Resgate de uma Identidade – ANÁLISE TÁTICA BOTAFOGO 2×1 CSA

Por Guilherme Monteiro

WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.30.00

Após um revés em sua estreia, Alberto Valentim preparou um Botafogo bem diferente do que vimos durante todo o Campeonato Brasileiro, as mudanças passaram da escalação com a entrada de novas peças a uma velha formação (4-2-3-1) e que rendeu frutos com Alberto no início de sua 1° passagem pelo glorioso. O resgate da identidade citada no título do texto faz referência ao retorno de conceitos de um jogo mais direto e vertical, marca registrada do alvinegro nos últimos anos.

WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.30.06Via: TacticalPad.                 

Em relação a sua estreia, Valentim promoveu as entradas de Victor Rangel e de Léo Valência. E as trocas se mostraram bem produtivas. A equipe utilizou o 4-2-3-1 como formação inicial, mas que alternava para o 4-4-2, de acordo com a movimentação de Diego Souza no terço final.

Ajude a melhorar nossas análises táticas! Contribua com o MW Futebol e ajude a manter o acesso gratuito aos nossos textos.

R$10,00

“Um Botafogo mais vertical e direto.”

WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.30.11WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.30.15WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.30.20WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.30.24Via: Footstats Premium.

Destaques táticos da partida- Momento Ofensivo:

WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.30.28Imagem: SporTV/Premiere, Edição: Guilherme Monteiro.

Nesta nova estrutura de Valentim, Léo Valência tem um peso considerável, o chilenoaparece bem mais por dentro e trazendo duas novas possibilidades dentro da “nova” ideia de jogo, 1°- Uma maior liberdade para Yuri atacar o corredor (como vemos na imagem), mas também gerar mais linhas de passe por dentro e envolver o adversário com poucos toques e chegar ao gol.

WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.30.34Imagem: SporTV/Premiere, Edição: Guilherme Monteiro.

Diego Souza é fundamental para o bom desenvolvimento do modelo de jogo, com suas vitórias pessoais em bolas longas, além de oferecer profundidade, dá oportunidade para equipe se aproximar e iniciar a organização/transição ofensiva e fazer o jogo fluir.

WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.30.39Imagem: SporTV/Premiere, Edição: Guilherme Monteiro.

Dois grandes erros do CSA e que eram muito bem aproveitados pelo Botafogo, 1°- a falta de pressão ao portador da bola, neste exemplo, Cícero tem total liberdade para pensar, parar e escolher o que fazer. 2°- Os espaços nas costas das linhas ou dos jogadores azulinos, o que chamamos de espaços entrelinhas. Neste exemplo, Diego Souza e Léo Valência se posicionam atrás dos jogadores do CSA e Diego receberá a bola com tranquilidade.

WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.30.45Imagem: SporTV/Premiere, Edição: Guilherme Monteiro.

Se no lado alagoano a bola descoberta, foi um problema, por parte dos alvinegros, também foi uma debilidade, o CSA soube de forma inteligente explorar isto e crescer na partida.

WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.30.50Imagem: SporTV/Premiere, Edição: Guilherme Monteiro.

Mais uma verossimilhança entre as equipes, os espaços entrelinhas, nesta imagem Jonathan Gomez, irá receber a bola nas costas da linha defensiva alvinegra, e a partir dali prosseguir a construção azulina.

Momento Defensivo:

WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.30.59Imagem: SporTV/Premiere, Edição: Guilherme Monteiro.

Uma das marcas registradas do trabalho de Eduardo Barroca e que permanece com Valentim, é a marcação em bloco médio/alto e que alterna em bloco médio/baixo, por encaixes individuais limitando as opções de passe do portador da bola e forçando o erro do adversário.

WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.31.04WhatsApp Image 2019-10-22 at 21.31.09Imagem: SporTV/Premiere, Edição: Guilherme Monteiro.

Um dos grandes problemas do Botafogo na temporada, é a marcação pelos lados do campo, Valentim, aparentemente conseguiu consertar o problema, orientando melhor os atletas na pressão ao portador naquela zona do campo, com a equipe constantemente obtendoao menos a igualdade numérica nas laterais.

Apesar da vitória, o Alvinegro ainda necessita corrigir algumas coisas, a Transição defensiva, é lenta e com a perda da intensidade a partir do final da 1° parte afeta o rendimento da equipe em toda a 2° parte, em aspectos ofensivos, ainda faz-se necessário acertar a orientação corporal dos atletas para melhorar os apoios e geração de maiores linhas de passe e a transição ofensiva necessita ser mais veloz. O CSA teve uma boa atuação dentro de suas limitações, Argel Fucks, vem buscado melhorar a equipe em situações de organização ofensiva, o treino do fundamento de passe e um enfoque em melhorar a movimentação da equipe nestas situações faz-se necessário para uma melhorar as performances da equipe nestes cenários.

@guizaomb19

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s