Resultado e desempenho: nem sempre lado a lado

Por Luiz Martins e Pedro Galante

Depois de vencer com muita imposição na Inglaterra, a Juventus recebeu o Manchester United na Itália.

Allegri armou o time em um 4-4-2 com Dybala e Ronaldo a frente, Cuadrado pela direita e Bentacur improvisado na esquerda. No momento defensivo o time se comportava exatamente dessa maneira: duas linhas de quatro e Ronaldo e Dybala a frente. Mas o mandante pouco se defendeu, passou a maior parte do tempo no ataque e por isso a estrutura do time sofria algumas alterações.

Bentacur naturalmente centralizava e deixava o corredor esquerdo aberto para Alexsandro. Khedira encostava nos atacantes, e Cuadrado se movimentava bastante, ora aparecia dando amplitude pela direita, ora caia por dentro e deixava a função da amplitude com De Sciglio. Dybala e Ronaldo sempre muito móveis e próximos, prontos para acelerar das jogadas. Um ataque móvel e envolvente.
Pjanic ao contrário do jogo anterior, possuía maior liberdade encontrando companheiros em ótimas posições, principalmente com seus lançamentos e bolas longas característicos, mas ao invés de realizá-los apenas desde a base, se colocava em muitos momentos próximo a área para tais ações, causando perigo a defesa dos Red Devils.

juno
Pjanic realizando lançamento para companheiro atrás da linha defensiva do Manchester. (Fonte: Instat/ Luiz Martins)

José Mourinho por sua vez, veio a campo com um 4-3-3, a principal novidade foi Alexis Sanchez como referencial móvel. Os Red Devils passaram a maior parte do tempo se defendendo no seu próprio campo, por vezes Pogba saia para pressionar e o 4-3-3 se transformava em 4-4-2. Os encaixes dos ingleses tiveram dificuldade contra as movimentações rápidas e inteligentes do ataque da Juve. Os italianos tiveram muito volume de jogo, mas não criaram grandes chances, e as que foram criadas, foram desperdiçadas.

Quando tinha a bola o United buscava abrir o campo com seus laterais, trabalhando a bola por dentro, com algumas movimentações de Pogba, Lingard e Martial, que se movimentavam bastante tentando vencer o forte bloqueio do time de Turim, mas não obtinham sucesso, sendo facilmente desarmados pela linha defensiva de meio da Juve.

21.png
Laterais do United abrindo o campo, enquanto Pogba, Martial e Lingard mudavam de posição a todo instante, na tentativa de vencer bloqueio da Juventus. (Fonte: Instat/ Luiz Martins)

Já no segundo tempo, Allegri fez a primeira alteração: trocou Khedira por Matuidi. Um minuto depois aos 16, Cristiano Ronaldo abriu o placar em um lindo gol após lançamento de Bonucci.

Após o gol, a Juventus demonstrou maior agressividade, tendo domínio total da partida, levando muito perigo ao gol de De Gea, que fez boas defesas, mas também contou com a falta de pontaria das finalizações do adversário.

Sentindo que a equipe precisava de sangue novo, Mourinho realizou a primeira substituição da partida, sacando Lingard, que fez uma partida muito abaixo, para a entrada de Marcus Rashford.
O time melhorou a intensidade no ataque, mas não deixou de sofrer com as investidas da Juve.

A Juve utilizava as mesmas movimentações da primeira etapa, mas agora com Pjanic tendo maior importância nas finalizações, sempre as realizando da intermediária, pecando, como dito anteriormente, no acabamento final, assim como o restante de seus companheiros.

Sem efetividade, Mourinho mexeu novamente na equipe, sacando Ander Herrera, que deu lugar a Juan Mata, opção de melhor controle de bola, sendo importante na manutenção da posse de bola para o time de Manchester.
Além desta alteração, Fellaini deu lugar a Alexi Sanchéz, que como uma referência de mobilidade foi pouco acionado e efetivo durante sua participação.

Com as mudanças, o United igualou a força física contra os defensores italianos, através de Fellaini, posicionado atrás de Rashford, que estava no centro de ataque, além de conseguir melhor organização ofensiva, tendo Mata como principal organizador de jogadas, algo natural para o meia espanhol, que se posicionava partindo da ponta direita para o centro do campo, sempre flutuando atrás dos meio campistas do time italiano.

34.png
Mata se movimentando na entrelinha, atrás dos meio-campistas italianos, com Fellaini e Rashford à frente, sempre atrapalhando os zagueiros. (Fonte: Instat/ Luiz Martins)

Assim o United foi melhorando seu jogo, buscando bastante trocas de passe pelo centro do campo, com Martial, Pogba e Mata, em trocas constantes de posição confundindo a marcação, tendo Rashford e Fellaini sempre arrastando a última linha defensiva (principalmente o jogador belga).
Desta forma Mata marcou o gol que empatava a partida, em bela cobrança de falta.

O gol revigorou o ânimo do time inglês, mas também obrigou a Juventus a buscar mais a área na tentativa de vencer a partida em seus domínios. O jogo se tornou emocionante, com as duas equipes buscando o gol a todo instante, com a Juventus insistindo em erros de finalização, até que em nova cobrança de falta realizada por Young, que cruzou para dentro da área, a bola desvia em Fellaini e Alexsandro marcou contra, contando com uma falha coletiva da defesa da Juve, dando a vitória para os Red Devils, no fim da partida.  A Juventus até tentou empatar o jogo, mas sem sucesso.

@ojunomartins

@Pedro17galante

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s