A dois passos da glória: ANÁLISE TÁTICA – INTERNACIONAL 3×0 CRUZEIRO

Por Luiz Martins

WhatsApp Image 2019-09-05 at 15.54.54

Entender seu modelo de jogo e aliar a estratégia, de acordo com o adversário, é um dos primeiros passos para demonstrar bom desempenho durante 90 minutos de um jogo de futebol.
Esta foi a principal lição da desclassificação colorada diante do Flamengo.

O Inter entendendo isto, utilizou seu modelo de jogo reativo pra vencer o Cruzeiro e colocar os dois pés dentro da final da Copa do Brasil, em uma atuação soberba diante de sua torcida em um Beira-Rio pegando fogo e pulsante.

Desde o início da partida, utilizando a pressão na saída de bola adversária, sufocando as construções do Cruzeiro, buscava sempre fechar espaços e recuperar a bola rapidamente em campo de defesa adversário e partir com agressividade ao ataque, utilizando a velocidade e mobilidade de seus homens de ataque, principalmente com a qualidade técnica de Nico López.

INT_PRESPressão colorada desde o início da partida (Fonte: Instat /Edição: Luiz Martins)

Nico junto a D´alessandro, sempre buscavam se movimentar através da entrelinha cruzeirense, se aproveitando da pouca mobilidade dos defensores, que ainda sentem dificuldades de entender as novas ações defensivas solicitadas pelo técnico Rogério Ceni.
Mesmo com estas dificuldades, o Cruzeiro encontrava espaços na defesa colorada, que demonstrou erros de proteção na entrelinha e erros nas saídas dos zagueiros pra pressionar, em encaixes individuais, tendo ótimas chances com Pedro Rocha e Thiago Neves, que não foram efetivos nas finalizações.

INT_ENTRDificuldades na entrelinha colorada, quase fizeram o Cruzeiro abrir o placar (Fonte: Instat /Edição: Luiz Martins)

Mesmo com estes sustos o Inter foi se colocando em campo defensivo, com muitas ultrapassagens de Edenilson e Patrick, sempre pressionando a linha de meio, fazendo com que o Cruzeiro tomasse decisões erradas no momento do passe. Assim o Inter abriu o placar em bela assistência de D´alessandro (que fez uma grande partida liderando a construção) para Guerrero livre marcar de cabeça, já no fim do primeiro tempo.

Já na segunda etapa, com a marcação ajustada, Inter colocou-se a fechar espaços e apostar cada vez mais em transições e iniciando com a mesma pressão da primeira etapa. O time fazia uma marcação em zona média (na linha do meio-campo), fazendo algumas pressões aos volantes, com Patrick e Edenilson, dependendo do lado de saída, deixando Robinho mais confortável e com espaços, para pensar o jogo e tentar empatar a partida, mas a pouca efetividade nos passes e a dificuldade de fazer a bola ser rápida no momento de troca de corredor, facilitaram a marcação do time colorado, que sabia muito bem fazer o balanço defensivo e fechar o setor da bola.

INT_ROBRobinho com espaços para construir, mas erros de passe dificultavam a progressão do Cruzeiro. (Fonte: Instat /Edição: Luiz Martins)

Com esta proposta, o Inter quando retomava a bola e partia ainda com mais agressividade e velocidade, ampliando o placar para três a zero, com novo gol de Guerrero em um ótimo passe de Nico e outro golaço de Edenilson em um lançamento de mais de 60 metros de Victor Cuesta.

Ajude a melhorar nossas análises táticas! Contribua com o MW Futebol e ajude a manter o acesso gratuito aos nossos textos.

R$10,00

Assim o Inter se coloca novamente como um dos grandes times do brasil, podendo conquistar um título importantíssimo , após o calvário da série B.

@ojunomartins

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s