Tempos distintos

Por Matheus Marques

ds

Após mais de cem jogos e vinte dias de competição finalmente chegamos a grande final da Copa SP Júnior onde São Paulo e o Vasco fizeram um jogo bastante divertido. Por ser uma final normalmente se trata de um jogo bem mais tenso, porém nenhuma das equipes abdicou do seu jogo. A tônica no começo do primeiro tempo foi saída de bola curta com ambos os times usando o conceito de atrair os oponentes pra tentar criar espaços com toques rápidos e assim acelerar pegando defesa do rival mal formada. Porém SP e Vasco faziam isso de formas diferentes enquanto o São Paulo subia muita marcação pra roubar a pelota em campo ofensivo ou fazer o goleiro do rival quebrar a bola, o Vasco não pressionava tão alto, preferia agrupar a pressão no meio deixando o time mais compactado tentando evitar as perigosas bolas quebradas pro Novaes e Fabinho.

dsExemplo de pressão citada no texto do Vasco contra o SP.

Com o andar do tempo o jogo foi ficando menos tenso e aí o domino do São Paulo foi aparecendo no primeiro tempo principalmente após os 20 minutos iniciais. O SP começou a ter volume pela direita com a dupla Antony e Felipe, o time gostava de acelerar, ser mais vertical então era constante as inversões pro Fabinho afim de pegar ele no 1×1 contra o lateral vascaíno. Vasco sofreu no primeiro tempo, a saída de bola começou a ficar irregular permitido que o rival roubasse a bola no seu campo e sem um contra-ataque efetivo e com o Lucas Santos discreto, o time naturalmente não criava jogadas perigosas. O gol do SP começou a ser questão de tempo, e em uma bola roubada no campo de defensa e rapidamente colocado no pés do tempos ele achou o Novaes pra fazer o 1×0 já no final do primeiro tempo.

                               dsLançamento do Antony pro Novaes que gerou o 1×0 do SP.

Não teve uma mudança de postura vascaína no inicialmente do segundo tempo. SP com Diego e Nestor no meio continuava a controla o meio e sempre ter as segundas bolas que gerou o segundo gol do São Paulo, na partida, após um passe bem encaixado do Nestor deixando o Antony em boas condições pra fazer o 2×0. Naturalmente o Vasco iria se lançar a frente, o que gerou boas situações de gol se aproveitando de uma falta frontal e de péssimos posicionamentos da defesa tricolor.

    dsVasco conseguindo trabalhar e acionando o João Pedro em boas condições de fazer o gol.

As substituições do Valadares e a maior participação do Lucas Santos na criação tiveram um impacto positivo no Vasco aliado a isso Orlando ( técnico do São Paulo ) mexeu mal, tirando os pilares do times perdeu consistência e volume ofensivo. São Paulo começou a ser empurrado pra trás pela pressão vascaína, o time perdeu o contra-ataque ( principalmente depois da saída do Antony ) e não tinha controle pelo meio campo. Vasco dominava a partida, conseguia projetar bem os laterais e sempre ter a bola em campo ofensivo apenas faltava a “fagulha” pra incendiar o jogo, que veio em falta bem cobrada pelo Lucas Santos e oito minutos depois com um bom cruzamento fazer o 2×2 Thiago Reis levando o jogo para os pênaltis.

Apesar da força mental muito grande apresentada durante o segundo tempo, o Vasco foi mal nos pênaltis,parando no Thiago Couto que foi protagonista pegando dois penais ajudando o São Paulo a se tornar treta campeão da competição.

@MatheusM633

Deixe uma resposta