Intensidade para vencer – ANÁLISE TÁTICA CSA 1 x 2 BOTAFOGO

Por: Guilherme Monteiro

WhatsApp Image 2019-06-10 at 12.59.12

Em um jogo onde o controle do jogo foi norteado pelo interesse, desejo e intensidade para buscar a vitória, os torcedores que foram ao Estádio Rei Pelé foram agraciados com um bom espetáculo, no entanto a torcida alvinegra presente foi quem saiu mais feliz.

As equipes:

WhatsApp Image 2019-06-10 at 18.09.03

Em relação aos últimos jogos ambas as equipes vieram com modificações. Por parte do CSA, a saída de Patrick Fabiano para entrada de Cassiano, que pouco acrescentou em campo, mas também teve a estreia de Jonathan Gomez que foi o melhor jogador do CSA em campo, trabalhando na construção das jogadas desde a base da jogada (zona inicial de construção de jogadas próxima aos zagueiros), assim como nos lançamentos e inversões de bola.

WhatsApp Image 2019-06-10 at 18.09.09Scouts de Jonathan Gomez. Via: Footstats.

Já o Alvinegro veio a campo somente com o retorno de Alex Santana à equipe, devido à lesão de Bochecha, que teve boa presença, principalmente com chutes de fora área, e de forma direta marcando o gol da vitória da equipe alvinegra, chegando a 3 gols no Brasileirão e tornando-se o artilheiro da equipe no campeonato.

A equipe alvinegra começou muito bem o duelo com bastante verticalidade, profundidade e boas oportunidades criadas. A equipe soube trabalhar muito bem os pivôs com Diego Souza, jogador que com sua imposição física e com sua movimentação conseguiu reter bem a bola e distribuir bem o jogo – também, por vezes, puxou alguns contra-ataques.

 

Com boa mobilidade por parte de João Paulo, Alex Santana e Luiz Fernando, o Botafogo conseguia aliar controle de jogo e oportunidades. O CSA sofria concomitantemente com as suas linhas espaçadas, sem realizar uma pressão forte no portador da bola, erros de passe desde a saída de bola e com o Botafogo conseguindo trabalhar muito bem nas entrelinhas.

 

WhatsApp Image 2019-06-10 at 21.06.18Marcação em bloco baixo no 4-4-2 que o CSA utiliza em seu modelo, com somente 2 jogadores mais a frente (Cassiano e Matheus Sávio). Foto: Sportv/Premiere. Edição: Guilherme Monteiro.

Contudo, o Botafogo não suportou manter o ritmo e a intensidade e com isso o CSA cresceu e começava encontrar os espaços e consequentemente criar oportunidades, trabalhando bastante com Jonathan Gomez na base da jogada, que com bons lançamentos e passes, conseguia organizar e ligar bem os setores da equipe. Com uma melhor movimentação de Didira e Matheus Sávio, o CSA solidificou o seu crescimento em campo e por meio de finalizações de fora da área, principal artifício que o azulino encontrou para incomodar a equipe alvinegra. O Alvinegro teve dificuldades devido a pressão que o CSA exercia desde a saída de bola e por isso acabou somando erros neste quesito. De forma oposta ao CSA, também foi passivo na marcação e impôs uma pressão forte ao portador da bola e terminou o primeiro tempo sendo sufocado pelo CSA, com Diego Cavalieri como principal destaque, com boas intervenções.

WhatsApp Image 2019-06-10 at 21.06.43Jonathan Gomez aparecendo na base da jogada. As setas indicam os destinos de seus passes durante a partida. Foto: Sportv/Premiere. Edição: Guilherme Monteiro.

Com uma melhor movimentação de Didira e Matheus Sávio, o CSA solidificou o seu crescimento em campo e por meio de finalizações de fora da área, principal artifício que o azulino encontrou para incomodar a equipe alvinegra. O Alvinegro teve dificuldades devido a pressão que o CSA exercia desde a saída de bola e por isso acabou somando erros neste quesito.

WhatsApp Image 2019-06-10 at 21.05.59A mudança na postura da marcação do CSA, que ao invés de marcar mais baixo, adiantou suas linhas epromoveu estes encaixes na saída de bola e impôs dificuldades aos alvinegros na saída de bola. Foto: SporTV/Premiere. Edição: Guilherme Monteiro.
WhatsApp Image 2019-06-10 at 18.09.22WhatsApp Image 2019-06-10 at 18.09.27Scouts do 1° tempo. Via: Sofascore.
WhatsApp Image 2019-06-10 at 18.09.33Scouts de Diego Cavalieri. Grande destaque alvinegro na 1° parte. Via: Sofascore.

No 2° tempo, o cenário foi muito parecido com o final da primeira parte, no entanto com alguns atenuantes, os laterais do CSA foram muito mais profundos e incisivos e o Botafogo marcava com os blocos ainda mais baixos do que os apresentados na 1° etapa e ia muito mal nas transições defensivas recompondo de forma lenta. Fazendo jus ao ditado “água mole em pedra dura tanto bate até que fura”, aos 16’ da segunda etapa, após um lindo lançamento de Jonathan Gomez, Carlinhos atacando a área, subiu por trás de Erik e com uma cabeçada, abriu o placar. Após o gol, o CSA preferiu marcar com as linhas mais baixas e ofereceu muito campo ao Alvinegro, que um pouco antes de marcar os gols, promoveu algumas trocas. Saíram Luiz Fernando e João Paulo, para as entradas de Lucas Campos e Rodrigo Pimpão, jogadores que foram cruciais para a melhora do alvinegro em campo. Pimpão, atuando aberto pelo lado esquerdo, foi muito bem, destacando-se nos cruzamentos, que geraram uma cabeçada de Diego Souza para uma boa defesa de Jordi e outro numa forma de pré-assistência para o gol de Cícero, que marcou, logo após um passe de cabeça de Diego Souza. Lucas foi importante por estar mais fresco fisicamente e com uma maior movimentação foi crucial para a circulação da bola e criação das oportunidades. Com isso, o posicionamento de Erik também foi afetado, atuando como um segundo atacante atrás de Diego Souza. Após o gol de empate, Barroca inseriu Rickson na vaga de Erik, com a intensão clara de ter um maior equilíbrio no número de jogadores no meio campo e conter o ímpeto da equipe azulina. O CSA, logo após o empate buscou retomar a vantagem no placar, no entanto já não estava no seu melhor estado físico e limitou-se a se defender. Já no apagar das luzes por meio de um escanteio cobrado por Rodrigo Pimpão, Diego Souza escora no peito, Fernando finaliza, Jordi defende e no rebote, Fernando passa para Alex Santana, que finaliza e estufa a rede azulina. Festa da torcida alvinegra presente no Rei Pelé!

O CSA, mostrou nesta partida que tem alguns valores interessantes e que se conseguir trazer alguns bons nomes pode conseguir se salvar do rebaixamento. O Botafogo, por sua vez, leva para o Rio os 3 pontos e finalmente quebra a escrita do CSA ainda não ter perdido em Alagoas. Mostra também que alguns meninos da base alvinegra podem ser melhor explorados. No entanto, ainda deve-se melhorar a intensidade e a consistência dentro dos jogos.

@guizaomb19

Anúncios

Um comentário sobre “Intensidade para vencer – ANÁLISE TÁTICA CSA 1 x 2 BOTAFOGO

  1. Comentário bem ilustrado ainda pode acrescentar não só nesta partida mas no geral a marcação alta feita pelos time com relativo sucesso mas exige toque de bola preciso e jogadores rápidos para o ataque barroca ainda vai entrosar mais o time com a parada da copa america botafogo não terá sustos neste ano

Deixe uma resposta