Se sentindo em casa – ANÁLISE TÁTICA ATLÉTICO-MG 1×2 VASCO

Por Ricardo Leite

WhatsApp Image 2019-10-03 at 20.15.19

Uma das grandes críticas ao bom trabalho do Luxemburgo à frente do Vasco, é a pouca capacidade de criar múltiplas alternativas dentro das partidas e até em formações que se adequem ao contexto. Mas o “profexô” fez questão de “dar uma resposta” logo na escalação inicial para partida diante do Atlético-MG. Com as últimas atuações abaixo de Rossi e Marcos Jr., Luxemburgo optou pelas entradas de Andrey e Marrony, com isso acabou retornando ao esquema que Vasco jogava com Alberto Valentim: o 4-2-3-1. A grande surpresa, assim como no jogo diante do São Paulo, ficou pela utilização de Raul (volante de origem) na função de extremo pela direita.  Também inesperado foi a área de atuação de Marrony, o jovem jogador, acostumado a joga aberto como extremo, ou até como centroavante, teve a função de atuar mais centralizado, porém atrás do Ribamar.

WhatsApp Image 2019-10-04 at 00.07.35

Em entrevista ainda antes da bola rolar, Luxemburgo admitiu que as mudanças foram pensadas para potencializar o Vasco em cima das dificuldades do adversário. A ideia do treinador era que Marrony e Ribamar buscassem profundidade juntos, e dessem bastante trabalho à dupla de zaga atleticana (que tinha Maidana, sem ritmo de jogo entre eles). Os primeiros 20 minutos foram de alta intensidade, volume e controle por parte da equipe cruzmaltina. Talles Magno na esquerda tinha muita liberdade, flutuava entre as linhas, vinha por dentro e levava vantagem na maioria dos duelos individuais. Mesmo com pouca aproximação foi peça importantíssima no setor ofensivo. Do outro lado, Raul mostra o porque tem a confiança de Luxa, seja de volante, meia ou extremo o jogador assimila e executa muito bem as funções determinadas pelo comandante. Ribamar e Marrony demonstraram intensidade e agressividade, e foram importantes para que o Vasco ganhasse metros e que tivessem espaços para os companheiros usufruírem.

WhatsApp Image 2019-10-04 at 00.07.41

Sem a bola, o Vasco se portou mais próximo de um 4-4-2, embora também tenha sido possível enxergar o “bom e velho” 4-1-4-1 já conhecido do torcedor. A equipe manteve os encaixes no setor da bola, que dificulta a progressão do adversário, e assim como no jogo diante do Corinthians, a equipe vascaína subiu por várias vezes a marcação, demonstrando muita intensidade e agressividade dos seus homens de frente no momento da marcação. Andrey e Richard ficavam um pouco mais por dentro e fizeram boa proteção da área. Richard voltou bem após ausência diante do Corinthians e foi bem tanto no posicionamento, como na saída de bola. Andrey com a bola tinha mais liberdade e encostava no ataque, chegando a finalizar duas vezes com perigo.

WhatsApp Image 2019-10-04 at 00.07.48

Após os 25 minutos, Luan e Cazares entraram no jogo e começaram a tentar jogadas individuais e reter um pouco a posse no campo de ataque. Na bola parada porém, era como o Galo criava suas melhores chances, sejam de forma direta, ou através de cruzamento. Lendo bem a partida, o Vasco não demorou para retomar o controle e terminou o primeiro tempo bem superior ao adversário, com uma postura como se estivesse jogando em São Januário.

Ajude a melhorar nossas análises táticas! Contribua com o MW Futebol e ajude a manter o acesso gratuito aos nossos textos.

R$10,00

O segundo tempo começou com cenário bem parecido, e com o passar dos minutos, até pela pressão da torcida, o Atlético se via pressionado e foi perdendo em organização e buscava uma pressão desordenada. Inexplicavelmente o Vasco que tinha melhor desempenho na partida, entrou na afobação do mandante e tornou uma partida interessante, numa “pelada” perigosa para ambos. Numa bola parada, Otero apareceu na segunda trave para marcar de cabeça após desvio na área. Luxemburgo mudou o esquema novamente e apostou na volta dos barrados Rossi e Marcos Jr.Talles Magno cansado, também saiu. Sem deixar o Galo comemorar, logo na sequência o Vasco empatou de pênalti. Sofrido por Marrony e convertido por Rossi. Em partida intensa e pouco ordenada, as equipes colocaram muita intensidade até o fim, e o Vasco mesmo fora de casa, fez esforços até o fim para sair com a vitória. E em jogada inesperada: Rossi destro, jogando pela direita, normalmente busca o fundo, cortou pra dentro e de trivela fez belo cruzamento para a infiltração de Marcos Jr. que dominou e finalizou com força para dar a vitória para o Gigante da Colina. Vasco conseguiu sua terceira vitória fora de casa, e vai embalado para enfrentar o Santos, no sábado em São Januário.
                                                                                                              

@analisevasco

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s