Eficiência e pragmatismo – um olhar sobre o Milan de Gennaro Ivan Gattuso

Por João Victor Cardoso

WhatsApp Image 2019-03-28 at 20.36.18

Desde que assumiu o Milan, Gattuso propôs um estilo de jogo um tanto pragmático, voltado à eficiência e segurança. Já nessa temporada, com a chegada de alguns reforços, além de consolidar a solidez defensiva, também melhorou as ações ofensivas. Desse modo, o objetivo desse texto será elucidar alguns pontos de seu modelo de jogo e destacar os principais pilares que sustentam suas ideias dentro de campo.

Certa vez, Marco Aurélio, antigo imperador romano e entusiasta de estudos filosóficos (principalmente ligados ao estoicismo), afirmou: “O ser humano pensa em progredir, evoluir, conquistar e ganhar sempre mais. Entretanto, não pensa no fundamental: manter o que já possui”. Trazendo isso para os dias atuais e, mais precisamente, para o lado vermelho de Milão, temos a realidade apresentada por Gattuso. Nessa temporada, os Rossoneri parecem estar preparados para reiniciar suas caminhadas entre os grandes da Europa, após uma década, praticamente, vivendo em uma espécie de ostracismo, sem destaque continental, quiçá mundial. Porém, o comandante do San Siro parece estar alinhado com o pensamento de Marco Aurélio. Mesmo taxado de teimoso por não adotar um estilo mais ofensivo, Gattuso busca manter o que já possui de bom, sua consistência defensiva, e a partir de acréscimos, como Lucas Paquetá e KrzysztofPiątek, aprimorar seus movimentos ofensivos.

WhatsApp Image 2019-03-28 at 20.36.28(LineupBuilder) – Time base.

Em uma visão geral, é importante destacar, acima de tudo, a organização e as transições defensivas do Milan. Gattuso parece ter conseguido introjetar toda sua aplicação na marcação de tempos de jogador em seus comandados. O empenho na defesa é uma das marcas desse Milan. No miolo de zaga, Mateo Musacchio e Alessio Romagnoli são verdadeiras muralhas na frente da meta defendida por Gianluigi Donnarumma. Além deles, os laterais também tem função importantíssima para consolidar uma das defesas mais seguras da Europa. Calabria e Ricardo Rodríguez fecham muito bem os espaços nos lados, geralmente juntos dos zagueiros, em uma verdadeira linha de 4 organizada de forma zonal, saltando para pressionar os pontas adversários só no momento que a bola chegar neles, sem isso a linha defensiva dificilmente se quebra.

WhatsApp Image 2019-03-28 at 20.36.33Romagnoli é a principal representação da solidez defensiva do Milan. O capitão é sempre preciso nos botes e nos desarmes, tanto por baixo quanto por cima. Após seu retorno, em dezembro, a equipe possui alguns dos melhores números da Europa. Foto: Twitter

Agora chegamos na parte mais importante de todo o time milanista. Seu coração. Seu meio-campo. A trinca formada por Tiemoué Bakayoko, Franck Kessié e Lucas  Paquetá apresenta uma aptidão singular para as transições defensivas. Não só na tentativa de recuperar a bola assim que ela é perdida no ataque, mas também na recomposição veloz para não deixar os defensores em desvantagem. Aí está, mais uma vez, o dedo de Gattuso. Soube transmitir bem seus conhecimentos conquistados dentro de campo para o trio, que tem em Bakayoko seu ponto de equilíbrio, o jogador que, até agora, é quem dita a altura da linha defensiva, os momentos de subir a marcação e a hora de apertar algumas armadilhas de pressão que são proporcionadas pelo 4-1-4-1 de Gattuso, principalmente nos corredores laterais do campo.

Ainda dentro do sistema defensivo, há mecanismos que potencializam a velocidade e força de Paquetá e Kessié. Ambos, por serem os atletas que atuam por dentro na segunda linha de 4 do 4-1-4-1, podem disparar para fazerem companhia a Piątek em pressões mais altas. Assim, forçam os centrais adversários a recorrerem ao “chutão” que, costumeiramente, resulta em uma vitória dos zagueiros do Milan sobre os atacantes do rival.

Agora que passamos o momento da eficiência, vamos ao pragmatismo que, por vezes, é motivo de crítica por parte da imprensa e torcida. O treinador tem o processo de seu time muito claro na sua mente e dificilmente aceita mudanças táticas que deem mais vazão ao lado ofensivo da equipe.

Novamente, a trinca na meiuca aparece com destaque, sendo importantíssima para transitar em velocidade, seja em contragolpes, seja para estabelecer a equipe em campo ofensivo. Kessié e Paquetá tem se mostrado ótimos condutores, com força e resistência para condicionar o estabelecimento do time em campo ofensivo por ações próprias. Cada um em sua esfera de influência (Paquetá na esquerda e Kessié na direita, com o brasileiro tendo mais liberdade para flutuar por outras zonas do campo) possui funções importantíssimas para que o jogo proposto por Gattuso flua e se consiga ativar os pontas e o centroavante.

WhatsApp Image 2019-03-28 at 20.36.38Paquetá era a peça que faltava para que as conexões entre meio e ataque fossem potencializadas. Conduz, arma e se movimenta com velocidade. Diferencial técnico no meio Rossonero. Imagem: GettyImages

Por fim, o ataque Diavolo:

Krzysztof Piątek. A surpresa. Em 34 jogos, entre todas as competições, o polonês já marcou 29 gols. Com um senso de posicionamento muito bom, força para suportar os embates físicos (afinal o Milan, por vezes, usa ligações diretas para transitar com mais velocidade), inteligência para explorar os espaços nas costas da defesa adversária e um faro de gol único, Piątek é a cereja do bolo da organização ofensiva. O jogador a ser buscado e ativado. Quem domina a arte de finalizar e preocupar os goleiros adversários.

Mas Piątek não está sozinho. Ao mesmo tempo, os pontas do Milan exercem função fundamental nas movimentações ofensivas e na criação da equipe. Suso e Hakan Çalhanoğlu são importantíssimos para gerar desequilíbrios em campo adversário. O espanhol com dribles, verticalidade e criatividade a partir da ponta, passa atazanando o lateral adversário, porém, em muitos jogos pouco aparece por ficar muito preso à lateral do campo. Já no lado do turco, acontece a criação de um mecanismo importante para o ataque milanista. Como Çalhanoğlu era um camisa 10 em tempos de Bayer Leverkusen, tem tendência e preferência por aparecer como um ponta-construtor. Ao cair da ponta por dentro, cria espaços para ultrapassagens de Paquetá no corredor externo, sendo muito explorado com inversões velozes.

WhatsApp Image 2019-03-28 at 20.36.44Piatek é a referência do ataque do Milan. Tanto que, em 10 jogos pela equipe já marcou 8 gols. O polonês de 23 anos veio para se firmar no Calcio. Fonte: AP

Claro que há outros jogadores no elenco que são importantíssimos para a manutenção desse modelo pautado em transições e eficácia. Andrea Conti, SamuCastillejoLucas Bigliae Patrick Cutrone, por exemplo, são jogadores muito utilizados por Gattuso e podem, em dados momentos, serem considerados titulares.

Por fim, retomamos os pensamentos de Marco Aurélio e de suas inspirações, os estoicos. O que vale não é o que uma pessoa diz, mas sim o que ela faz. Gattuso não faz falsas promessas. Esse é seu estilo de jogo, o meio-termo entre a eficiência e o pragmatismo. E, mesmo que os anseios da torcida peçam para que ele seja rápido nesse processo de renascimento do Milan, o técnico não quer ser catapultado de uma hora para outra de volta aos holofotes mundiais, mas trabalhar pouco a pouco e cultivar seus frutos já conquistados.

@jvcardoso05

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s