Foi duro de se ver — ANÁLISE TÁTICA NOVORIZONTINO 1 x 0 CORINTHIANS

Por Jhonata Souza

48268926_1679972338770044_1356742149755895808_n

Sofrência, horrível, fraca, pífia, tenebrosae ruim. Todas essas palavras, e mais outras, resumem muito bem a atuação do Corinthians. A equipe de Carille foi até Novo Horizonte enfrentar o time da cidade no último domingo (10) pela sexta rodada do paulistão. A partida terminou com a vitória do Novorizontino por 1×0, o gol da vitória foi marcado aos 40 do segundo tempo por Murilo. O Novorizontino foi a campo com: Vagner; Lucas Ramon, Everton Senna, Flávio Boaventura e Paulinho; Adilson Goiano, Cléo, Jean Patrick, Pedro Carmona e Felipe Marques; Murilo. Enquanto o Timão foi a campo com: Cássio; Fagner, Marllon, Pedro Henrique e Avelar; Vital, Ramiro, Gabriel e Araos; Love e Boselli. Existia diversas dúvidas sobre como o Corinthians se organizaria em campo com essa escalação, alguns apostando num losango no meio de campo, ou até uma 4-1-4-1, mas, na prática Carille organizou o time num 4-4-2 em linha, com Ramiro e Gabriel pelo meio com Vital e Araos pelos lados, deixando a dupla Love e Boselli mais a frente. Organização que pode ser visto na imagem a seguir, no momento sem a bola, o Timão continuou organizado no 4-4-2.

48268926_1679972338770044_1356742149755895808_n

No momento defensivo o Corinthians foi um pouco melhor do que contra o Ferroviário, a linha defensiva se postou melhor em campo e conseguiu se defender bem dos cruzamentos do adversário, muito dessa melhora se deve a Marllon que novamente fez uma ótima partida, o zagueiro foi muito importante na bola aérea defensiva cortando vários cruzamentos, mas, a bola aérea continua sendo um problema, o gol de inicia numa jogada de bola parada onde Murilo marcou após ela sobrar dentro da área. Outro destaque no momento defensivo foi Avelar que fez um jogo ok e parece estar pegando mais confiança com Carille. Cássio fez um bom jogo fazendo algumas defesas importantes que evitaram que o gol saíssem antes. O Novorizontino não teve muito trabalho na defesa, a equipe comandada por Roberto Fonseca esteve bem postada na defesa e teve seus méritos em dificultar ainda mais as coisas para o Corinthians.

48268926_1679972338770044_1356742149755895808_nEstatísticas via SofaScore.

O Novorizontino mereceu sair com a vitória, foi o melhor time em campo, além de ter sido o que mais levou perigo ao gol adversário como pode ser visto pelas estatísticas, também foi o time que mostrou mais intensidade e vontade de vencer o duelo. Eles buscaram bastante o jogo pelos lados, principalmente no primeiro tempo onde Felipe Marques deu bastante trabalho a Fagner, o Novorizontino buscou explorar a deficiência do Corinthians na bola aérea para levar perigo. O Corinthians novamente foi bem inofensivo com a bola nos pés, tanto que a chance mais perigosa foi num impedimento mal marcado pelo bandeirinha num lance onde Boselli ia ter a faca e o queijo na mão para marcar o gol. O alvinegro voltou a apresentar problemas que mostrou em outras partidas. Teve a posse de bola por mais tempo, porém foi uma possa inofensiva que se resumiu em ficar trocando passes no campo de defesa, tanto que as 3 principais interações de passes entre jogadores no jogo foram entre Marllon e Pedro Henrique (34), Marllon e Fagner (28) e Pedro Henrique e Avelar (24).

O Corinthians novamente sofreu com a falta de profundidade e até de amplitude no ataque. Araos e Vital não são jogadores com a característica de ir até a linha de fundo para dar profundidade ao ataque, quando foram também não deu muito certo, eles são meias que acabavam vindo jogar mais pelo meio, o chileno até tentou fazer mais em campo, porém novamente deixou a desejar, já Vital teve uma atuação bem fraca e foi nulo ofensivamente. Quando se joga com dois meias pelo lado e necessário que seus laterais avancem mais para o ataque, esse também foi um problema do time, já que Avelar não tem a característica de ser esse lateral de ultrapassagem e amplitude no ataque, quem tem essa característica é Fagner, porém ele foi menos utilizado pela equipe do que nós outros jogos. Ramiro fez um jogo fraco, talvez sentindo a parte física, ele não conseguiu ser produtivo no meio e nem ser o responsável por uma transição ofensiva mais rápida e nem por dar um pouco de verticalidade ao ataque. Boselli novamente sofreu com a falta de criação da equipe, o argentino não recebeu uma bola onde tivesse a chance de finalizar, porém ele foi útil na disputa pela primeira bola e em fazer pivôs para os companheiros. Love foi um dos poucos que teve um desempenho ok em campo, novamente se movimentou bastante em campo e foi um dos poucos que buscava fazer algo de diferente no time.

48268926_1679972338770044_1356742149755895808_nPosicionamento médio dos jogadores do Corinthians via SofaScore. Nessa imagem podemos ver quanto Vagner Love se movimentou em campo.

No segundo tempo vendo que as coisas não davam certo, Carille fez três mudanças no time colocando Clayson, Pedrinho e Gustavo nos lugares de Araos, Vital e Boselli. O treinador corintiano mexeu mal na equipe, pois nenhuma das três mudanças atacou o problema da equipe no meio de campo. Araos era um dos poucos que tentava fazer algo, ele deveria ter continuado, mas pelo meio onde poderia melhorar a circulação da bola, enquanto Clayson entraria no lugar de Ramiro para dar velocidade, profundidade e amplitude ao ataque. Na teoria, a entrada do ponta era uma boa ideia para tornar o time mais perigoso e no começo até funcionou, como pode ser visto na imagem a seguir.

48268926_1679972338770044_1356742149755895808_n

Uma pena que a opção de Clayson aberto na ponta foi pouco utilizada pelo time.Pedrinho no lugar de Vital não surtiu efeito algum na equipe e a entrada de Gustavo no lugar de Boselli também pouco mudou as coisas, já que não tinha ninguém para fazer a bola chegar nos atacantes.

Ao todo foi mais uma atuaçãofraca do Corinthians, além de todas as questões táticas, a equipe teve problemas na sua postura dentro de campo.Novamente se viu uma equipe apática e com uma intensidade abaixo do necessário para quem quer ganhar um jogo. Alguns dados sobre o jogo mostram a fraca atuação do Timão.

  • Jogo com maior número de rebatidas (48)
  • 3° jogo com menor número de passes certos (474)
  • 2° jogo com menos lançamentos certos (12)
  • Junto com o Derby foi o jogo com o maior número de finalizações certas (4)
  • 2° com menos cruzamentos certos (5)
  • Jogo com menor número de interceptações certas (1)

Carille vem com uma ideia diferente dos últimos anos, o treinador tenta implantar um estilo de jogo mais propositivo e ao mesmo tempo reativo, isso demanda tempoe convenhamos que tempo é um artigo de luxo no futebol brasileiro. Ainda sim, o time poderia estar rendendo um pouco mais. Carille parece que ainda não sabe qual esquema quer e nem os jogadores que pretende utilizar nesse esquemae isso é algo que tem de ser resolvido rapidamente para que se tenha pelo menos um norte de onde partir. Existem muitas dúvidas na equipe do Corinthians, a defesa tem problemas, o meio é pouco criativo, uma das poucas coisas que vem funcionando até aqui são os centroavantes, principalmente Gustavo. O torcedor vai precisar ter paciência, pois ainda é começo de temporada e é normal que existam problemas num time que mudou de técnico e que fez tantas contratações, porém os jogadores e Carille podem render mais do que vem rendendo.Quinta tem Racing, depois clássico contra o São Paulo e depois Copa do Brasil, será um sequência dura de jogo onde Carille vai precisar de soluções rápidas para os problemas do time.

@SuperJhonny14

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s