50x Salah – ANÁLISE TÁTICA SOUTHAMPTON 1 x 3 LIVERPOOL

Por Daniel Klabunde e João Victor Cardoso

WhatsApp Image 2019-04-06 at 08.43.56

A partida entre Liverpool e Southampton foi um típico caso de “Kickand Rush” inglês com as influências alemãs de Jürgen Klopp e de Ralph Hasenhütt. As equipes protagonizaram um jogo intenso e divertido de ver, com inúmeras transições e ataques velozes. Os Saints preocupavam-se em contra-atacar com velocidade, enquanto os Reds construíam com extrema rapidez, o que já é costumeiros dos jogos do time. Agora, vamos às movimentações das equipes durante os 90 minutos da partida.

O primeiro tempo, principalmente no seu início, mostrou um claro domínio do Southampton. Formatado em um 5-4-1, variando para um 4-4-2, com Redmond se adiantando ao lado de ShaneLong, quando Wijnaldum recuava até a base das jogadas para apoiar Fabinho na saída de bola, o time de Hasenhütt buscava contragolpear os fracos ataques do Liverpool.

WhatsApp Image 2019-04-06 at 15.50.25Southampton na organização defensiva no esquema 5-4-1.
WhatsApp Image 2019-04-06 at 15.50.31Southampton se defendendo no4-4-2, tirano os espaços dos volantes.

Wijnaldum e Keïta pouco apareceram nos primeiros minutos, restando à Fabino articular as jogadas desde trás, dessa forma foi fácil anular o brasileiro (foi só ShaneLongencostar nele que a saída de bola dos Reds ficou problemática). Com o meio congestionado pela boa marcação de Hojbjerg e Oriol Romeu, restou ao Liverpool utilizar os lados ou então recorrer à investidas de Matip. Sempre que buscavam a bola aérea eram facilmente anulados pelos altos zagueiros da equipe da casa, Yoshida, Bednarek e Vestergaard. Além de sofrer com a pressão alta exercida pelo Southampton.

WhatsApp Image 2019-04-06 at 15.50.38

Em meio a todos os problemas impostos pelo Southampton, o Liverpool não conseguia atacar e dava chances para que Redmond, Long e Ward-Prowse incomodassem com contra-ataques velozes e transições rápidas. Em um momento de desatenção, o Southampton consegue uma superioridade numérica na lateral direita, exigindo que Salah se desloque para apoiar e assim desguarnecendo o meio campo onde se encontrava Romeu, este recebe a bola e aciona Bertrand livre pela esquerda para cruzar com perfeição, onde Hojbjerg só precisa aparar de cabeça para a bola chegar à Long com condições de finalizar. 1×0 para o Soton.

WhatsApp Image 2019-04-06 at 15.50.45Superioridade numérica do Southampton no lado direito.

O caos estava instalado. A equipe de Hasenhütt era feroz na marcação, negando quase todos os espaços para o ataque de Klopp. Na tentativa de aproveitar as dificuldades do time visitante, Valery e Bretrand estavam ainda mais liberados para atacar, criando boas chances a partir de combinações com Ward-Prowse e Redmond, respectivamente.

Como chamado a atenção, os Saints negavam QUASE todos os espaços. Com os laterais um pouco mais desatentos na marcação, os zagueiros tinham cada vez mais espaço para cobrir, o que é um problema, pois o trio de zaga em campo era muito lento. Em uma boa trama a partir da velocidade de Salah, surge um cruzamento de Alexander-Arnold na cabeça de Keïta. 1×1.

Agora o jogo muda de figura. Naby e Wijnaldum aparecem cada vez mais na base das jogadas para auxiliar Fabinho na criação, promovendo um ambiente propício para os desmarques verticais (facão) de Salah, Mané e Firmino, e para as ultrapassagens laterais de Robertson e Alexander-Arnold. Finalmente o Liverpool toma as rédeas da partida, com uma atuação coerente com o seu desempenho apresentado até aqui na temporada. Com Gini e Keïta se movimentando e encontrando Firmino na entrelinha para que ativasse Salah ou Mané em progressão. Pensando nestes avanços pelos laterais, Klopp resolve realizar duas substituições logo aos 15 minutos da segunda etapa, colocando Milner e Henderson nos lugares de Alexander-Arnold e Wijnaldum, respectivamente. Substituições que, além de anímicamente, surtiram grande efeito nos apoios pelo lado direito. Milner entrou para dar mais segurança defensiva e deixar Henderson mais liberado para atacar e utilizar da sua boa qualidade no passe e nos cruzamentos.

Henderson que participou do gol da virada marcado por Salah, depois de um escanteio cobrado pelo Southampton, onde utilizou da sua grande velocidade para ganhar dos zagueiros e na entrada da área chutar no canto esquerdo de Gunn e marcando o seu gol de número 50 na Premier League pelo Liverpool, se tornando o jogador a chegar mais rápido a esta marca, com 69 jogos disputados (Fernando Torres alcançou 50 gols em 72 jogos). Virada para 2×1.

Com Milner segurando mais na defesa para bloquear os avanços de Redmond, que vencia os duelos com Fabinbo as costas de Alexander-Arnold, Henderson se movimentava do lado direito em direção ao meio organizando e criando pelo interior do campo ou dando opção de passe para que Fabinho executasse a saída de bola. Assim abria espaços para Firmino avançar pela direita apoiando Salah ou avançando para buscar a linha de fundo e abrir espaço para entrava pelo meio.

E foi assim que os Reds chegaram ao terceiro gol, com Salah bem aberto dando amplitude e deixando espaço para Firmino se movimentar e receber um bom lançamento de Matip. Bob venceu o duelo com Vestergaard e enxergou Hendo infiltrando pelo no espaço deixado por ele, e só teve o trabalho de cruzar rasteiro para conclusão do capitão. 3×1 e jogo liquidado.

WhatsApp Image 2019-04-06 at 15.51.11Salah da amplitude e puxa a marcação para a lateral, abrindo espaço para o avanço de Firmino.

@dktricolor e @jvcardoso05

Deixe uma resposta