Derby d´Itália: ANÁLISE TÁTICA JUVENTUS 1×0 INTER DE MILÃO

Por Luiz Martins e João Victor Cardoso

Um dos maiores clássicos da Itália retratou a soberania que a Vecchia Signora instaurou no país da bota a alguns anos. Não foi possível que os comandados de Luciano Spalletti conquistassem a vitória, mesmo com um esquema organizado e equilibrado para tentar conter toda qualidade dos bianconeros. Os Nerazzurri, utilizando um sistema próximo ao 4-5-1, até tentaram propor o jogo, porém sempre sofriam muito com o bloco alto da Juventus, sufocando Marcelo Brozović e impedindo também que Vrsaljko ou Asamoah oferecessem apoios à saída. Nesse sentido se destacaram as figuras de Mario Mandzukić e Blaise Matuidi, incansáveis na marcação e pressionando a todo instante.

juve_1Juventus realizando pressão na saída de bola da Inter. Algo que foi totalmente comum durante a partida. (Fonte: Instat/Edição: Juno Martins)

Pelo lado da Juve, em momentos de organização ofensiva, havia muita amplitude, proposta pelos laterais (João Cancelo e De Sciglio) que, curiosamente, inverteram os lados ainda no primeiro tempo e transições organizadas por Pjanić. O bósnio sabia o momento perfeito para inverter as jogadas e encontrar os laterais em velocidade em associações velozes com os meias que por ali estavam. Como já foi dito, Matuidi foi de extrema importância no sistema de Massimiliano Allegri. Blaise, além de ser peça crucial no pressing e nas transições defensivas, também apoiava Cancelo, pela esquerda, e chegava à área para participar das construções terminais. Bentancur fazia o mesmo pela direita, sempre tabelando com De Sciglio.

juve_2Cristiano saindo da referência e auxiliando na construção de contra-ataques, com Manzukic e Dybala, fazendo ultrapassagens em velocidade. (Fonte: Instat/Edição: Juno Martins)

Esse jogo lateral da Juventus não se deu somente pela qualidade de seus laterais, mesmo que Cancelo seja, realmente, um primor apoiando, mas, na verdade, pela presença de Cristiano Ronaldo no ataque. Com suas movimentações, CR7 busca sempre participar das jogadas no “lado forte” da equipe, neste jogo foi na esquerda, mas ele também busca alternar seu posicionamento, aparecendo muitas vezes pela ponta direita, buscando a área com velocidade, infiltrando as costas do marcador. Mandzukić, possui também essa facilidade de ser um jogador de muita mobilidade no ataque, se moldando a diversas funções, dependendo do seu posicionamento no ataque. Isso estabelece uma das bases para o modelo de jogo de Allegri: A imprevisibilidade e liberdade das ações ofensivas da equipe, mesmo que sejam de forma organizada no modelo de jogo adotado. Com a concentração de jogadores no lado esquerdo (CR7 ou Mandzukić, Cancelo, Matuidi, Pjanić e até Dybala), há a sobra de espaço para se atacar pelo lado direito. Assim, o lateral e o atacante que se encontram do lado oposto, tiveram boas chances, tanto que foi assim que surgiu o gol.

juve_4Juventus atacava bastante pela esquerda, em função de Cancelo estar jogando por este lado. Além disso as movimentações de Cristiano, Pjanic e Mandzukic, facilitam a construção no setor (Fonte: Instat/Edição: Juno Martins)

Já a Inter buscou se estabelecer com seu modelo natural. Brozović tentava ditar o ritmo do jogo, mas, como já foi citado, foi muito marcado e teve sua influência diminuída nas construções desde a base. Sofrendo com a marcação alta da Juve, restava aos interistas buscar o jogo direto. Icardi batalhou com Bonucci e Chiellini e geralmente levou a pior. Em raros casos, o capitão conseguia escorar alguma bola para Gagliardini conduzir e ativar Politano ou Perišić.

juve_3Icardi sempre bem marcado pelos zagueiros Bianconeri. Juventus bem postada, fechando linhas de passe em zonas mais próximas ao meio-campo. (Fonte: Instat/Edição: Juno Martins)

Defendendo que o time de Spalletti se destacou. No 4-5-1 proposto pelo técnico, Brozovic era o mediocentro enquanto Gagliardini e João Mário fechavam os corredores internos, por vezes saltanda em pressão junto de Icardi. Essa estratégia limitou algumas ações da Juve, como passes de Pjanić na tentativa de encontrar Dybala nas costas da marcação. Mesmo com essa ótima tática, faltou capricho em lances na frente e isso comprometeu o resultado.

juve_5Inter passou praticamente o jogo todo se defendendo, conseguindo chegar à frente com bolas mais longas. (Fonte: Instat/Edição: Juno Martins)

A Juventus disparou ainda mais na liderança e, dificilmente, será alcançada por algum de seus adversários. Já a Inter tem uma terceira posição instável, pois já vê seu maior adversário no retrovisor, o Milan.

@ojunomartins

@jvcardoso05

Anúncios

Deixe uma resposta