Empate no dérbi madrilhenho: ANÁLISE TÁTICA – ATLÉTICO DE MADRID 0 x 0 REAL MADRID

Por Luiz Martins

Em Clássico realizado na capital Madrid, no estádio Wanda Metropolitano entre os dois maiores times da cidade, prevaleceu o empate por 0x0. O Real mantem a liderança da La Liga, enquanto os comandados de Simeone estão com a terceira colocação.

Mas como foi a partida?

Foi um jogo concentrado bastante no meio-campo, com as duas equipes duelando muito. Costumeiro para um jogo como este clássico, a pressão imposta por ambas as equipes na saída de bola, tendo o Atlético com mais vigor nesta ação, dificultava a circulação de bola dos merengues, que sentiam dificuldades no setor, mesmo com Toni Kroos encontrando espaços, para conduzir o time à frente. Mesmo chegando próximo a área, as melhores chances do Real ocorriam quando conquistavam vantagens através de Bale e Hazard, quando usavam a velocidade e sua versatilidade de dribles (respectivamente), aproveitando bem os poucos espaços conquistados, muitos através da mobilidade de Benzema, que recuava próximo aos meias, mas todas as chances parando nas mãos de Oblak, em grande noite novamente.

atleti1.pngÓtima marcação do Atleti, fechando sempre o setor da bola (Fonte: Instat /Edição: Luiz Martins)

O Atleti utilizava sua ótima marcação, recuperando a bola e tendo a energia e inteligência de Thomas Partey, que liderava as ações ofensivas dos colchoneros, com diversas inversões de bola, encontrando Koke, João Félix e Saúl, quando progredia ao ataque. Mesmo com bons encaixes em seus mecanismos de ataque, o Atleti conquistou apenas três finalizações, sendo nenhuma de perigo de gol.

Times cautelosos e pouco efetivos em um clássico desta magnitude, caberia aos treinadores, ao buscar mudanças em suas equipes na tentativa de vencer a partida.

atleti3Thomas em inversão de jogo de corredor, eliminando linhas de marcação. Foi quem controlou as ações ofensivas colchoneras. (Fonte: Instat /Edição: Luiz Martins)

Simeone primeiramente retira Vitolo, colocando Correa em campo, assim melhorando a profundidade da equipe (algo que Diego Costa não estava conseguindo entregar), melhorando o volume ofensivo e conquistando finalizações a gol. Aos 15 retirou Renan Lodi, colocou Lemar abrindo o lado esquerdo, mas ganhando um outro jogador para pressões e melhora no jogo transicional, que é uma grande característica da equipe. Após inclui na equipe Marco Llorente, fazendo o time utilizar duas linhas de quatro, fazendo uma marcação mais baixa e realmente apostando em transições. Já Zidane entre as trocas de Simeone, incluiu Modric em campo primeiramente e após James Rodriguéz, melhorando a circulação de bola e aproveitando os espaços pelo lado esquerdo pela pouca proteção de Saúl pelo setor. Ainda Jovic foi a campo, buscando incluir profundidade ao time, mas pouco tempo para apresentar alguma mudança no placar.

atleti6Entrada de Modric melhorou a circulação de bola, jogando na base e tendo melhor visão de jogo, com Real explorando mais o lado direito ofensivo. (Fonte: Instat /Edição: Luiz Martins)

@ojunomartins

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s