Ataque contra defesa – ANÁLISE TÁTICA SANTOS 1 x 0 CORINTHIANS

Por Jhonata Souza e Rodrigo Costa

WhatsApp Image 2019-04-09 at 17.56.25

Buscando a classificação para a final do Paulistão, Jorge Sampaoli escalou um time bastante ofensivo e diferente para tentar furar a defesa corintiana, com isso o Santos entrou em campo num 4-1-4-1 que tinha Vanderlei; Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Pituca; Alison; Derlis, Sánchez, Cueva e Soteldo; Jean Mota.Defensivamente o Santos não correu risco, o Corinthians finalizou apenas 3 vezes sem levar perigo, visto que o Peixe fazia marcação alta e muita pressão ao portador da bola.Já Carille escalou o time com uma mudança em relação a primeira partida que foi a entrada de Pedrinho no lugar de Vagner Love, no restante a escalação foi a seguinte: Cássio; Fagner, Manoel, Henrique e Avelar; Ralf; Pedrinho, Urso, Sornoza e Clayson; Gustavo.

O Corinthians manteve o seu padrão de posicionamento ao se organizar num 4-1-4-1. No começo do jogo a equipe até tentou ter mais a bola e pressionar a saída do Santos, porém isso parou de acontecer após os 15 minutos do primeiro tempo. O Corinthians postou as suas linhas muito recuadas, quando conseguia recuperar a bola não tinha contra ataque por estar tão atrás. Por isso na maioria das vezes a bola era rifada para longe sem que Gustavo conseguisse segurar ela no campo de ataque. A única válvula de escape no primeiro tempo foi Júnior Urso, os pontas que deveriam fazer isso não estavam numa boa noite.

WhatsApp Image 2019-04-09 at 19.53.51Corinthians organizado no 4-1-4-1 com as duas linhas de 4 compactas, impedindo o Santos de infiltrar pelo meio, bem recuadas em campo.

Na organização ofensiva – quando a equipe tem a bola – o Santos mostrou algumas variações táticas. A saída de bola era realizada com três jogadores (Saída Lavolpiana) Aguilar, Alison baixando entre os zagueiros e Gustavo Henrique, que tinha o apoio de mais dois jogadores mais à frente na construção, Ferraz e Pituca, com Cueva buscando a bola em alguns momentos.

WhatsApp Image 2019-04-09 at 19.53.58Saída Lavolpiana 3+2 jogadores (Fonte: Premiere. Edição: Rodrigo Costa)

Quando o Santos conseguia passar dessa primeira linha de marcação, alguns mecanismos mudavam na criação. Alison subia para a linha de meio campistas e armava o time com Ferraz e Pituca, que atuaram como laterais interiores (quando os jogadores afunilam para atuarem no corredor central), portanto se desenhava em campo um 2-3-5 bem definido.

WhatsApp Image 2019-04-09 at 19.54.04WhatsApp Image 2019-04-09 at 19.54.10Fonte: Premiere. Edição: Rodrigo Costa.

Na frente, no último terço do campo, na parte da finalização das jogadas, o Peixe fixava 5 homens tentando abrir a defesa corintiana. Soteldo pela esquerda, Cueva de interior pelo lado esquerdo, Jean Mota mais centralizado como falso 9, Sánchez de interior pelo lado direito e Derlis aberto pela direita, esses dois últimos trocavam de posição em alguns momentos, com Derlis afunilando e Sánchez aberto, mas de maneira geral, o uruguaio que infiltrava pelo setor.

WhatsApp Image 2019-04-09 at 19.54.18WhatsApp Image 2019-04-09 at 19.54.25Independente de quem ocupasse os espaços, os jogadores mais abertos sempre geravam amplitude e os mais centralizados tentavam gerar profundidade. (Fonte: Premiere. Edição: Rodrigo Costa)

Além da superioridade técnica e tática, o Santos também se mostrou melhor fisicamente que o Corinthians, isso contribuiu bastante para que a equipe de Sampaoli empurrasse o Timão para o campo de defesa. O fato do Santos ter deixado dois jogadores espetados quase na linha lateral obrigava os pontas do Corinthians a recuarem ao ponto de formar uma linha de 6 na defesa. Esse tipo de movimentação era bem comum na primeira passagem de Carille em jogos onde o Corinthians era mais atacado. A intenção com essa linha de 6 é de criar superioridade no lado de campo e nesse sentido até que deu certo, pois Fagner e Avelar fizeram ótimas partidas na marcação ganhando a maioria dos duelos contra os pontas do Santos.

WhatsApp Image 2019-04-09 at 19.54.31

A tônica do jogo permaneceu desse modo até o final.. As mexidas tornaram o Santos mais incisivo, com Rodrygo no lugar de Cueva, ele permanecia na direita e Soteldo na esquerda, com Derlis ganhando mais liberdade de movimentação junto com Jean Mota, além das investidas de Sánchez.

WhatsApp Image 2019-04-09 at 19.54.38Amplitude com Rodrygo e Soteldo, Derlis e Jean Mota invertendo de posições, Sánchez infiltrando pela meia direita. (Fonte: Premiere. Edição: Rodrigo Costa)

No segundo tempo o Corinthians até ensaiou sair mais para o jogo no começo, porém depois de um tempo voltou ao mesmo cenário do primeiro tempo onde o time ficou totalmente fechado na defesa sem conseguir sair em contra ataque. As entradas de Ramiro e Love nas pontas deram ao time mais intensidade na marcação pelos lados.

WhatsApp Image 2019-04-09 at 19.54.44Em diversos momentos pode ser visto o Corinthians concentrado uma grande quantidade de jogadores num curto espaço, essa concentração impediu o Santos de achar espaços no funil da defesa corintiana.

Apesar do enorme volume de jogo santista, inúmeras chances criadas, Cássio continuava salvando o Corinthians várias vezes. O time teve intensidade, inteligência e superioridade física, técnica e tática, a classificação não aconteceu nos pênaltis, com isso trago palavras de Jorge Samapoli no pós jogo: “Prometo que nunca vou trair essa forma de jogar. Nunca vou jogar de outra forma que não seja a que jogamos hoje”. “Hoje foi uma superioridade de quatro gols, mas infelizmente fizemos apenas um. Essa é a versão do Santos que nos deixa esperançosos”. “O sistema de jogo precisaria de um centroavante com capacidade de fazer gols e que saiba os momentos de definição.” Esse centroavante pode estar no próprio elenco: Kaio Jorge

O desempenho do Corinthians preocupa, foi a pior partida da equipe no ano e lembrou muito mais a equipe de 2018 com Jair Ventura do que a equipe desta temporada. Se não fosse pela grande atuação de Cássio a classificação teria escapado. Agora Carille vai ter uma semana livre para recuperar a equipe fisicamente e preparar a equipe para a final contra o São Paulo, onde será um cobrado um desempenho bem melhor que o deste jogo contra o Santos, pois com esse nível de desempenho será muito difícil do Corinthians conquistar o tri campeonato paulista.

@costa_rodrigo95 e @jhonny14souza

Anúncios

Deixe uma resposta