PERSONALIDADE, PAIXÃO e IDEOLOGIA – Conheça o jovem e promissor Luís Spadetto

Por Breno Barbosa

WhatsApp Image 2019-04-06 at 22.20.56

“Eu costumo dizer aos jogadores que se Deus quisesse que o futebol fosse no céu, ele faria grama ao invés de nuvens. Então futebol é bola no chão”.

Essa frase foi dita nos anos 70 por Bryan Clough (treinador inglês) e repetida em 2016 por um jovem treinador de 26 anos, ex-jogador profissional que apareceu no futebol brasileiro nos estados do Espirito Santo e Sergipe como um furacão dentro e também fora de campo, despertando interesses dos maiores clubes de ambos os estados, com sua personalidade forte, boa comunicação e muito talento, o jovem Spadetto obteve ótimos resultados demonstrando um amplo conhecimento tático. Spadetto mostrou ter uma ideia clara de jogo, suas equipes chamavam a atenção pelo jogo ofensivo, organização e muito empenho que colocavam em todas as partidas. Por dois anos em que esteve no comando dessas duas equipes Spadetto foi o treinador mais jovem em destaque.

WhatsApp Image 2019-04-07 at 09.31.22O mister Spadetto orientando e passando instruções para alguns atletas.

Por conta de diversas lesões, Spadetto aposentou-se precocemente com apenas 26 anos, dias antes de assumir como treinador principal do Rio Branco VN no Brasil, dando início a sua trajetória na beira do gramado. Luís Spadetto jogou em grandes formações para jovens do futebol brasileiro, Botafogo, Internacional e Atlético Mineiro, jogou profissionalmente 7 anos em Portugal na Série A e Série B em equipes históricas como, SC Beira Mar, Boavista e Varzim. Luís afirma ter aprendido muito sobre metodologia de treino e o aspecto tático com grandes treinadores portugueses que teve. Luís possui a dupla nacionalidade, Brasileira e Italiana e foi justamente na Itália que adquiriu a licença B de treinador UEFA. No futebol brasileiro, Spadetto atuou como treinador do Rio Branco VN – ES, em 2016, sendo 1° colocado na primeira fase da segunda divisão do campeonato estadual capixaba, com uma equipe muito jovem e com muitos jogadores que jamais tinham jogado profissionalmente, saiu numa semifinal polêmica onde o Rio Branco recorreu algumas decisões controvérsias do árbitro, esse mesmo Rio Branco foi elogiado por alguns diretores do estado revelando que jamais viram uma equipe tão bem organizada e intensa no estado.

Em 2017, o jovem técnico dirigiu o Boca Júnior – SE e deixou o comando da equipe na 4° posição, maior marca de sempre do clube. O presidente Gilson Behar afirmou em rede de televisão que; “Luís Spadetto foi o melhor treinador que o Boca Junior já teve e melhor treinador que conheceu na sua história no futebol”. Mais do que estatísticas o jovem Luís Spadetto deixou sua marca com um futebol muito organizado e ofensivo. Hoje com 29 anos, Luís Spadetto é o auxiliar do Mister Rui Amorim no FC Vizela de Portugal.

Após 23 rodadas, o Vizela lidera a terceira divisão e encanta pelo seu estilo de jogo. Desta forma, o MW Futebol entrou em contato e convidou Spadetto para uma entrevista, visando trazer um conteúdo rico em informações para nossos leitores.

MW FUTEBOL: Como está sendo essa experiência em ser auxiliar técnico?

Spadetto: Fantástica, era um objetivo pessoal voltar a trabalhar com o mister Rui Amorim e quando ele me fez o convite não pude recusar e vejo que fiz a escolha certa. O ambiente de trabalho é muito bom e desafiante a cada dia, todo dia uma novidade, todo dia decisões a serem tomadas, isso é motivante. Nasci e cresci nesse meio futebolístico, apesar de ser meu primeiro ano como auxiliar me sinto bem, me sinto muito bem.

MW FUTEBOL: O mister Rui Amorim é muito inteligente e tem feito grandes trabalhos, é considerado uma grande promessa dos treinadores em Portugal, como é a experiência em trabalhar com ele e como é Rui Amorim no dia a dia?

Spadetto: Conheci o mister Rui Amorim a mais de 10 anos, ele era auxiliar na altura e eu jogador, o treinador principal não conseguia me convencer de certas coisas e o Rui se encarregou disso, deu certo e a partir dali nos tornamos amigos. Tudo que está acontecendo o Rui já dizia anos atrás, Rui sempre me disse que queria ser treinador e eu iria trabalhar com ele, nunca perdemos o contato e ele cumpriu a palavra, quando me fez o convite eu não pensei duas vezes. Hoje estou aqui e isso é motivo de muita satisfação para mim. Rui é um ser humano de grande caráter e no futebol Rui é o maior gestor que conheci em minha carreira, tem uma inteligência emocional muito grande, muito exigente no dia a dia, um estrategista de primeira, não é de gritarias ou agitações, mas tudo que faz é muito bem pensado. Foi a pessoa que mais me ensinou como jogador e agora como treinador de futebol, é um orgulho estar aqui.

MW FUTEBOL: Quais são as principais ideias do Vizela dentro de campo?

Spadetto: Para responder sobre as principais ideias, começarei com a ideia principal, que é vencer independente das circunstancias. Temos sim ideias/princípios claros que acreditamos que através desses estaremos mais próximos da ideia principal que é a vitória. Muitos associam o resultado ao estilo, nós buscamos o contrário, estilo para o resultado! Temos um compromisso com o espetáculo mas não somos tão românticos como por vezes parecemos ser, temos nossos princípios bem definidos para todos os momentos, fases e etapas do jogo, mas a todo momento nossa filosofia é baseada no <jogo de posição>. Um jogo muito inteligente e com grande dose de paciência. Acreditamos na atração, atrair e dividir o adversário, sempre em busca de espaço. Buscamos uma circulação objetiva da bola, variando os passes e dinâmicas, depende sempre onde os nossos adversários está a oferecer mais espaço. Acontece que em certos campos, estreitos ou onde o gramado não ajuda tanto nós temos que nos adaptarmos, mas nunca perdemos os nossos princípios. É muita estratégia envolvida para cada partida…

MW FUTEBOL: Como você acredita que sendo auxiliar no FC Vizela você possa ajudar?

Spadetto: O dia a dia do futebol é muito dinâmico, cada um do staff tem mais de uma função. Análises sobre o adversário, análises e algumas ideias novas para a equipe, dialogar com alguns jogadores que precisam de mais atenção, nosso staff é muito forte e estamos sempre a aprender um com outro. Estou desde meus 11 anos fora de casa e tudo isso pelo futebol, tive muitos treinadores em minha carreira e isso me fez aprender bastante sobre vários temas, dou muito valor e atenção ao aspecto humano, converso bastante com os jogadores para buscar entender o ponto de vista deles e através disso ajudar.

MW FUTEBOL: Cite algumas diferenças entre o que você vivenciou no futebol brasileiro e agora em Portugal?

Spadetto: No meu caso quando falo do futebol brasileiro, me vem em mente a infância jogando nas ruas e terrenos baldios da minha cidade, como qualquer outra criança brasileira. Mas eu saí muito cedo do Brasil, até meus 17 anos no Brasil eu aprendi muito, o que aprendi foi quase sempre baseado no individual, drible, jogo curto do futsal, jogar na rua contra adultos, improviso, não ter medo de ter a bola, ter coragem de jogar seja contra quem for, idade ou tamanho, algo mais focado no individual. Eu saí do juvenil do Atlético Mineiro para a Primeira liga Portuguesa, SC Beira Mar. Foi um impacto muito grande pra mim. Em Portugal quando cheguei me apercebi logo que o jogo aqui era muito coletivo, a Europa em si o foco sempre foi o coletivo. Então posso dizer que em aspectos individuais minha aprendizagem foi no Brasil, em Portugal cresci coletivamente, a pensar o jogo, aprendi muito no aspecto tático e sigo aprendendo. Cada um da sua forma Brasil e Portugal são duas grandes escolas, me sinto um privilegiado por isso.

MW FUTEBOL: Aqui no Brasil, mesmo no comando de duas equipes que não estavam habituadas a estarem na luta por título, você fez duas ótimas campanhas brigando com os grandes clubes da competição e jogando de uma forma ofensiva e muito organizada, é esse o futebol que acredita?

Spadetto: O futebol que acredito é o futebol onde os jogadores precisam gostar de ter a bola, ter a coragem de assumir que são eles os protagonistas do espetáculo, isso é a primeira coisa que acredito. Isso vem de infância, está dentro de mim, seja como torcedor, jogador e agora treinador. Tenho paixão em ver minha equipe com bola, isso me trás sempre a sensação e esperança que a qualquer momento faremos o gol, o mesmo que eu sentia como torcedor e jogador, eu sinto como treinador. O objetivo maior é sempre fazer gol porém existem vários meios de buscar esse objetivo máximo e justamente por isso existem os princípios e sub-princípios de uma equipe. A maioria ou se não todos os torcedores de um clube gostam de ver suas equipes com a bola. Sou tão crente nisso que até para se defender pretendo ter a bola, por vários aspectos, emocional, tático e estratégico, acredito que a melhor maneira de se defender do adversário é valorizar, de forma objetiva e estratégica a posse da bola. Valorizando a bola, tendo ela em nosso controle qualquer pressing mal feito, qualquer descuido defensivo ou desconcentração do adversário poderá ser fatal. Não sou um fundamentalista, mas isso é o que sinto, essa é minha ideia base…

MWFUTEBOL: Você deixou um legado no Rio Branco VN e no Boca Júnior com uma forma de jogar muito organizada e ofensiva que atraiu a atenção de grandes clubes do estado e até da Ásia. Porque não continuou?

Spadetto: Foram duas experiências maravilhosas, no Rio Branco e no Boca Junior, sou muito grato à todas as pessoas que trabalhei nestes dois clubes, jogadores, funcionários e os torcedores do Rio Brando a Fúria tricolor os tenho em meu coração, tinham um carinho e respeito comigo que jamais esquecerei, eles são a alma do clube, sem seus torcedores o Rio Branco não conseguiria tudo o que vem conseguindo, torço e acompanho o Rio Branco e Boca Junior. Sobre a minha decisão, eu fiz o que minha intuição pedia, voltei para Europa, eu sabia que um dia voltaria para aqui. Estou bem contente com tudo que vem acontecendo, adoro Portugal e estou do lado de pessoas competentes onde temos tudo para ir subindo de escalão.

MW FUTEBOL: Na sua opinião, qual o principal papel de um técnico de futebol?

Spadetto: É uma opinião bem particular mas segundo no que acredito, o principal papel de um treinador de futebol é liderar um grupo de Homens, os fazendo evoluir a cada semana para atingir um objetivo bem definido, (objetivo/meta da instituição que te contrata) e para liderar precisa-se de personalidade e muito conhecimento humano e futebolístico.

MW FUTEBOL: Você completou o curso de licença B da UEFA, pretende continuar estudando e se aprimorando? Qual a importância dessa formação?

Spadetto: Toda formação desta grandeza é importante, aprendi bastante no curso UEFA B (Itália), aprendi lendo, estudando, observando e quero continuar fazendo as formações sim, pois no mundo profissional precisamos estar habilitados para qualquer que seja sua função. Porém penso que a nossa maior aprendizagem e aprimoramento está na prática, o campo, viver e sentir o ambiente. Estar no meio de uma competição, o convívio com os jogadores, ouvir e dar opiniões, acho que é aqui que a nossa grande evolução está.

MW FUTEBOL: Qual sua ligação com a Itália?

Spadetto: Tenho a descendência italiana por parte de mãe, cresci em festas de família com tradições italianas. Sempre tive o sonho de morar na Itália, estudei na Itália durante um ano e foi muito especial para mim, foi a realização de um sonho, me senti em casa, fui muito bem tratado pelas pessoas. No futebol, eu cresci vendo Brasil e Itália jogar, na copa do mundo sempre torcia pelos dois. Sinto uma ligação forte com a Itália, sou um Ítalo-brasileiro bastante orgulhoso…

MW FUTEBOL: O atual momento do futebol italiano?

Spadetto: O futebol italiano assim como o brasileiro não estão na melhor fase. Mas isso não é nada mais do que um momento. Com certeza a Itália voltará com máxima força muito em breve, a Itália será sempre uma potência. Os italianos deram muito ao futebol com a organização de jogo, aspectos táticos e detalhes tão minuciosos da fase defensiva que até hoje são seguidos. É um país apaixonado por futebol a cultura futebolística está na veia dos italianos, isso já é um grande passo para uma reviravolta, a paixão pelo jogo é um fator determinante em muitos aspectos.

MW FUTEBOL: Tem algum treinador brasileiro como referência?

Spadetto: Minha referência é minha própria experiência de vida e futebolística. Mas em termos de visão sobre como se comportar um grupo fora e dentro de campo talvez penso muito parecido com Telê Santana, ele era realmente um mestre de vida e futebol, se preocupava com os jogadores, dava conselhos não só de tática ou técnica mas também de vida. Pelo que sei, Telê era admirador e muito cuidadoso da parte técnica, acreditava no futebol bem jogado, ofensivo e corajoso, não era a favor dos seus jogadores machucarem o adversário para ter vantagem, era um treinador que tinha sua filosofia bem vincada, ele gostava do futebol bonito, tenho certeza que ele gostaria muito de ver o Vizela jogar (risos). Não o conheci pessoalmente mas pelo que sei das histórias e como ele fez o Brasil jogar em 82 e os anos de ouro do São Paulo nos anos 90, eu sou um admirador do mestre Telê Santana. Tenho um treinador brasileiro que também admiro bastante onde tenho uma amizade e nos falamos sempre que possível é o Fernando Diniz penso que será um dos grandes treinadores brasileiros da
história.

WhatsApp Image 2019-04-07 at 09.31.30Luis Spadetto, um técnico com personalidade forte, paixão por sua profissão e uma inteligência admirável.

O professor Luís Spadetto tem tudo para continuar crescendo e assumindo ainda mais protagonismo. O treinador teve suas passagens no Espírito Santo e Sergipe considerada como um “furacão”, pois conquistou ótimos resultados, atraiu os torcedores ao estádio, com uma filosofia definida e demonstrando toda sua capacidade. Durante todo o processo para estruturar e realizar essa entrevista, o MW Futebol conversou por muitas horas com o mister Spadetto e ficou explícito a personalidade e inteligência do auxiliar brasileiro. Chegamos a conclusão que, Luís não tem medo de errar, demonstra atitude, personalidade arrojada, um estudioso do futebol e focado no planejamento pré-estabelecido. Além de demonstrar frieza e lucidez em todos os momentos, mesmo utilizando pouquíssimo um vocabulário com nomenclaturas e termos táticos, Luís Spadetto demonstra ser um profundo entendedor dos princípios táticos, técnicos, psicológicos e estratégicos, sendo um grande gestor de pessoas, valorizando a convivência diária com os atletas.

O MW Futebol tem a convicção que teve a oportunidade de conversar, entrevistar e aprender com um dos futuros brilhantes técnicos do futebol brasileiro. Gostaríamos de agradecer ao Luís Spadetto, pela oportunidade da entrevista e mesmo estando em Portugal, foi atencioso e sancionou todas às dúvidas, apresentando um pouco das suas experiências.

@12brenobarbosa

9 comentários sobre “PERSONALIDADE, PAIXÃO e IDEOLOGIA – Conheça o jovem e promissor Luís Spadetto

  1. Parabenizo Luiz Spadetto, sei o quanto és capaz, acompanho sua trajetória de vida, sei o quanto és estudioso e empenhado em ver o bonito futebol! Tenho certeza que por onde fores será um grande treinador, porque sua habilidade, percepção e sabedoria são perceptíveis! Esse vai longe…

Deixe uma resposta