Mantendo a invencibilidade em seus domínios: ANÁLISE TÁTICA INTERNACIONAL 2×0 AMÉRICA-MG

Por Luiz Martins

Dentro do beira-Rio, o Internacional bateu o América-MG pelo placar de dois a zero, mantendo a sua invencibilidade dentro do campeonato em 2018.

O colorado fez uma partida sólida, mesmo não sendo algo de encher os olhos, foi um jogo totalmente diferente do apresentado anteriormente contra o Ceará, onde teve um desempenho e resultados totalmente abaixo do esperado, com algumas dificuldades de leitura da partida e da proposta do adversário.

Já o América, continua brigando para se manter na elite do futebol brasileiro, após ser derrotado pelo Paraná, lanterna da competição, dentro do Horto.

Análise da Partida


O jogo iniciou com a equipe colorada já ditando o ritmo da partida, utilizando rápidas transições ofensivas, na tentativa de surpreender o time do América.
A equipe colorada utilizava Wellington Silva (iniciando como titular), Nico López e Edenílson, sempre buscando velocidade, carregando a bola até o campo adversário, se infiltrando entre as linhas de marcação.
Edenilson além de aparecer à frente como elemento surpresa, participava ativamente da construção de jogadas, demonstrando uma característica diferente de seu habitual modo de jogo, sendo fator importante em todo processo de criação.
Damião se movimentava bastante, buscando posicionamento mais próximo aos companheiros, assim fazendo com que a defesa do time mineiro se desalinhasse e nestes espaços abertos, principalmente Nico e Edenilson pelo lado direito, conseguiam jogadas mais agressivas, buscando abrir o placar.

Inter01Edenilson e Nico López eram os responsáveis pela construção de jogadas (Fonte: Instat/ Edição: Juno Martins)

O América, postado em um esquema 4-2-3-1, marcava sempre a partir da intermedíaria, sempre recuando suas linhas, cedendo campo ao Inter, assim apostando em encontrar campo para o contra-ataque, mas quando tentava alguma escapada, era facilmente desarmado, tanto pela ótima transição defensiva da equipe colorada, tanto pela forte marcação da última linha defensiva, apesar de Fabiano demonstrar algumas dificuldades de fechar a linha, quanto pelo volante Rodrigo Dourado e por Patrick, que neste jogo se posicionava mais atrasado em relação a Edenilson, fechando junto a Iago o corredor esquerdo, assim liberando o camisa oito de obrigações defensivas, sendo importante no ataque.

Inter02Compactação defensiva do Inter, fechando espaços para os ataques do América, tendo Nico e W. Silva como opções de saída rápida para o ataque. (Fonte: Instat/Edição: Juno Martins)

Em dado momento o time colorado demonstrou dificuldades em criar jogadas mais trabalhadas, em função de não possuir um jogador que tenha a construção como característica principal, mas em uma bela jogada organizada pelo setor direito, Edenilson conseguiu encontrar Damião na área abrindo o placar.

Com o placar favorável, o time gaúcho se postou em uma zona no meio-campo, neutralizando os ataques do time mineiro e apostando em saídas de contra-ataque com muita intensidade.
Em um destes momentos, a equipe ampliou o placar, em bela jogada de Damião, que retribuiu a Edenílson, que aumentou a vantagem colorada para dois a zero.

Com o placar adverso, o América, parece ter se entregue no jogo, não demonstrando qualquer tipo de reação, muitas dificuldades tanto coletivas e individuais, para vencer o forte sistema coletivo defensivo do Inter, tendo finalizado apenas uma única vez no primeiro tempo.

Já no segundo tempo, o América até esboçou algo, muito em função do rendimento colorado já se encontrar em momento de administrar a partida, mas foram poucos minutos com um ímpeto de tentar reverter o placar.

Já o time colorado administrava a partida, conseguia imprimir forte transição defensiva, nas investidas do time mineiro e contava com muitas movimentações pelo lado direito (lado forte do time na partida), tendo Nico López realizando movimentações importantes desde o lado até a intermediária, sendo um dos expoentes de criação de jogadas da equipe, encontrando espaços e cadenciando o ritmo do time, mas a intensidade do primeiro tempo foi menor, em função da proposta de jogo do adversário.

Desta forma Odair e Givanildo realizaram trocas na equipe:

Pelo lado Colorado:
– Aos 20 minutos a troca de Wellington Silva, por Rossi, por questão de desgaste do titular;
– Aos 30 minutos, foi a vez da saída de Fabiano, que tomou o terceiro cartão amarelo, além de algumas dificuldades defensivas, por Zeca, que deverá ser o titular contra o Botafogo, já dando rodagem ao atleta;
– Aos 40 minutos a Entrada de Jonatan àlvez no lugar de Damião, por desgaste físico, mas esta troca não acrescentou nenhuma alteração de funções ou importância considerável na partida.

Pelo lado do Coelho:
– Aos 20 minutos, Giovanni por Gerson Magrão, na tentativa de melhor a velocidade e vitória pessoal pelo lado direito;
– Aos 25 minutos a entrada de Juninho no lugar de Leandro Donizete, por questão de desgaste físico do volante;
– Aos 40 minutos, saída de Ademir e entrada de Robinho, por cansaço, buscando continuar com um jogador de velocidade pelo lado direito;

Nenhuma das trocas realizadas tiveram grande importância as propostas de jogo, desta forma o placar conquistado no primeiro tempo não sofreu alteração.

Assim, o time gaúcho mantém a grande campanha em casa, soma mais três pontos, em jogo que baseou naquilo que faz de melhor em 2018: Sistema defensivo sólido, saídas em velocidade, mobilidade de Edenilson e Patrick. Nico Lopez participando bastante. Já demonstra ter uma base de time forte para 2019, através de um ótimo planejamento.

Já o América, virtual rebaixado, durante boa parte do Brasileirão, demonstrou muita luta para permanecer na série A, mas sem sucesso. Tinha um ótimo trabalho com Enderson Moreira, mas a ida do treinador para o Bahia fez ruir todo um ótimo trabalho que vinha sendo feito e os técnicos que o sucederam não conseguiram manter o que vinha sendo feito.

@ojunomartins

Anúncios

Deixe uma resposta