Barbosa e mostrou-se um jogador completo e decisivo ao longo das 38 rodadas. Um potencial MVP, sim senhor.

GABRIEL BARBOSA – ATACANTE (por Felipe Henriques)

gabigol

O camisa 9 deixava claro, a cada partida, que sempre era dia de gol dele. E era mesmo…

Gabriel é um atacante incrível. Marrento, até irresponsável as vezes, porém incrível. Tecnicamente, é muito acima da média no futebol brasileiro, provando isso com a dupla artilharia seguida do Brasileirão, com duas temporadas consecutivas.

Gabriel assumiu o protagonismo da equipe com gols decisivos e mais oito assistências, além de 14 grandes chances criadas, mostrando o quão participativo e indispensável, tornou-se ao longo do campeonato. Porém, longe de ser um “atacante de área” por mais que seja letal nela, já que também desempenhou funções de atacante pela direita, permitindo Bruno Henrique ou até mesmo o garoto Renier a posicionarem-se como atacante central, como no 2T da vitória sobre o Bahia, no Maracanã.

Mesmo após 38 rodadas e 25 gols marcados, fica difícil responder quando NÃO teve gol do Gabigol.

JORGE JESUS – TREINADOR (por Felipe Henriques)

jj

O Mister assumiu o Flamengo com oito pontos de diferença para o líder Palmeiras, com a missão de tornar uma equipe taticamente bagunçada em uma equipe competitiva e com um futebol de alto nível que justificasse o investimento e acabar com a síndrome do fracasso que o torcedor rubro-negro enfrentou nas últimas temporadas. Nada fácil, porém, o lema “Ganhar, Ganhar, Ganhar” foi muito mais do que uma frase de efeito utilizada em sua apresentação, mas uma ideologia a ser seguida de forma veemente para a arrancada rumo ao hexacampeonato.

Com esquemas táticos versáteis, (um inicial 4-1-3-2, que migrou para o 4-4-2 e, eventualmente, 4-2-3-1), Jorge Jesus conseguiu potencializar seus jogadores para desempenhar funções dentro de uma estratégia de jogo, contribuindo para a evolução coletiva e individual da equipe. Um exemplo disso, é a boa forma de Willian Arão como primeiro volante no lugar do colombiano Gustavo Cuéllar, que saiu pelas portas dos fundos e sem deixar saudades. Além disso, armou um quarteto ofensivo que exalava habilidade e entrosamento, fazendo com que a equipe, embora muito ofensiva, apresentasse uma evolução defensiva, a cada partida.

Após a chegada do Mister, o Flamengo esteve, a cada partida, alcançando novos patamares.

MICHAEL – REVELAÇÃO (por João Vitor Bonamin)

michael

Michael fez um belíssimo Campeonato Brasileiro. Marcou 9 gols, deu 5 assistências e encantou pelo 1v1, pela velocidade e por lances marcantes. Sempre muito acionado e partindo do lado (esq.) pra jogar por dentro, fez uma temporada brutal pela equipe, sendo bem determinante na campanha, trazendo consigo também uma bela história de superação que envolvem traumas passados (vícios, dificuldades). O Corinthians já surge como um possível destino em 2020. Difícil segurarem.

@Narrador_Felipe @ojunomartins @Jvsb28 @costarodrigosfc

Dependemos de você para continuar nosso trabalho! Se gosta, contribua para a manutenção do MW Futebol!

R$50,00

Um comentário sobre “SELEÇÃO BRASILEIRÃO 2019

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s