Virada no sofrimento – ANÁLISE TÁTICA GRÊMIO 2 x 1 VASCO

Por Daniel Klabunde

WhatsApp Image 2019-07-14 at 21.03.43

Voltando ao Campeonato Brasileiro após a parada para a Copa América, o Tricolor levou à campo um time misto após o empate contra o Bahia no meio de semana pela Copa do Brasil, mesmo precisando da vitória para recuperar na tabela do Brasileirão.

Mesmo com a parada, não vimos uma melhora na atuação praticada pelos comandados de Renato Portaluppi, alguns erros recorrentes do primeiro semestre, mesmo sendo um time misto. Tivemos uma novidade na escalação, com Jean Pyerre e Luan iniciando juntos uma partida, e a expectativa era que o rendimento ofensivo melhorasse com Luan na função de “falso 9”.

Mas não foi o que vimos, principalmente no primeiro tempo, onde o Vasco implantou uma forte e qualificada marcação nos homens de frente do Tricolor. Não somente a marcação vascaína, mas a falta de movimentação e criatividade do Grêmio ajudaram ao Vasco exercer com mais qualidade essa marcação.

Jean Pyerre, o homem incumbido de ser a mente criativa do time, muitas vezes era visto ao lado de Luan no ataque, deixando os espaços entrelinhas vazios, sem ninguém para receber a bola e organizar o ataque, ou muito menos para puxar a marcação e gerar espaços na defesa vascaína para infiltração de algum companheiro de time.

O Vasco se apoiava nas jogadas de contra ataque, se utilizando muito de Rossi e Yago Pikachu pela direita. E em uma das investidas, Pikachu sofre falta de Juninho Capixaba pelo lado esquerdo de defesa Tricolor, na cobrança David Braz comete pênalti em Oswaldo. Pikachu cobra e abre o placar.

A transição defensiva do time continua lenta e desorganizada, os volantes sobem ao mesmo tempo e deixam os zagueiros no 1×1, e assim sofrendo muito na defesa.

WhatsApp Image 2019-07-14 at 21.05.43Zagueiros sozinhos para o enfrentamento 1×1, com volantes na mesma linha dando o combate. Imagem: InStat / Edição: Daniel Klabunde.

Mesmo mantendo a posse de bola o Tricolor não levava perigo ao gol Vascaíno, e desta forma Renato Portaluppi foi obrigado a executar uma mudança ainda no primeiro tempo, colocando Éverton no lugar de Romulo, com a substituição Thaciano passou a fazer parceria com Matheus no meio campo. Uma alteração acertada, já que Romulo não fazia boa atuação como volante, nem Thaciano conseguia evoluir as jogadas pela extrema direita, não aproveitando as boas subidas de Léo Moura.

Os times voltam para o segundo tempo e o início é o mesmo da etapa inicial, com uma intensidade até mais forte pelo do Vasco, que acaba ampliando o placar logo aos 29 segundos de jogo, mas é anulado pelo juiz após verificar o VAR e marcar falta de Rossi em cima de Matheus.

Toda a estratégia de Renato estava indo por água abaixo com a marcação do segundo gol vascaíno, mas com a anulação o Tricolor pode exercer o seu jogo e correr atrás do empate.

Luan provavelmente deve ter sido orientado à sair mais da referência, agredindo as entrelinhas, tanto que aos 15 minutos o camisa 7 recebe bom passe de Léo Moura entre os zagueiros, gira e da um belo passe para a infiltração de Pepê e empatar a partida.

WhatsApp Image 2019-07-14 at 21.05.48Luan recebe entre as linhas e lança Pepê para empatar a partida. Imagem: InStat / Edição: Daniel Klabunde.

O camisa 7 Tricolor começa a mostrar novamente as suas qualidades, sua agressividade no posicionamento entrelinhas, sempre alimentando seus companheiros de ataque e levando perigo ao gol adversário, e foi assim durante toda a segunda etapa.

Aos 30 minutos Renato mostra que queria a vitória a qualquer custo, tira Matheus e coloca o atacante Da Silva na partida, garoto vindo da base Tricolor. Com a substituição, Jean Pyerre vira volante ao lado de Thaciano e Luan passa a ser o armador da equipe.

Para coroar a boa partida de Léo Moura, uma linda assistência em cruzamento de primeira para Pepê cabecear e dar a vitória para o Tricolor. O lateral direito foi um dos melhores da partida, tendo 40 anos de idade, uma pena já estar no seu limite físico.

Pelo outro lado, Juninho Capixaba ainda deixa muito a desejar, ataca muito e recompõe pouco, deixando muitas vezes os volantes responsáveis por dar o primeiro combate nos atacantes as suas costas.

Apesar do pênalti cometido, David Braz foi muito bem durante a partida, ganhou alguns duelos e bolas aéreas, estreou bem.

Uma partida muito complicada para o Tricolor, onde tiveram muitas dificuldades na criação e recomposição defensiva.

@dktricolor

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s