Destaques da 2ª rodada da PL

Por João Vitor S. Bonamin

WhatsApp Image 2019-08-23 at 23.20.53

1) Dani Ceballos (Arsenal 2×1 Burnley)

Estreando no Emirates, Dani Ceballos teve uma belíssima exibição e terminou o jogo ovacionado pela torcida, com 2 assistências e com o prêmio de melhor em campo. Se movimentando bastante, associando-se e eliminando pressões (através dos dribles), encantou. A partida também marcou a estreia de David Luiz, que atuou ao lado de Sokratis na zaga. Pépé, outro contratado, que já havia tido minutos contra o Newcastle, na 1ª rodada, também deixou detalhes (incrível a velocidade, a capacidade de trocar de direção rapidamente e o 1×1), entrando na 2ª etapa.

2) Lanzini assumindo o protagonismo no West Ham (Brighton 1×1 West Ham)

Sem Haller e Felipe Anderson (ficaram de fora por problemas físicos), Lanzini foi quem assumiu o protagonismo no West Ham e foi a figura central do jogo. No 1T a equipe sentiu a falta do novo centroavante francês, por não conseguir ter profundidade – Chicharito, que foi quem atuou em seu lugar, tem outra característica (trabalha mais fora da área). Na 2ª etapa, o cenário melhorou com a entrada de Antonio e a equipe conseguiu chegar ao 0-1, num lance em que Lanzini desequilibrara, ativando Chicharito, que desta vez atacara o espaço. O Brighton empatou com Trossard (contratação interessantíssima para essa temporada, diga-se) e poderia até ter vencido, se tivesse aproveitado algumas concessões dos Hammers.

3) André Gomes (Everton 1-0 Watford)

André Gomes foi um dos nomes da vitória do Everton contra o Watford no Goodison Park. Com a saída de Gueye e atuando ao lado do novo reforço Gbamin, que tem mais atributos defensivos, o português tem mais peso na saída de bola nesta temporada e especialmente neste jogo foi muito importante nesse sentido, destravando-as com bons lançamentos. O gol foi marcado por Bernard, no início da partida. O brasileiro, aliás, faz uma dobradinha muito interessante/produtiva com Digne – ele geralmente afunila (centraliza) e aciona o lateral, que se projeta. Válido destacar, ainda, Mina e Keane defendendo a área. O Everton é a única equipe que ainda não foi vazada e o Watford é uma das duas (juntamente com o Palace) que ainda não marcaram.

4) Douglas Luiz (Aston Villa 1-2 Bournemouth)

Hourihane, volante de características mais defensivas que havia atuado contra o Tottenham na 1ª rodada, deu lugar a Douglas Luiz na estreia da equipe em casa. O Bournemouth construiu o 0-2 rapidamente e isso condicionou toda a partida. Douglas inclusive falhou no 2º gol, mas foi um dos melhores do campo não só pelo golaço que fez depois (de fora da área), mas pela qualidade para distribuir os passes. Ramsdale, goleiro dos cherries, fez defesas bem importantes. Aké se destacou bastante também, defendendo a área.

5) Ox-Chamberlain de volta (Southampton 1-2 Liverpool)

Depois de ter ficado mais de um ano lesionado, Ox-Chamberlain está de volta. Atuou bastante na pré-temporada e também jogou contra o Chelsea na Supercopa, mas ainda não havia atuado no meio, junto com o tridente ofensivo, algo que deu muito certo em 17-18. Ox foi um dos mais destacados numa partida que exigiu muita concentração e intensidade, pelo ritmo insano do Southampton de Ralph Hasenhuttl, que começou muito mal o campeonato (3-0 Burnley). Adrián entregou o gol dos Saints, mas fez defesas importantes, que asseguraram a vitória, construída com belos gols de Sadio Mané e Roberto Firmino.

6) Pukki is on fire (Norwich 3-1 Newcastle)

Brutal o começo de PL de Teemus Pukki – já tem 4 gols marcados. Fantástico o hat-trick feito contra o Newcastle, que deixou más sensações desta vez (na 1ª rodada não tinha ido tão mal). Incrível a qualidade que tem para finalizar, os desmarques (de apoio – isto é, em direção à bola – e os de ruptura – para receber em profundidade) e ademais, a capacidade de ajudar defensivamente. Vale muito a pena acompanhá-lo – e o Norwich, muito bem comandado por Daniel Farke, também.

7) Kevin de Bruyne em ótima forma (Man City 2-2 Tottenham)

É muito bom ver Kevin de Bruyne em ação. O belga deu 2 assistências brilhantes no empate (injusto) contra o Tottenham, no Ettihad, e infernizou o vulnerável lado esquerdo da defesa dos Spurs, associando-se com Bernardo Silva e projetando-se por ali. Na partida, muito destacáveis os encaixes dos citizens no campo de ataque e o perde-pressiona. Bem Rodri (fez sua melhor partida até aqui) e Otamendi também. A equipe foi muito superior. Lucas teve estrela.

8) Vitória importantíssima do Sheffield (Sheffield Utd 1×0 Crystal Palace)

Com o empate fora de casa contra o Bournemouth e com a vitória sobre o Crystal Palace – que deve ser um concorrente direto na luta por posições na tabela -, o Sheffield chegou a 4 pontos e deixou o torcedor bem otimista quanto às projeções para a temporada. Com muita intensidade, compensam as limitações existentes. Os alas têm muito peso nas construções e sempre triangulam. O gol (anotado por Lundstram) saiu dentro deste contexto, com Stevens (ala-esquerdo) aparecendo bem por dentro.

9) O ótimo nível de James Maddison (Chelsea 1×1 Leicester)

Frank Lampard ainda não conseguiu a 1ª vitória no comando do Chelsea. Contra o Leicester, em casa (pela primeira vez), tiveram 30min muito bons, mas depois viram o adversário crescer, com James Maddison liderando os ataques e criando algumas situações, conduzindo em velocidade e trazendo por dentro (partindo do lado esquerdo). Ndidi, que cochilou e perdeu a bola no gol de Mason Mount, foi quem empatou a partida, de cabeça, na bola parada (um dos problemas dos blues neste início, que marcam por zona).

10) Man United assumindo a iniciativa com bola no 1T (Wolverhampton 1×1 Man United)

O Manchester United, com Daniel James em campo, assumiu a iniciativa no Molineaux no 1T. Muito provavelmente algo planejado por Nuno Espírito Santo, para que pudessem verticalizar (acionando Diogo Jota e Raúl Jiménez nos contra-ataques) e para que o United não tivesse campo para transitar (ponto forte deles). No entanto, a equipe não teve problemas dentro deste cenário, trabalhando a bola pacientemente até encontrar meios de furar a defesa adversária (conseguiu, com Martial, recebendo uma boa bola em profundidade de Rashford) e neutralizando as bolas longas, com Lindelöf e Maguire muito bem nesse sentido.

Assim sendo, Nuno se viu obrigado a mexer e colocou Adama Traoré – que tem invejáveis atributos físicos – para ocupar todo o corredor direito e este mudou a partida. Rúben Neves empatou a peleja, com um golaço de fora da área, quando imprimiam um ritmo forte. Quando este caiu, Paul Pogba, que não fazia um grande jogo, acabou desperdiçando um pênalti – méritos de Rui Patrício também.

@jvsb28 

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s