Abram alas para Igor Gomes – ANÁLISE TÁTICA SÃO PAULO 2×0 ATLÉTICO MINEIRO

Por Pedro Galante

WhatsApp Image 2019-10-28 at 21.53.25

Pela vigésima oitava rodada do Brasileirão, São Paulo e Atlético Mineiro se enfrentaram no domingo (27). O duelo foi marcado pela atuação individual do meia Igor Gomes e por um São Paulo cada vez mais produtivo no campo de ataque.

 

Ajude a melhorar nossas análises táticas! Contribua com o MW Futebol e ajude a manter o acesso gratuito aos nossos textos.

R$10,00

Diniz manteve o desenho do 4-1-4-1 e, com Dani Alves e Luan suspensos, colocou Igor Vinicius e Igor Gomes como lateral e meio-campista pela direita, respectivamente. Além disso, a equipe contou com a volta de Reinaldo pela esquerda.

O Atlético, armado em um 4-2-3-1 queria repetir a atuação da última rodada, onde venceu o Santos: travar a saída de bola do São Paulo com uma pressão alta e ser incisivo com a bola no pé.

O Tricolor teve o domínio e se impôs no campo de ataque. Quando Vinicius subia para pressionar ao lado de Di Santo, Tchê Tchê recuado entre os zagueiros – que estão evoluindo com a bola no pé – gerava a superioridade necessária para conseguir levar a bola até Liziero e Igor Gomes mais à frente.

barça brTchê Tchê fazendo a saída de três e os dois Igor’s dando opção de passe nas costas da linha de marcação. (Foto: Instat/ Pedro Galante)

Liziero e Igor jogaram cerca de 30 minutos juntos contra o Avaí e foram fundamentais para que o time conseguisse se impor: apareciam entre as linhas adversárias, buscavam triangulações com o lateral e o ponta de seu lado e atacavam os espaços vazios. Contra o galo, mantiveram esses comportamentos sendo ainda mais criativos e efetivos.

barça brTriangulação pelo lado direito. Igor Gomes entre as linhas adversárias. (Foto: Instat/ Pedro Galante)

Ainda assim o São Paulo não abriu o placar na primeira etapa. Os laterais aparecerem pouco na linha de fundo e Antony e Vitor Bueno estavam muito bem marcados. O Atlético, por sua vez, até defendia com eficiência mas tinha muita dificuldade de ferir o adversário. Os contra-ataque não se desenvolviam frente a uma pressão pós-perda muito forte do São Paulo, e com Otero e Luan abaixo, mais Nathan muito recuado a criação foi dificultada.

Os treinadores não mexeram no intervalo, mas o São Paulo parecia mais agressivo. Aos cinco minutos, Igor Vinicius cruzou rasteiro para Antony. O ponta direita atraiu o zagueiro adversário, esticou a bola para a linha de fundo e cruzou para trás, para a chegada de Igor Gomes. Uma jogada muito veloz em espaço reduzido.

Aos 11, o segundo gol. A equipe recupera a bola no meio-campo, Igor Gomes tabela com Antony tirando a bola da pressão e depois da um lindo lançamento nas costas do lateral Guga para Vitor Bueno marcar.

barça brIgor Gomes teve ótima visão e aproveitou a linha de defesa do atlético bagunçada. (Foto: Instat/ Pedro Galante)

Antes mesmo do segundo gol Mancini já havia colocado em campo Ricardo Oliveira e Marquinhos para correr atrás do prejuízo. O São Paulo ficou apenas administrando a vantagem construída.

Diniz fez as três alterações: saíram Igor Gomes, Liziero e Antony para a entrada de Hernanes, Hudson e Calazans. A equipe conduziu a vantagem sem sustos, mas também sem grandes chances de ampliar.

Na rodada onde Corinthians e Santos – rivais diretos – empataram, o São Paulo somou três pontos essenciais. Mas, mais importante que o resultado, foi a boa atuação da equipe, comandada pelos jovens valores.

Depois de ser dominante contra o Avaí, o São Paulo repetiu a dose contra um adversário mais sólido e exigente. É a prova de que a equipe está evoluindo dentro das ideias de Diniz. A produção ofensiva está ótima em quantidade, mas precisa melhorar em qualidade. A má fase de Pato e a não opção por Raniel precisam ser discutidas.

barça br

Mapa das finalizações. Foram 14, nove de dentro da área. No entanto o Xg* (Índice de Gol Esperado) mais alto foi de apenas 0.65. A equipe pode criar chances melhores. *Xg é uma métrica de análise que atribui uma nota de 0 a 1 para cada chute, classificando quão boa era aquela chance. (Foto: Instat)

Igor Gomes, que não era titular a cinco meses, mas vinha fazendo boas atuações, ganhou sua chance – muito em função da ausência de Luan – e correspondeu. A torcida pede sua presença no clássico contra o Palmeiras, na próxima rodada. Quando perguntado, Diniz argumenta que tem mais de 11 titulares, e Igor está nesse grupo.

@pedro17galante

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s