Uma classificação sem brilho –ANÁLISE TÁTICA CORINTHIANS 1 x 1 FERROVIARIA

Por Jhonata Souza 

WhatsApp Image 2019-03-29 at 19.55.57

Na noite da última quarta-feira (27), o Corinthians recebeu a Ferroviária na Arena Corinthians para o segundo jogo das quartas de final do Paulistão 2019. A equipe do Corinthians foi a campo no 4-1-4-1 com a seguinte escalação: Cássio; Michel, Manoel, Henrique e Avelar; Ralf; Love, Urso, Jadson e Clayson; Gustavo. Já a Ferroviária atuou no 4-3-3 com a seguinte escalação: Tadeu; Diogo Mateus, Rayan, Rodrigão e Arthur; Uchoa, Tony e Léo Arthur; Diego Gonçalves, Felipe e Thiago Santos. Assim como no primeiro jogo, a partida acabou empatada em 1×1, os gols foram marcados por Júnior Urso e Thiago Santos.

O primeiro tempo foi bem morno e praticamente se resumiu em a Ferroviária com a posse bola, sem conseguir produzir, contra um Corinthians que se defendia e com a bola buscava ser vertical e direto, já que a equipe pouco conseguiu trabalhar bem a posse de bola. Sem Sornoza em campo o Timão não tinha nenhum jogador no meio que buscava organizar a equipe mais de trás, já que Jadson atualmente está mais para um meia que joga próximo do atacante. A consequência disso era que nos poucos momentos que o Corinthians tentou trabalhar a bola ela ficava circulando entre os homens de defesa, o que acabava terminando em um lançamento para um ponta correr ou para Gustavo brigar no alto. A Ferroviária também teve méritos nessa dificuldade na saída da bola, pois postavam seus jogadores com a intenção de impedir os passes entrelinhas.

WhatsApp Image 2019-03-29 at 20.27.00Ferroviária dificultando a saída de bola do Corinthians.

O primeiro tempo teve poucas chances de gol para ambos os lados. As chances do Corinthians foram em sua maioria cruzamentos para Gustavo, jogada em que ele é fora de série, à única chance de gol que não foi um cruzamento para Gustavo foi justamente o lance do gol. Em lance iniciado por Ralf, a bola chegou na ponta esquerda para Clayson que usou da sua velocidade para buscar o fundo e cruzar para a área onde a bola passou por todos para chegar a Júnior Urso que acompanhava a jogada vindo de trás sem nenhuma marcação.

WhatsApp Image 2019-03-29 at 20.27.23Júnior Urso atacando o espaço livre nas costas da defesa da Ferroviária.

Quando saiu a escalação existia uma dúvida em relação de como seria o posicionamento da equipe sem bola, pois Jadson não tem a mesma capacidade de recomposição do Sornoza. E Carille optou por manter o padrão de organização da equipe com Jadson atuando na linha de quatro do meio no momento defensivo e com liberdade para circular quando o Corinthians tinha a posse. Até por isso a equipe teve problemas na construção das jogadas, já que o camisa 10 não voltava para buscar a bola com os defensores e nem ligava o meio com o ataque, algo que normalmente Sornoza faz em campo.

WhatsApp Image 2019-03-29 at 20.27.31Jadson formando um trio no meio ao lado de Urso e Ralf quando o Corinthians se defendia.

Jadson não tem mais a mesma capacidade física de antes e para jogar bem precisa de um esquema que não exija muito dele no momento sem bola. O problema é que Carille não está disposto a mudar a forma como o time se organiza quando Jadson começa de titular e a consequência disso e que a presença de meia na linha de quatro do meio acaba se tornando um ponto frágil na marcação alvinegra. Essa fragilidade foi bem aproveitada pela Ferroviária no lance do gol de empate. Diogo recebeu no meio e superou a marcação de Jadson com muita facilidade e teve um bom espaço para a finalização que resultou no gol de Thiago Santos. Assim como no gol da Ferroviária no primeiro jogo, o Corinthians concedeu um bom espaço para que o adversário realiza-se a finalização que terminou em gol, algo que já aconteceu em outros jogos.

WhatsApp Image 2019-03-29 at 20.27.39Espaço dado pelo Corinthians para que o adversário finalizasse para gol.

No segundo tempo o Corinthians conseguiu ter um pouco mais a posse de bola, porém só conseguia criar em bolas levantadas para a área. Já a Ferroviária após o empate não conseguiu criar mais nenhuma chance de gol. Carille promoveu as entradas de Sornoza, Pedrinho e Boselli nos lugares de Jadson, Ralf e Love para tentar aumentar o poder de criação do meio e tornar a equipe mais ofensiva. Na prática o Corinthians passou a atuar num 4-2-4 com a bola e sem a bola Pedrinho e Clayson se juntavam a Sornoza e Urso para formar a linha de quatro no meio, enquanto Gustavo e Boselli ficavam mais a frente.

WhatsApp Image 2019-03-29 at 20.27.46Organização defensiva do Corinthians após as mudanças.

As mudanças não serviram para alterar o placar, o que levou as penalidades onde o Corinthians venceu por 4×3. O Corinthians cumpriu o seu objetivo de se classificar para a próxima fase, porém o desempenho que vinha melhorando voltou a cair. Esse desempenho pode ter sido o suficiente para passar pela Ferroviária, mas se o Corinthians quiser avançar para a final será necessário mostrar um desempenho bem melhor. Para a Ferroviária fica o reconhecimento pela boa campanha feita pela equipe no Paulistão. Foram um time bem treinado, organizado, que sabia trabalhar a posse e que poderia muito bem ter eliminado o Corinthians.

@Jhonny14Souza

Deixe uma resposta