Aos 47 uma vitória que mascara o desempenho – ANÁLISE TÁTICA BOTAFOGO 1×2 SÃO PAULO

Por Guilherme Monteiro e Pedro Galante

O Jogo foi marcado por muitos erros na 1° parte, o que propiciou o equilíbrio nas ações, em diversos momentos do jogo. Na 2° parte, uma batalha impressionante pelas vitórias em bolas aéreas, que foi primordial para a chegada da bola aos pés de Pablo aos 47’ minutos do 2° tempo e dar a vitória aos tricolores.

Escalações:

WhatsApp Image 2019-09-22 at 13.34.05Via: TacticalPad.

Substituições:

Botafogo: Saíram: Bochecha (20’-2T); Victor Rangel (30’-2T); Luiz Fernando (44’-2T)

Entraram: Leo Valencia, Pimpão, Alan Santos.

São Paulo: Saíram: Hernanes (14’-2T); Jonas Toró (14’-2T); Luan Santos (41’-2T)

Entraram: Everton Cardoso, Antony, Igor Gomes

1° tempo de excessos de erros ao usar a bola longa para sair jogando e a importância de Bochecha.

O Botafogo sofreu bastante na etapa inicial com a pressão alta da equipe tricolor em sua saída de bola, sem ter uma saída limpa, os lançamentos para Victor Rangel, foram a fuga desta pressão. No entanto, o aproveitamento do camisa 29 nos duelos contra Arboleda e Bruno Alves foi baixíssimo, com isto o Botafogo sofreu com um “bate e volta”, constante durante 25’. O Alvinegro, também não deixou barato, pressionou bem o São Paulo em sua saída e forçou o erro dos tricolores em diversos momentos, no entanto esbarrava na sua limitação técnica nesse processo ofensivo, com erros na definição, seja no passe, seja na finalização. O lado esquerdo e finalizações de fora da área foram os pontos fortes do alvinegro na 1° parte. João Paulo, Gabriel e Gustavo Bochecha foram muito importantes, nessa evolução alvinegra na 1° parte na fase ofensiva, o 1° com passes de ruptura para encontrar João Paulo ou Bochecha, darem sequencia as tramas ofensivas, com tentativas de associações e triangulações pelos lados do campo. João e Bochecha com muita movimentação, João ainda foi mais decisivo, com o gol de empate. Mas também aparecendo muito na base da jogada e auxiliando Cícero na saída de bola. Bochecha, jogando mais avançado, foi crucial com boas movimentações e distribuição de excelentes passes, inclusive saiu premiado com uma linda assistência para o gol de João Paulo. Ambos na fase defensiva não foram nem um pouco aquém, com muita pressão ao portador da bola e intensidade na marcação.

Scouts:

WhatsApp Image 2019-09-22 at 13.34.27WhatsApp Image 2019-09-22 at 13.34.43WhatsApp Image 2019-09-22 at 13.34.48WhatsApp Image 2019-09-22 at 13.40.06WhatsApp Image 2019-09-22 at 13.40.12Infos: Sofascore e Footstats.
WhatsApp Image 2019-09-22 at 14.44.12WhatsApp Image 2019-09-22 at 14.44.20Encaixes e fechamento de linhas de passe por parte do Botafogo, forçando Bruno Alves a retroceder a jogada. Imagem: Premiere/Edição: Guilherme Monteiro
WhatsApp Image 2019-09-22 at 14.44.27Passe de ruptura para João Paulo iniciar a transição ofensiva do Botafogo. Passes de ruptura de Gabriel que foram importantes para a ligação entre a defesa-ataque. Imagem: Premiere/Edição: Guilherme Monteiro.

Na etapa complementar, o São Paulo sufocou ainda mais a saída e o alvinegro alternou momentos até os 20’ entre bolas longas para as disputas aéreas ou em conduções de Cícero, Marcelo e Bochecha. O jogo esteticamente ficou feio com muitas faltas e disputas mais duras, com muitas bolas no alto ‘vivas” dando uma alusão a um jogo de pingpong. O Botafogo tentou surpreender nas transições, mas penou na finalização e por vezes nos passes que ligavam essas transições. A marcação também baixou metros, e já era feita em bloco médio/baixo, mas a intensidade não baixou e enquanto houve folego a marcação era bem feita e não gerava espaços entrelinhas. A partir dos 35’ a intensidade caiu e os cruzamentos do São Paulo cada vez mais geravam perigo. E em água mole em pedra dura tanto bate até que fura. No minuto 47’ após falha de Marcinho, Daniel Alves cruza, Arboleda vence no alto e a bola sobra para Pablo completar para fundo do gol de Gatito. Era o alívio tricolor, após 6 jogos sem vitórias.

Ajude a melhorar nossas análises táticas! Contribua com o MW Futebol e ajude a manter o acesso gratuito aos nossos textos.

R$10,00

 

Cuca trouxe o habitual 4-1-4-1 mas apresentou uma nova variação. Juanfran atuava quase como um terceiro zagueiros, desenhando um 3-5-2 com Reinaldo e TchêTchê de alas quando o tricolor atacava. TchêTchê não fez boa partida atuando no corredor, não soube ocupar e atacar os espaços para garantir profundidade e amplitude ao ataque.

WhatsApp Image 2019-09-22 at 14.44.33Saída de bola tricolor, com Juanfran como terceiro zagueiro (Foto: Instat/ Pedro Galante)

Além disso, destaque negativo para a marcação. O Botafogo espalhava seus meio campistas em diferentes alturas do campo e isso dificultava muito os encaixes individuais. Sem vencer os duelos individuais, os adversários conseguiam levar a bola até espaços vazios e perigosos. A jogada do gol de empate é a síntese deste parágrafo.

WhatsApp Image 2019-09-22 at 14.44.38Três jogadores no meio não vencem o duelo. Na defesa 3×3, e João Paulo sobra livre. (Foto: Instat/ Pedro Galante)

Mas antes de sofrer, o São Paulo marcou um belo gol com Hernanes. O camisa 15 voltou bem de lesão e está se mostrando um grande valor no meio campo. Coordenando seus movimentos com Pablo, suas chegadas ao ataque são sempre produtivas. Depois de ótimo passe de Toró, Hernanes infiltrou na defesa adversária e finalizou cruzado para marcar.

No segundo tempo, Cuca mudou o desenho da equipe, inverteu o triangulo do meio campo, desenhando um 4-2-3-1, com Dani Alves de meia avançado. Essa alteração permitiu que o Tricolor espelhasse a organização do Fogão e marcasse com mais eficácia.

WhatsApp Image 2019-09-22 at 14.44.45Nova configuração do meio-campo tricolor, permitindo melhor marcação.

A vitória é essencial para um São Paulo que precisa recuperar os pontos perdidos, especialmente dentro de casa. Mas não pode criar uma ilusão de que está tudo perfeito. Cuca ainda não conseguiu consolidar mecanismos, especialmente ofensivos, e tem visto seu sistema de encaixes, que já garantiu pontos a equipes, falhar em momentos cruciais. Por outro lado, a leitura do treinador melhorou a equipe no segundo tempo. Há muito trabalho a ser feito.

O resultado mascara o que foi o jogo, o Botafogo teve uma atuação bem equilibrada e somou um rendimento superior a algumas vitórias anteriores da equipe de General Severiano. Com um maior poder de decisão e manutenção desse nível de atuação, a equipe poderá dar mais argumentos para a sua sustentação da sua colocação e condição de brigar pela Pré-Libertadores.

@guizaomb19 e @Pedro17Galante

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s