A EVOLUÇÃO DO PRAGMATISMO – ANÁLISE TÁTICA DO ATLÉTICO DE MADRID

Por Vinícius Lodi

atl1Confiança em Simeone (Imagem: Francisco Seco/Associated Press)

O Atlético de Madrid renovou o contrato de Diego Simeone para até 2022. Com isso, o treinador argentino deve completar 10 anos junto aos colchoneros. Pode-se dizer que ‘Cholo’, como é apelidado, mudou os rumos do clube quando assumiu, levando-o para o título da Liga Europa e da La Liga, e chegando em duas ocasiões à final da Champions League.

Seu legado é gigantesco, já que conseguiu aproximar o Atleti do seu arquirrival Real Madrid e do Barcelona na disputa pelos campeonatos nacionais e continentais. Seu time tem uma identidade que remete a história do clube e de seus torcedores. Pragmático, sabia sofrer e aproveitava as suas oportunidades com os bons atacantes que tinha. Não era preciso ter a bola. Defensivamente se organizava em um 4-4-2, com marcação pressão em bloco baixo e explorava a explosão dos jogadores avançados na retomada da posse.

Hoje, porém, com um elenco mais encorpado após as contratações nas últimas janelas de transferências, Simeone tenta evoluir e apresentar novas maneiras de se jogar. Algumas contém nomes de peso, outras são apostas. O treinador tem em mãos boas opções de jogadores para vir do banco e testar novas variações com jogadores versáteis.

>>> ÚLTIMAS CONTRATAÇÕES: Álvaro Morata, Thomas Lemar, Kalinic, Arias, Gelson Martins (emprestado ao Monaco), Diego Costa, Vitolo.

Apenas na Champions League, a equipe começou partidas com diferentes esquemas. O mais repetido foi o 4-4-2 com variação para um 4-2-2-2. Simeone já escalou três zagueiros em um 3-1-4-2 e também variações entre o 4-3-3 e 4-1-4-1.

Tem-se criticado nesta temporada o fato de que o treinador ainda não encontrou a forma ideal de utilizar algumas de suas contratações de modo a potencializar sua equipe, principalmente quando possui a bola, e que Simeone retorna a forma de jogar mais pragmática.

atl2organização defensiva do Atleti em duelo contra o Monaco. 4-4-2 com linhas compactas.

Dentre os reforços, Lemar e Martins ainda não conseguiram regularidade, sendo que o último foi emprestado ao Monaco. Diego Costa não retornou ao clube em um bom momento da carreira. Após ser escanteado por Antonio Conte no Chelsea, não engrenou com a camisa Colchonera.

Lá atrás, a defesa já não aparenta ter a mesma solidez de outros tempos e o arqueiro Jan Oblak tem um dos principais destaques nas últimas temporadas com grandes defesas. Existe um processo de renovação neste setor, já que Diego Godín, Juanfran e Filipe Luis, considerados pilares, passaram dos 30 anos. Hernández, Arias e Giménez já são jogadores importantes para o futuro.

O termômetro no ataque é o francês Antoine Griezmann, artilheiro do time na Champions League com quatro gols e na liga espanhola, com 12 tentos. Referência técnica, o atacante pode atuar centralizado, com a companhia de um centroavante e se posicionar pelas laterais. Contribuiu ao todo com nove assistências.

atl3Antoine Griezmann/Divulgação Atlético de Madrid

Ele conta com o argentino Correa, o compatriota Lemar e com a boa participação dos meio-campistas como apoio. Saúl e Koke têm como características, além de organizarem o jogo e a capacidade de passes decisivos na transição ofensiva, também a infiltração.

Ainda há três atacantes que se posicionam como “nove”, tendo o recém-chegado Morata como uma esperança na área.

Outro ponto forte e bem reconhecido na equipe de Simeone é a bola parada. Os zagueiros uruguaios Godín e Giménez são altas torres. As cobranças costumam ser feitas no primeiro pau para o cabeceio em direção ao gol, ou o desvio para que outro jogador complemente a jogada com a finalização.

Na primeira fase da Champions League, a equipe venceu os dois confrontos contra o Monaco, conquistou quatro pontos nos dois jogos contra o Club Brugge, ganhou do Borussia Dortmund em casa e tomou uma goleada de 4 a 0 na Alemanha, quando teve bons momentos ofensivos e falhas defensivas. O resultado fez com que avançasse para as oitavas de final na segunda colocação de seu grupo.

Contra a Juventus tenta manter o retrospecto positivo em duelos na Champions League. Em 2014 as equipes estiveram no mesmo grupo e o Atleti teve uma vitória e um empate.

@ViniciusLodi_

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s