Clássico dos clássicos: a maior final em linha reta – PRÉ JOGO DE NÁUTICO x SPORT

Por João Pedro Pereira

“É amanhã! Às 4 horas da tarde e no magnífico campo do Britsh Club, que se realisará o match ansiosamente esperado, entre o Sport Clu6b do Recife e o Club Nautico Capibaribe, em consequencia do desafio que ha dias este fez áquele. É a primeira vez que sob as respectivas bandeiras dos dois importantes e sympatizados clubs athleticos desta capital, se effectuará aqui um match de futebol e, por conseguinte é fácil avaliar o grande interesse que o mesmo tem despertado em o nosso meio sportivo, onde se discute o resultado do encontro com enthysiasmo ainda não observado em Pernambuco!”

São quase 3 meses de um campeonato falido. Jogos fraquíssimos, torcidas afastadas dos estádios, times que outrora disputavam a Elite, hoje estão em decadência num cenário nacional, arbitragem num nível compatível apenas com o amadorismo, dirigentes preocupados apenas com mídia, mas nenhum profissionalismo nos processos e uma final que chega para a primeira partida maior do que se imaginava. Uma final maior do que todo o campeonato até aqui disputado. Uma final que este estadual não merecia: é Clássico dos Clássicos!

E, entenda, não é qualquer partida. É um Clássico dos Clássicos. A datação não é exata, mas na década de 1940, tornou-se muito comum, através de jornais da cidade (como o Diário de Pernambuco e o Jornal Pequeno), nomear os grandes confrontos envolvendo os 4 grandes times (sim, 4!) da capital Pernambucana: Clássico das Multidões (Sport x Santa Cruz), Clássico da Técnica e Disciplina (Náutico x América-PE), Clássico dos Campeões (América-PE x Sport), Clássico das Emoções (Santa Cruz x Náutico), Clássico da Amizade (Santa Cruz x América-PE) e o grandioso Clássico dos Clássicos. Sim, Clássico dos Clássicos, pois este unia grandes públicos, títulos, grandes amizades (e rivalidades!), emoção, técnica e disciplina dentro de campo. Então é justo: Náutico e Sport fazem o Clássico dos Clássicos.

A nota de jornal acima, que abre este pré-jogo, mostra o quanto o confronto Náutico x Sport é grandioso desde os tempos mais antigos. O texto foi publicado em 24 de julho de 1909, no Jornal Pequeno, um dia antes do primeiro Náutico x Sport de toda a história. O 3º clássico mais antigo do Brasil (ou clássico mais antigo do Nordeste) é recheado de bons episódios e você pode entender um pouco mais neste episódio do Podcast45 Minutos (https://podcast45minutos.com.br/podcast/podcast-488-audioguia-final-pernambucano-2019/), projeto paralelo sobre o futebol nordestino em que este que vos escreve passa a integrar. Histórias, vivências de arquibancada, grandes jogos e lembranças e muito mais. O Campeonato Pernambucano virou, merecidamente, Champions League nesta final.

HISTÓRICO
Na história do confronto, são 550 jogos disputados, sendo 181 vitórias do Náutico, 157 empates e 211 vitórias do Sport. Mas, somando os números acima, chegaremos ao total de 449 partidas, isto acontece porque até os dias atuais, um confronto entre Náutico x Sport tem seu resultados perdido na história. Há relatos do acontecimento do confronto, mas nenhum relato sobre o seu resultado final. Sabe-se que esta partida aconteceu em 29/03/1931 pelo Torneio Abrigo Terezinha de Jesus.

O primeiro confronto aconteceu em 25/07/1909 em um amistoso e acabou com a vitória do Náutico por 3×1, já o último, em 27/01/2019 por esse mesmo estadual, teve o Sport como equipe vencedora. O placar foi invertido, Sport 3 x 1 Náutico.

(Dados levantados por Carlos Celso Cordeiro, engenheiro e pesquisador do futebol brasileiro e Cássio Zirpoli, jornalista referência em futebol nordestino e estatísticas).

Alguns tabus também estão em jogo, vamos ver os principais:
1) O Sport não comemora um título na Ilha do Retiro desde 2010.
2) As últimas 9 finais entre Sport e Náutico, o Sport venceu todas. Recorde no confronto. Em 17 finais, o Náutico venceu 6, enquanto o Sport conquistou 11. O fato curioso é que o Náutico vencia essa disputa por 6 x 2, mas de 1975 em diante, apenas o Sport vem conquistando títulos neste confronto.
3) O Náutico não vence uma final contra o Sport há 51 anos, desde 1968. Título este, que valeu o exclusivo Hexa Campeonato para o alvirrubro.
4) O Náutico não vence uma final na Ilha do Retiro desde 1965 (quase 64 anos).
5) O Náutico não fatura um bicampeonato desde 2001/2002. Com a quebra do tabu de 13 anos sem título, conquistando o Pernambucano 2018, o Náutico tem a chance, com essa final em 2019, de conquistar o bicampeonato.

ANÁLISE TÁTICA E TÉCNICA
Do último confronto entre as equipes no dia 27/01/2019 até esta esperada final, muita coisa aconteceu. Aquela velha máxima do “o futebol é dinâmico” foi vivida neste período de quase 3 meses. O Náutico chegava numa fase questionada com muitos torcedores pedindo a demissão do treinador Márcio Goiano e o Sport chegava descansado, sem pressão e sem crise. Resultado: passei do rubro-negro sobre o alvirrubro por 3×1 com espaço pra muito mais.

Mas o futebol é dinâmico.

A diretoria do Náutico acreditou no trabalho do seu treinador e vem colhendo os frutos ao longo da temporada com bons resultados e desempenhos e uma invencibilidade que dura 18 jogos iniciado exatamente após esta derrota. Já o Sport viu seu então técnico Milton Cruz ser demitido após péssimos desempenhos e resultados, culminando inclusive na vexatória eliminação da equipe na Copa do Brasil.

O Náutico tem um modelo de jogo muito bem definido. Sai uma peça e entra outra e todos sabem bem a função que precisam exercer em campo. Nos 18 jogos de invencibilidade, isso fica à mostra. Além dos bons resultados e desempenhos, o Náutico consegue lançar jovens da sua categoria de base no time profissional. Na imagem acima da escalação esperada podemos contar 5 (Bruno, Hereda, Luiz Henrique, Thiago e Odilávio) e sem contar com o zagueiro Diego Silva que também é cria do alvirrubro mas já saiu do clube e voltou neste ano para mais uma temporada. A classificação na Copa do Nordeste contra o Ceará em pleno Castelão deixou isso claro. O Náutico sabe se defender de pressão e sabe contra-atacar e atacar de forma mais “lenta e organizada”. Fora essa boa e encaixada escalação inicial, no banco da equipe, 3 nomes chamam bastante atenção: Wallace Pernambucano, Maylson e Robinho. Os 3 em algum momento são esperados que se tornem titular e só deixaram de ser titulares por conta de lesão. O centroavante Wallace é, tecnicamente, o melhor jogador do Náutico e sempre acrescenta bastante quando está em campo. Apesar de ter um corpo robusto, Wallace é bastante móvel, acrescenta na bola parada, tem faro de gol, liderança dentro de campo, além dos seus maiores atributos: a arrancada, finalização e inteligência. Maylson é aquela parte da engrenagem que faz o todo funcionar. Sempre que entra no meio, normalmente no lugar de Danilo Pires, faz o time crescer com seus bons passes na criação e auxílio na fase defensiva. Robinho é o ponta agudo que busca sempre o drible no mano a mano procurando entrar na área. Velocidade, drible e condução da bola, além de se comunicar bem com todo o ataque e recompor bem pelos lados do campo.

Já o Sport, bem, o Sport… o que falar de um time que quase não foi testado durante toda a temporada? O estadual? Fora os clássicos, só confronto contra times da 4ª divisão pra baixo. Então os clássicos? A já citada vitória contra o Náutico e a derrota para o Santa Cruz que fez o treinador ser demitido. A Copa do Brasil? Eliminação histórica e vexatória contra o Tombense por 3 a 0.

Mas tudo isso passou. Como foi pro Náutico, também foi pro Sport. A máxima “o futebol é dinâmico” também vale aqui. O treinador Milton Cruz foi demitido e Guto Ferreira chegou para o cargo. São 5 jogos com Guto no comando técnico da equipe e 5 vitórias (Sport 3 x 1 Afogados, Sport 4 x 0 Salgueiro, Central 1 x 2 Sport, Sport 4 x 0 Petrolina e Sport 3 x 1 Salgueiro na semifinal). 100% de aproveitamento jogando contra ninguém. Mas o que cabia ao time foi feito e estão classificados para esta final.

Guto fez poucas mudanças em relação ao time comandado por Milton. O ídolo Magrão deu vaga ao garoto Maílson que pedia passagem, garantiu e deu sequência à Norberto na lateral direita, firmou a dupla de volantes com Ronaldo e Charles, tirou o 3º volante Kaio para colocar o atacante Luan e moveu Guilherme para ser o meia armador com liberdade da equipe. Na saída de bola deu mais responsabilidades à dupla de zaga, tirando o peso das costas de Ronaldo. Fez Ezequiel crescer de rendimento, Luan se apresentar com bom reportório e deixou seu velho conhecido Hernane mais à vontade dentro da área. E assim o time vem cumprindo suas obrigações.

A verdade é que esta final chega maior do que todo o campeonato em si. Um clássico com a fase e a grandiosidade que este certame não fez por merecer. Agora resta ao Sport e ao Náutico colocarem a bola no chão e fazerem valer toda a expectativa de um grande confronto e pelejarem até a última gota de suor pelo título. Título este que fará a alegria de alguns torcedores por uma semana. A cidade ficará tomada por camisas, “greias” (como chamamos aqui em Pernambuco) e brincadeiras, mas que na semana seguinte será esquecido numa prateleira empoeirada, pois a hora da verdade sempre chega, e esta hora chama-se Campeonato Brasileiro. Enquanto não chega, nos iludimos com a grandiosidade de um clássico que é imenso desde o seu nascimento. Não um clássico. O Clássico. O clássico dos clássicos. A maior final em linha reta.

@Joao_PPereira

Anúncios

Deixe uma resposta