Intensidade e verticalidade: o monstro americano

Por Henrique Mathias

Jill Ellis está no comando da seleção americana desde 2014 e nesse período conseguiu desenvolver uma forte ideia coletiva e montar uma equipe que possui ideias muito fortes em termos de construção ofensiva pelos flancos e que utiliza a coordenação entre os movimentos, para limitar ofensivamente seus rivais.

Em 5 jogos disputados na Copa do Mundo da França, as Americanas marcaram 22 gols e sofreram apenas 2 gols, conseguindo trabalhar muito bem os seus melhores mecanismos, que explicaremos abaixo. Contudo é necessário pontuar que 13 dos 22 gols foram marcados contra a Tailândia e que na fase de mata-mata contra Espanha e França, a equipe encontrou algumas dificuldades para estabelecer o padrão habitual.

A saída de bola é desenhada em 4-3 e utiliza uma ideia clara de duplas pelos setores, trabalhando muito forte os movimentos de ultrapassagem.

Dentro do 4-3-3 da equipe, existe uma subdivisão na hora de sair jogando, com uma dupla sendo formada no lado direito (Lateral Direita + Meia pelo lado direito) e uma dupla sendo formada no lado esquerdo (Lateral Esquerda + Meia pelo lado esquerdo), desta maneira acontece que a equipe setoriza bem o que precisa para alcançar o campo ofensivo e confunde bem a tentativa de marcação rival. Por dentro acontece o movimento natural da meia que joga centralizada, a primeira volante, recuando para trabalhar entre as duas zagueiras, mas não para realizar uma saída em 3 habitual e sim buscando uma compensação de movimentos, que ofereça a equipe um maior agrupamento ou melhor ocupação do espaço.

WhatsApp Image 2019-07-01 at 18.24.03Saída americana. Ideia é fazer a dobra lateral-meia, para que a lateral faça ultrapassagem. (Foto: Instat/ Pedro Galante)

Com a ajuda dos dois mapas, conseguimos notar o tamanho da influência que as laterais exercem para o funcionamento da saída de bola da equipe americana, sendo primordial que as atletas que atuam pelos flancos, ajudem com apoios e oferecendo linhas de passe, para facilitar a progressão em busca de ocupar o campo ofensivo.

WhatsApp Image 2019-07-01 at 18.26.11Mapa com a origem de cada passe da equipe americana na partida contra a França nas quartas-de-final / Fonte: InStat.
WhatsApp Image 2019-07-01 at 18.26.11 (1)Mapa com a origem de cada passe das laterais da equipe americana na partida contra a França nas quartas-de-final / Fonte: InStat.

Pegando esse recorte de uma partida específica, conseguimos observar com maior clareza a importância que as laterais exercem sobre o jogo americano, chegando ao ponto de totalizarem quase 25% dos passes da equipe no duelo. Também é possível notar como nessa partida o lado esquerdo teve uma relevância maior na construção da equipe.

A seleção americana alcançou a média de 60% de posse de bola somando as cinco partidas que disputou no torneio, contudo é preciso contextualizar o domínio absoluto que tiveram diante de Tailândia e Chile. Avaliando apenas os duelos contra Suécia, Espanha e França este número cai para 53% do tempo com a bola em seus domínios.

O que isso nos conta sobre a construção ofensiva dos Estados Unidos? É uma construção muito pautada pela verticalidade, seja com dribles em direção a meta rival, seja com apoios oferecidos por Morgan ou Lloyd jogando no centro do ataque. É uma equipe que prefere atacar com objetividade e errar mais, do que somar um volume maior e ter complicações para penetrar a área rival.

Como as laterais exercem grande interferência sobre as ações ofensivas da equipe, sempre tendo muita profundidade no modo como atacam, é muito comum notar outra setorização em campo na hora da construção ofensiva, assim como fazem na saída de bola.

WhatsApp Image 2019-07-01 at 18.24.24Construção pela direita. Ponta e meia se aproximam, lateral busca ultrapassagem. (Foto: Instat/ Pedro Galante)

Dessa vez acontece com a meia que joga pelo lado direito somando por dentro e a ponta que joga pelo mesmo setor servindo como um elo de ligação entre ela e a lateral que busca as ultrapassagens, enquanto do lado esquerdo é mais comum vermos a meia que atua por ali buscando fazer uma dobradinha com a lateral e a ponta que atua aberta na esquerda, geralmente Rapinoe, trabalhando pelo centro para atacar a diagonal e somar com a 9.

WhatsApp Image 2019-07-01 at 18.24.30Construção pela esquerda. Destaque para Rapinoe atacando em diagonal. (Foto: Instat/ Pedro Galante)

Toda a ideia defensiva da equipe de Jill Ellis é muito pautada pela capacidade física de suas atletas na hora de pressionar após perder a bola. Vemos uma equipe muito concentrada em fechar espaços, tapar linhas de passes e recompor com eficácia, alternando entre o 4-5-1 e o 4-4-2 no momento defensivo, dependendo do modo como Rapinoe for utilizada em campo.

WhatsApp Image 2019-07-01 at 18.24.35Bolas recuperadas/ BRCA: Bolas recuperadas no campo adversário/ PPDA: métrica defensiva que mede a quantidade de passes do adversário por ação defensiva.

O ponto chave aqui é a coordenação dos movimentos. Por se tratar de uma equipe que atua junto tem tempo e encontrou um padrão de jogo muito coeso, em certos momentos fica a impressão que as americanas tem mais atletas em campo do que a equipe adversária, tamanho é o esforço para ajudar sua companheira no movimento defensivo; seja com uma movimentação eficiente, seja com uma dobra em sua zona de ação.

Destaque individual:

Megan Rapinoe – Ponta esquerda

WhatsApp Image 2019-07-01 at 18.24.41

Rapinoe é o grande destaque da equipe americana. Autora de cinco gols e duas assistências, a ponta esquerda é o grande argumento ofensivo de Jill Ellis. A camisa 15 atua aberta, mas tem liberdade para atacar o espaço em diagonal. Sua excelente leitura de espaço ajuda a encontrar espaços na defesa adversária e a criar situações de duelo mano a mano, onde tem um ótimo aproveitamento.

@riquemathias

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s