Sofrimento em preto e branco – ANÁLISE TÁTICA CORINTHIANS 1X0 VASCO

Por Jhonata Souza e Ricardo Leite

Na manhã do último domingo (29), Corinthians e Vasco se enfrentaram na Arena Corinthians pela vigésima segunda rodada do Campeonato Brasileiro. Tentando superar um grande tabu de não vencer o Corinthians, o Vasco foi a São Paulo sem uma peça considerada vital para o sistema de jogo de Luxemburgo: Richard, que faz o elo entre defesa e meio campo, possui grande importância tática para dar equilíbrio à equipe. O volante por ser emprestado da equipe paulista, não tinha condição de jogo. Felipe Bastos, uma das opções pro treinador, também é oriundo do Corinthians, logo não estava disponível pelo mesmo motivo. Com olhos sempre atentos a base, o treinador subiu o excelente volante Bruno Gomes. Jogador que chama atenção pelo refino técnico e excelente leitura tática. O volante aliás foi a única boa notícia pro vascaíno neste domingo. Apesar de ainda tímido perto do que pode produzir principalmente com a bola, Bruno liderou as estatísticas de desarme e acertos de passe, demonstrou tranquilidade e boa leitura para desempenhar sua função. Na defesa também houve uma mudança, com Henríquez suspenso, Werley foi o titular. No ataque, Ribamar foi mantido no trio, juntamente com Talles e Rossi.

vas1Vasco no 4-1-4-1

PRIMEIRO TEMPO

O jogo, que aconteceu às 11h da manhã, teve ritmo baixíssimo e pouca inspiração no 1º tempo. Ambas as equipes já demonstram durante todo o campeonato, uma grande deficiência construtiva, e poucas alternativas para furar os bloqueios adversários. E foi assim que se desenhou a primeira etapa, vantagem dos defensores nos duelos e ataques apostando na individualidade para resolver. O Corinthians ainda levou perigo com Pedrinho, que conseguiu bons lances em cima de Danilo Barcelos, mas com dobras de marcação do Timão e pouca aproximação dos companheiros vascaínos, as jogadas com Talles foram pouco efetivas. O cruzmaltino conseguia levar perigo nas bolas paradas e nos erros defensivos pontuais do Corinthians.

 

Ajude a melhorar nossas análises táticas! Contribua com o MW Futebol e ajude a manter o acesso gratuito aos nossos textos.

R$10,00

Foi um dos piores 45 minutos do Corinthians em 2019! Nos primeiros 20 minutos o Timão chegou a ter mais de 60% de posse, mas foi uma posse improdutiva que se resumia em rodar a bola sem conseguir infiltrar e criar alguma chance. O primeiro lance de mais ou menos perigo se deu aos 23 minutos com Pedrinho recebendo um lindo lançamento de Sornoza e finalizando para uma defesa fácil de Fernando Miguel. Aliás, a dupla de meias foi quem mais tentou criar alguma coisa no lado corinthiano.

A equipe vascaína manteve o 4-1-4-1 sem a bola, mas foi um pouco mais agressivo e com bloco um pouco mais alto do que o costumeiro. Isso gerou instabilidade na defesa corintiana que possuía dificuldades de fazer essa transição limpa, principalmente pela pouca produtividade de Ralf, Manoel e Danilo Avelar. Ribamar teve grande importância nesse aspecto e deu trabalho à defesa do alvinegro paulista. O centroavante vascaíno alia força e velocidade, mas peca na maioria das tomadas de decisão e até na execução dos gestos técnicos. Outro fator que prejudicou o volume ofensivo vascaíno foi à exibição individual abaixo dos seus volantes/meias: Raul e Marcos Jr. Rossi manteve sua má fase após a cirurgia e não acrescentou em nada ofensivamente para a equipe. Em contrapartida, o lado direito cruzmaltino teve bom atuação defensiva e levou vantagem em relação ao ataque corintiano.

vas 2Vasco subindo mais a marcação em relação a outros jogos.

O Corinthians tem no seu lado direito seu ponto forte e no primeiro tempo viu Fagner mais uma vez abaixo e um adversário que marcou bem aquele setor forçando o Timão a jogar pela esquerda. Essa situação deixou bem claro como Clayson e Avelar deixam muito a desejar no momento ofensivo. Outro que teve atuação ruim foi Ramiro que cumpriu o seu papel na defesa, porém agregou em nada no momento ofensivo. Como consequência desses problemas, a bola pouco chegou para Boselli que acabou ficando bem isolado sem ninguém se aproximando para fazer uma tabela.

SEGUNDO TEMPO

Quase sem jogo pelo meio, sem jogo de entrelinhas e pouca mobilidade e aproximação, os ataques sofriam para dar volume à equipe. Mas Carille leu bem este cenário, e colocou Jadson no 2º tempo, e o meia, mesmo longe de uma atuação brilhante, mudou a partida em favor do Corinthians. O Timão agora encontrava espaços entre as linhas do Vasco, tinha mais controle e paciência para criar e “de quebra” colocou Boselli (apagado no 1ºT) no jogo. O Vasco chegava, em contra ataques e bolas paradas (chegou a abrir o placar, em gol anulado pelo VAR), mas o Corinthians agora tinha a melhor estratégia dentro do jogo. E foi dessa forma que chegou ao gol: Em jogada por dentro e pivô de Boselli, Ralf, pela primeira vez chegava ao ataque, finalizou no canto rasteiro para fazer o gol da partida.

vas3Boselli ajeitando para Ralf, com liberdade, chutar rasteiro e marcar o gol da vitória.

Após o gol, a equipe mandante recuou suas linhas de defesa até perto da sua própria área a fim de apostar nos contra ataques. Só que o Timão teve muitos erros na hora da puxar os contra golpes, tanto que só foi conseguir levar perigo nesse tipo de jogada quando o Vasco já tinha se mandado para o ataque, deixando assim mais espaços na defesa.

Luxemburgo fez mudanças, mas não soube interpretar a partida e os problemas vascaínos, resultando em pouca mudança real com as novas peças. O Vasco chegou a jogar com “4 atacantes”: Marrony pela esquerda, Talles pela direita, Ribamar de centroavante e Clayton atrás dele, flutuando. Mas de fato, após estar em desvantagem no placar, o Vasco abdicou do meio campo, e apostou nas ligações diretas de Fernando Miguel, chegando a deixar apenas Bruno Gomes e Pikachu ao lado de Werley, adiantando Castán para o ataque.

O Corinthians saiu sem levar gol em mais um jogo, só que isso se deve muito a Cássio, que fez defesas decisivas na segunda etapa, e a Gil que teve uma atuação segura. O lado direito foi novamente o ponto fraco com Fagner e Manoel abaixo, além disso, ter Jadson e Pedrinho por ali acaba formando um ponto frágil na marcação corinthiana. Na reta final, o Timão conseguiu segurar bem a bola no ataque e evitar uma pressão mais forte vinda do adversário.

vas4

CONCLUSÃO

Mesmo sem jogar bem o Corinthians conseguiu os 3 pontos que são importantes na briga pelo G-4, mas será preciso melhorar o desempenho caso o alvinegro paulista queira conquistar uma vaga na libertadores. Enquanto que o Vasco lamenta não ter conquistado pontos num jogo em que o resultado positivo se mostrou bem possível.

@Jhonny14Souza @analisevasco

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s