Premier League: A melhor liga do mundo e a sua influência no futebol inglês

Por Felipe Henry

whatsapp image 2019-01-03 at 12.48.29

O melhor torneio nacional do mundo. É assim que o Campeonato Inglês é conhecido atualmente, reunindo times bilionários, vencedores históricos e principalmente, jogadores espetaculares e técnicos renomados.

A mudança em toda a temática técnica e organizacional no futebol da Terra da Rainha passa principalmente pela criação da Premier League, que transformou uma liga baseada no estilo “Kick and Rush” de jogo para um futebol moderno e vistoso.

Claro que ainda há aqueles times que optam por um jogo mais físico, com solidez defensiva e aposta nos contra-ataques, mas a capacidade e potencial táticos das principais equipes inglesas (Manchester City, Liverpool, Tottenham, Manchester United, Chelsea, Arsenal…) não devem ser subestimados. Afinal de contas, o que falar de um campeonato que tem Jurgen Klopp, Pep Guardiola, Maurizio Sarri, Mauricio Pochettino, Unai Emery, Rafa Benítez, Manuel Pellegrini e etc? Nada além de uma mudança de estilo, mesmo que sejam diferentes formas de se ver futebol.

caldiolismo

A Premier League conta com treinadores que são referências em suas ideologias de jogo. Que se leve em consideração a saída de Mourinho do Manchester United no fim de 2018. Foto/Divulgação: Sky Sports.

Mas como tudo começou? Como o futebol inglês decidiu criar essa liga há pouco mais de 25 anos e que atualmente é uma das principais do mundo?

Não nos esqueçamos que o Campeonato Inglês existe desde 1888, sendo o sistema de futebol mais antigo do mundo. Atualmente, é o campeonato mais rentável e motivo de orgulho para os ingleses, sendo um sucesso devido a sua identidade de jogos emocionantes e atrativos para os fãs de futebol.

Em 1992, a liga foi criada na Inglaterra e deixou de ser um campeonato exclusivo para britânicos. Estrangeiros chegaram e trouxeram uma qualidade que não havia nos gramados ingleses, já que os jogos eram denominados enfadonhos, chatos, monótonos… Tudo bem que a liga demorou a engrenar mesmo com o atual formato, mas mesmo na década de 1990 havia times lendários a serem recordados.

O Manchester United multicampeão ao longo da década treinado pela lenda Sir Alex Ferguson e que tinha, entre outros David Beckham, Paul Scholes e Ryan Giggs; Um 4-4-2 que tinha o vigor físico de Scholes e do capitão Roy Keane na conteção defensiva, mas que tinha o talento de Beckham e Giggs, símbolos de um time vencedor que tinha os artilheiros Andy Cole e Dwight Yorke formando uma poderosa dupla de ataque, que também tinha o atual técnico Ole-Gunnar Solskjaer como uma boa opção no banco de reservas.

caldiolismo

O Manchester United foi campeão da Premier League e da UEFA Champions League na temporada 1998/99. Foto/Reprodução: Imortais do Futebol.

O Arsenal campeão na segunda temporada de Arsene Wenger em Londres em 1997-98 com o holandês Marc Overmars, os franceses Emmanuel Petit e Patrick Vieira além do inglês Ian Wright como principais destaques em uma das principais equipes do técnico francês que marcou época nos Gunners.

Aliás, os Diabos Vermelhos são os maiores campeões da Era-Premier League com 13 títulos. Chelsea (cinco), Arsenal (três), Manchester City (três), Blackburn e Leicester (um) completam o hall de campeões da era moderna do futebol inglês. O Liverpool, 18x campeão inglês e com oito títulos europeus (Pentacampeão da UEFA Champions League e tricampeão da antiga Copa da UEFA – atual UEFA Europa League) jamais conquistou a Premier League, chegando mais próximo nas temporadas 2001-02 e 2013-14 quando foi vice-campeão para Arsenal e Manchester City respectivamente.

Já na década de 2000, com o incrível Arsenal, com um jogo muito vistoso que encantou a Inglaterra com o título invicto em 2003-04 com um esquadrão inesquecível para quem é fã de futebol.

Lehmann; Lauren, Sol Campbell, Kolo Touré e Ashley Cole; Gilberto Silva, Patrick Vieira e Patrick Ljungberg; Robert Pires e Dennis Bergkamp; Thierry Henry. Como esquecer esse time espetacular? Particularmente, foi o primeiro que acompanhei no futebol europeu e que foi uma forte influência para me apaixonar pelo futebol inglês.

caldiolismo

O Arsenal da temporada 2003-04 está entre os times mais lendários da era Premier League na Inglaterra. Foto/Divulgação: Premier League.

A chegada do português José Mourinho ao recém milionário Chelsea após conquistar a UEFA Champions League pelo Porto, promoveu ótimos duelos com Ferguson e Wenger, conquistando um bicampeonato com jogadores que virariam lendas em Stamford Bridge: Petr Cech, John Terry, Frank Lampard e Didier Drogba eram bases de uma geração histórica que está nos corações dos torcedores.

Com o Manchester United implacável com a chegada de um jovem português que se transformaria futuramente em um dos grandes jogadores da história do futebol: Cristiano Ronaldo marcou época, ganhou títulos em um time que já estava acostumado aos títulos nacionais.

Na década seguinte, a partir da temporada 2011-12, Manchester ficaria um pouco mais azul. Os Citizens, novos bilionários do futebol mundial, conquistariam um título de maneira heróica, histórica e inesquecível… Disputando ponto a ponto, rodada a rodada com o rival local e campeão com um gol no último segundo para enlouquecer uma torcida que há gerações não comemorava um título e assistia o irmão rico ser bem mais sucedido a nível nacional e europeu. Roberto Mancini contou com Yaya Touré, Mario Balotelli, David Silva e Sergio Aguero em altíssimo nível.

Grandes times e grandes jogadores que fazem a Premier League ser a cada temporada mais incrível e atrativa. Se no passado recente tivemos craques como Thierry Henry, Cristiano Ronaldo, Frank Lampard, Didier Drogba, Steven Gerrard, Alan Shearer, dentre outros, desfilando seus talentos e técnica apurada durante muitos anos, atualmente não podemos reclamar dos grandes jogadores:

Eden Hazard, N’Golo Kanté e Willian no Chelsea, Kevin De Bruyne, David Silva e Sergio Aguero no Manchester City, Paul Pogba e Romelu Lukaku no Manchester United, o egípicio Mohamed Salah, o senegalês Sadio Mané, o holandês Virgil Van Dijk e os brasileiros Alisson e Roberto Firmino no Liverpool, o talentosíssimo quarteto do Tottenham com Dele Alli, Heung-Min Son, Christian Eriksen e Harry Kane… Enfim, é bom demais assistir a Premier League.

Para encerrar, não custa nada lembrar que os direitos de transmissão da Premier League andam de vento e popa e isso não se limita apenas à tradicional transmissão televisiva: Em Junho de 2018, a Amazon adquiriu os direitos de transmitir 20 partidas ao longo da temporada em sua plataforma de streaming sem nenhum custo extra para seus assinantes, em acordo fechado por três anos. A estimativa é que a empresa norte-americana tenha pago mais de 130 milhões de dólares pelos direitos de transmissão.

Além disso, a ESPN transmite todas as 380 partidas da temporada, seja em seus quatro canais fechados ou em sua plataforma de streaming, o Watch ESPN, em narrações em inglês.

Considerando o fato da alta premiação recebida pelos times ao fim de cada temporada baseada em sua posição final na tabela, sempre é bom destacar o quanto isso influencia as equipes inglesas a montarem seus planejamentos e reforçarem suas equipes para a temporada seguinte. Um bom exemplo disso é a bagatela recebida pelos três times que são promovidas desde a Championship (2ª Divisão Inglesa): 150 Milhões de Libras, no momento do acesso.

caldiolismo

O Wolverhampton já conseguiu uma grande vitória sobre o Tottenham em pleno Wembley. Foto/Divulgação: BBC.

Em Fevereiro de 2018, foi feita a última distribuição de direitos para os ingleses, onde a Sky Sports adquiriu a grande parte dos jogos (128 por temporada), adquirindo quatro dos sete pacotes de transmissão (todas as partidas de segunda-feira, todas as partidas de sexta-feira, partidas de sábado às 17h30 e 19h45 e partidas de domingo às 14h e 16h30, tudo pelo horário de Londres), desembolsando 3,58 bilhões de libras. Já a BT Sport vai desembolsar 888 milhões de libras pelo direito de transmitir 32 jogos por temporada, aos sábados, às 12h30 (horário de Londres).

caldiolismo

A Premier League adquiriu uma identidade própria e renovada, além de ampliar suas transmissões pelo mundo e o faturamento de suas equipes. Foto/Divulgação: Premier League.

Um time que disputa a Premier League e tem seus jogos transmitidos para todo o mundo não passa despercebido. Se enfrentar um dos principais times e não for derrotado então, como o recém-promovido Wolverhampton que já tirou pontos de Manchester City, Tottenham e Chelsea, o reconhecimento torna-se maior.

Com tradição e modernidade, com grandes ídolos do passado e do presente, jogos emocionantes e a projeção de crescimento do que já é uma das principais ligas nacionais do planeta.

É, a Premier League sem dúvida é uma liga de primeira qualidade.

@Lipe_Henry

Anúncios

Um comentário sobre “Premier League: A melhor liga do mundo e a sua influência no futebol inglês

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s