Vitória em Cuiabá – ANÁLISE TÁTICA CUIABÁ 1×3 VITÓRIA

Por Ícaro Caldas e Ítalo Amorim

26
Vitória e Cuiabá se enfrentaram na noite dessa sexta-feira (11.10) na Arena Cuiabá pela vigésima oitava rodada da Série B, confronto esse que marcava times em condições opostas, tanto na tabela (Cuiabá melhor posicionado) quanto em momento (Vitória melhor em desempenho recente).

Ajude a melhorar nossas análises táticas! Contribua com o MW Futebol e ajude a manter o acesso gratuito aos nossos textos.

R$10,00

Mesmo estando em um momento melhor, o Vitória entrou em campo parcialmente pressionado com o empate do Vila Nova frente ao Atl-GO, jogo que aconteceu às 19h30. Dada as circunstâncias, o empate seria suficiente para manter o rubro-negro baiano fora do Z4.

O JOGO:

Primariamente, iremos destacar a escalação equivocada de Geninho para este confronto. Com Baraka, recuperado de lesão mas muito abaixo técnica e taticamente, Geninho escalou o time com quatro volantes de origem:

Vitória (4-4-2): M. Rodríguez; Van, É. Sena, Ramon, T. Carleto; Romisson, Léo Gomes, Baraka, L. Cândido; Eron e Jordy.

Posteriormente, com o decorrer do jogo, ficou claro que o Vitória não estabilizaria uma linha de quatro com seus volantes. Romisson ganhou liberdade pela direita como uma espécie de falso-ponta e Eron várias vezes invertia posição com Lucas Cândido, recuando para receber de costas para o gol e dando liberdade para o meia ficar no setor de ataque com Jordy. Isso sem falar das subidas de Carleto e Van, sendo efetivos alas.

Cuiabá (4-2-3-1): V. Souza; Léo, Ednei, A. Conceição, Paulinho; Marino, Alê; F. Marques, J. Patrick, M. Anderson; Rodolfo.

Como o Rodolfo atuou apenas 1/3 do confronto, o 4-2-3-1 do Cuiabá virou um 4-2-2-2 com o Jean Patrick buscando se aproximar do Rincon (atacante que entrou no lugar do lesionado Rodolfo).

PRIMEIRO TEMPO:

O jogo começou com o Vitória tentando tomar as atitudes em campo, porém com baixo poder de efetividade. O lance abaixo mostra bem:

ligação direta
Diante das poucas vezes em que conseguiu chegar perto do gol dos mandantes, o Vitória mostrou como queria executar: atacando em um 4-4-2; Jordy e ‘Eron’ por dentro e os laterais abertos atacando o corredor.

Entretanto, nesta imagem vemos a movimentação do Eron relatada anteriormente, assumindo o papel de um meio campista e dando liberdade para o Cândido se portar como um atacante. Invertendo de posição, mas conservando a ideia:

Candido --- Eron
Com jogadas previsíveis pelo lado esquerdo e com um time ‘preso’, o rubro-negro não conseguiu assustar a equipe do Cuiabá que, por outro lado, encontrava passes mais objetivos e levava perigo com suas viradas de jogo.

Após recuperar a bola no seu campo de defesa, mas perdendo-a logo em seguidan o Vitória sofreu com o poder do jogo vertical dos mandantes. O time recupera, Van conduz a bola e perde a sua posse, Lucas Cândido pressiona o portador sem efetividade e vê os mandantes virarem rapidamente o lado do jogo, saindo do seu lado esquerdo ofensivo para o lado direito. Passe entre os alas do Vitória (no momento Eron e Thiago Carleto) e um bote atrasado do volante Baraka: pênalti. Veja por completo o lance em questão:

Saindo atrás do placar e precisando de um empate para voltar a ficar livre do Z4, o Vitória passou a ter mais posse de bola, porém ainda sem criar chances reais. Apenas com bolas paradas (cabeçadas de Lucas Cândido para o centro da área após escanteios, finalização para fora do Romisson, finalização de Carleto em uma cobrança de falta e, posterior a falta, uma cabeçada de Ramon no escanteio) o Vitória chegou ao ataque nessa primeria etapa.

SEGUNDO TEMPO:

Naturalmente, a volta do intervalo seria de um time mais ofensivo e que fosse buscar o empate. Visto que é ideia de Geninho ter um time mais solto, o Vitória precisava do resultado e o Cuiabá havia dado liberdade para o Vitória criar.

Logo após o jogo recomeçar o jogo, o Vitória empatou antes do ponteiro marcar um minuto. Aos 54 segundos de jogo, Jordy Caicedo empatou para os visitante. Tirando assim um enorme peso das costas da equipe e jogando um balde de água fria nos visitantes, que naquela altura já haviam mudado completamente sua ideia com três trocas (todas por lesão).

Mas, o que teve de melhor neste gol tão veloz? Bem, explicaremos:
O Vitória venceu a primeira bola (bola que vem pelo alto), colocou no chão e começou a tocar, se movimentar e achar espaços. Saída lavolpiana (zag. + vol. + zag.) com Léo Gomes recuando entre os zagueiros, laterais abertos em amplitude (já natural no Vitória de Geninho), Cândido à frente da zaga como distribuidor, os meios-campistas nas costas dos volantes e os atacantes jogando por dentro dando profundidade.

A partir disso, o empate tornou-se desinteressante para os mandantes, que visavam se afastar o máximo do Z4.

O problema é que o cenário já estava escrito, a profundidade dos atacantes se repetiu pelos treze minutos seguintes e Eron, usufruindo do seu porte físico, ganhou uma falta para os visitantes.

Boa bola parada e confiança, era tudo que Thiago Carleto precisava para encontrar Éverton Sena atacando a bola no miolo defensivo do Cuiabá. Importante ressaltar que o camisa 14 estava adiantado no momento da cobrança, partindo para o voo antes do Thiago por a bola na área.

Com o jogo estabilizado, prevaleceu o domínio aéreo de Éverton Sena, Ramon e Martín Rodríguez (ganharam 18 de 20 duelos aéreos) e a proteção na frente da área de Léo Gomes e Lucas Cândido.

Eron ajudava no lado esquerdo e Romisson no lado direito, superioridade numérica em todos os setores defensivos com o Jordy espetado entre os defensores. Papel que permitia descanso ao centroavante, mas também gerava preocupação para os defensores, afinal se o equatoriano partisse do seu campo não existiria impedimento.

Dessa forma o jogo foi indo, o Vitória reforçou o domínio aéreo (colocando Zé Ivaldo) quando o Cuiabá parou de gerar situações na frente da área e colocou um “gás” novo na direita (Jonathan Bocão no lugar de Van).

Contra-atacou em duas situações com Bocão e Jordy, suportou a pressão e foi premiado no penúltimo lance do jogo: Jordy recebe uma rifada do Carleto, domina tirando do último defensor e escapa sozinho. Frente ao Souza (que fez uma enorme segunda etapa) não desperdiçou: Vitória 3-1 Cuiabá. Placar selado.

@caldasicaro e @italoamorim08

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s