Valentia de Pochettino recompensada com a vaga nas oitavas – ANÁLISE TÁTICA BARCELONA 1 x 1 TOTTENHAM

Por Breno Barbosa e Davi Magalhães

Na primeira etapa, mesmo com um time misto, o Barcelona dominou às ações do jogo e achou espaços para construir boas oportunidades. Principalmente nos minutos iniciais, os Culés tiveram intensidade e volume, abrindo o placar em um contragolpe, aonde exploraram a velocidade de Ousmane Dembélé, após um vacilo de Peters, jovem lateral direito do Tottenham.

No contra-ataque, Dembélé recupera a posse, livra-se do primeiro defensor com velocidade, utiliza o drible para limpar o segundo e finaliza com a perna canhota.

A saída de jogo inicia-se no 3-2, com Rakitic recuando na linha defensiva, tendo os outros meio-campistas (Alena e Arthur) bem próximos e responsáveis pela construção ofensiva. Os dois laterais, dão amplitude e exploram o corredor externo, enquanto os extremos ficam no half-space (corredor interno), sendo opções para um passe em ruptura. Munir foi o centroavante da equipe e sua função era dar profundidade aos espanhóis. O time da Catalunha terminou o confronto com apenas 48% da posse de bola, 520 passes trocados e 14 finalizações.

ismoA imagem ilustra a forma como o Barcelona realizou seu jogo propositivo.

Uma das principais características do Barcelona é trocar passes e fazer triangulações, sempre com os jogadores próximos e gerando superioridade numérica na zona da bola. Dessa forma, a equipe de Valverde consegue sair da marcação pressão do adversário e achar companheiros em ótimas condições.

O gol sofrido logo aos 6 minutos de jogo, obrigou a equipe de Pochettino a sair ainda mais para o jogo. Para não depender de uma vitória do PSV contra a Inter de Milão, no outro jogo do grupo, o Spurs tinha que ir para cima buscar o resultado. Porém esse cenário não é nada incomum para o Tottenham. Um time que sabe muito bem ser protagonista, ter a bola e propor o jogo com qualidade. Principalmente após o gol sofrido, o Tottenham pressionava a saída de bola adversária. Mostrando que queria ter a bola para criar chances de gol e não apenas jogar nos contragolpes.

ismoNa imagem acima, perceba como o Tottenham adianta seus jogadores para cortar as opções de passe do goleiro e impedir que o Barcelona saia jogando curto desde a defesa. (BTSport)

Entretanto, a equipe azul grená está acostumada a enfrentar equipes assim. E mesmo diante de uma marcação do adversária no seu campo de defesa, a equipe procura sair jogando de forma limpa, através das combinações entre os jogadores. Como é a filosofia do clube. Ao conseguir escapar dessa marcação adiantada, o Barça tinha campo para jogar. Principalmente Coutinho e Dembélé, os jogadores que atuaram pelos lados do campo. Ambos ficavam no mano contra os laterais adversários e assim o Barcelona era superior na partida.

ismoBarcelona fazendo a saída apoiada, com nove jogadores próximos da bola para sair dessa marcação adiantada do Tottenham.

O Barcelona sofreu pouco defensivamente, pois neutralizou às principais jogadas do Tottenham e esteve bem postado no 4-1-4-1. Variando entre pressionar no campo ofensivo e realizar uma marcação zonal em bloco médio.

ismoOs Culés no 4-1-4-1, com bloco médico e marcação encaixada nos adversários.

MAS POR QUE COUTINHO E DEMBÉLÉ FICAVAM NO MANO A MANO CONTRA OS LATERAIS ADVERSÁRIOS?

Para responder essa pergunta, é preciso explicar como o Tottenham atuou. Há algum tempo, o Tottenham tem jogado com uma trinca no meio (pode ser até um tema para um próximo texto), dando mais liberdade ao trio ofensivo. Geralmente, o time se posta no 4-3-1-2, como foi na partida de ontem. A formação facilita a marcação no campo do adversário e deixa a dupla de ataque com menos responsabilidade defensiva, dando mais prioridade para os contra-ataques.

Entretanto, como o Barcelona conseguia sair jogando através de passes curtos, os jogadores que atuaram pelo lado acabavam ficando no mano a mano, visto que a segunda linha de marcação do Tottenham era composta por três jogadores (Winks-Sissoko e Eriksen).

Com isso, a equipe londrina que precisava do resultado, não fez uma boa primeira etapa. Viu o Barcelona finalizar 4 vezes de dentro da sua área e das 5 finalizações do Tottenham no primeiro tempo: 3 foram certas e 2 foram de dentro da área do Barcelona.

Para corrigir a pouca efetividade na marcação e na construção ofensiva, Pochettino inverteu o posicionamento de Alli e Eriksen no segundo tempo. Recuando Alli para jogar ao lado de Winks e Sissoko no meio-campo e deixando Eriksen como meia-atacante, mais livre e adiantado para criar chances de gol.

ismoNa primeira etapa, Alli atuava atrás da dupla de ataque e Eriksen como meio-campista pela esquerda. (BTSport)
ismoNo segundo tempo, Eriksen e Alli inverteram o posicionamento trazendo dificuldades ao sistema defensivo do Barcelona. Essa inversão de posicionamento de Alli e Eriksen não mudou o 4-3-1-2 do time(BTSport)

No segundo tempo, Busquets entrou na vaga de Rakitic no meio campo do Barcelona, entretanto não conseguiu dar dinâmica e manter a posse.

ismoBarcelona defendendo-se no 4-1-4-1, com bloco médio. Busquets fica responsável por fazer a cobertura nas entrelinhas.

Lionel Messi, foi outro titular que entrou em campo, atuando de falso 9, o argentino foi pouco participativo e decisivo em campo. Às melhores chances, foram criadas com o brasileiro Coutinho, aonde acertou a trave em dois momentos.

TOTTENHAM SUPERIOR NO SEGUNDO TEMPO

Além da mudança de posicionamento, Pochettino mexeu muito no time. Tirando o lateral direito Peters, que não fez uma boa partida e colocando Lamela no seu lugar. Com a mexida, Sissoko foi jogar na lateral direita, Eriksen voltou a jogar como meio-campista (agora pela direita, onde jogava Sissoko) e Lamela entrou como meia-atacante. Outra mexida foi a entrada de Lucas Moura no lugar de Son. As entradas do argentino e do brasileiro melhoraram o Tottenham, que ficou mais ofensivo. E nesse 4-3-1-2 de Pochettino, a equipe acumulava jogadores por dentro, criando superioridade numérica pelo meio, com os jogadores próximos e atacando a área.

ismoOs laterais do Tottenham eram responsáveis por ocupar os lados do campo. Na imagem, veja como o time cria superioridade numérica na área adversária com 4 jogadores: Alli, Lucas, Lamela e Kane. (BTSport)

A última mexida de Pochettino foi a entrada de mais um atacante: Fernando Llorente. Com a entrada do centroavante espanhol, o time londrino terminou a partida com 5 atacantes. A ousadia, vontade de vencer de Pochettino deu resultado: gol de empate do Tottenham, marcado por Lucas Moura após 12 finalizações, 9 de dentro da área do Barça. E com o empate, o Tottenham se classificou para as oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa. Premiando a valentia e o bom trabalho do técnico argentino Mauricio Pochettino.

@12brenobarbosa e @magalhaesDavi_

Anúncios

Deixe uma resposta