Empate a moda italiana: ANÁLISE TÁTICA INTERNAZIONALE 1×1 BARCELONA

Por Pedro Galante e Luiz Martins

Internazionale e Barcelona se enfrentaram pela quarta rodada do grupo B da Liga dos Campeões.

O jogo começou intenso. A Inter até tinha a bola, mas não conseguia sair do seu campo. Os italianos faziam a saída de bola com os laterais bem abertos e o apoio de Brozovic. O Barcelona fazia uma pressão muito boa, por vezes Arthur se juntava a Suarez a frente, e Busquets se alinhava a Rakitic formando uma linha de quatro.

Barça01Nesse caso é Busquets quem sobe para pressionar, mas o mecanismo é o mesmo. (Foto: Instat/ Pedro Galante)

Depois dos primeiros minutos o domínio da posse foi todo do Barcelona. Os pontas catalães aproveitavam a entrelinha, onde havia espaço, já que os três meio campistas da Inter defendiam em linha. Com os pontas cortando para dentro, os laterais se projetavam bastante no corredor, Rakitic, Arthur e Busquets armavam por trás.

Barça02Barcelona no ataque. Pontas na entrelinha, laterais no corredor e o trio de meio na base da jogada. (Foto: Instat/ Pedro Galante)

A Inter não saiu do primeiro tempo vazada muito em função da boa partida de sua dupla de zaga, De Vrij e Skriniar e seu goleiro Handanovic. Quando tinha a bola partia em velocidade e sempre explorava os lados para buscar cruzamentos.

Por volta dos trinta minutos, sendo fortemente pressionado pelo Barcelona, Spalletti inverteu seu meio de campo. O que antes era um tripé com Brozovic na base, virou um tripé com Vecino ao lado de Brozovic. Dessa forma, o jogo entrelinhas dos pontas adversários se tornou mais difícil.

Barça03Inter se defendendo após mudança de posicionamento. Vecino ao lado de Brozovic e menos espaço entrelinhas. (Instat/ Pedro Galante)

Na segunda etapa, as duas equipes continuaram exercendo forte marcação na saída de bola, através de muita pressão e perseguições individuais aos adversários, mas o Barcelona desde o início buscando ter maior posse de bola, se organizando com seu trio de meio-campo (Arthur, Busquets e Rakitic), tanto ofensivamente, com Busquets muitas vezes se alinhando ou a frente dos companheiros, organizando a equipe em zona mais próxima da área italiana, quanto defensivamente, fechando espaços e dificultando a chegada de bolas em Icardi e Nainggolan, obrigando a Inter na utilização de saídas rápidas pelas laterais do campo, como no primeiro tempo.

Barça05Naingollan e Icardi sofriam forte marcação na entrelinha, com os zagueiros e os volantes sempre próximos, encurtando sua zona de ação. (Foto: Instat/ Luiz Martins)

Coutinho também continuava buscando mais o centro do campo, partindo do lado esquerdo, abrindo bastante o corredor para as investidas de Jordi Alba, assim como Dembelé do lado oposto, realizava a mesma movimentação, com Sergi Roberto aparecendo no setor, mas em menor quantidade.
Suárez realizava sua habitual movimentação, abrindo espaços entre os zagueiros e aparecendo como opção de continuidade de jogadas e também se posicionando como finalizador nato que é.

Barça04Barcelona no ataque, utilizando um padrão. Pontas na entrelinha, laterais no corredor e Busquets à frente. (Foto: Instat/ Luiz Martins)

Sentindo que o seu time demonstrava dificuldades em atacar e já sentia a ameaça do aumento de volume ofensivo da equipe da Catalunha, Spalletti retirou Nainggolan do jogo, não tendo tanta necessidade de um jogador de boa técnica, mas com maior vigor físico, colocando Borja Valero, mantendo a técnica no meio, mas um jogador de maior mobilidade e velocidade.

Já Valverde, respondeu após dez minutos, colocando Arturo Vidal no lugar de Arthur, aumentando a consistência defensiva, maior chegada na área com infiltrações e um jogador de maior físico, mas sem perder tanta qualidade técnica para controlar o jogo e ser agressivo buscando a vitória.
As alterações não mudaram o panorama da partida, mesmo que o Barcelona continuasse sendo mais efetivo no ataque.

Novamente novas alterações foram realizadas, com as entradas de Candreva no lugar de Politano, pela Inter. Esta alteração foi apenas devido a desgaste, visto que a função exercida por Candreva foi idêntica ao titular.
Pelo Barcelona Dembelé cedeu lugar a Malcom. Nesta alteração o Barça recebeu um jogador mais incisivo pelos lados de campo, que possui uma jogada mais aguda, buscando maior profundidade e em uma jogada utilizando suas características, Malcom abriu o placar para o Barcelona, em contra-ataque.

Barça06Coutinho realiza passe em profundidade, encontrando Malcom, que marca o primeiro gol do jogo. (Foto: Instat/ Luiz Martins)

Atrás no placar o técnico Spaletti realizou sua última alteração no jogo, com Lautaro Martinez no lugar de Brozovic, buscando maior ofensividade ao seu time. A estratégia surtiu efeito e a Inter conseguiu o empate nos quarenta minutos finais da partida, em bola mal rebatida pela defesa, que sobrou nos pés de Mauro Icardi, que com sua técnica se livrou do marcador, marcando o gol que selava o placar da partida.

@Pedro17Galante

@ojunomartins

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s