Resumo Tático – Premier League 2018/19 (Matchweek 10)

Por Felipe Henry

POSSE DE BOLA:

  1. Liverpool – 79%
  2. Chelsea – 70%
  3. Leicester – 64%
  4. Wolverhampton – 61%
  5. Arsenal – 58%

Como não bastasse o fato do Liverpool ser um time intenso sem a bola, que ocupa bem os espaços e realiza uma pressão singular para recupera a posse de bola e acelerar bem ao estilo Klopp, os Reds agora também possuem a capacidade de controlar o ritmo da partida e sitiar o campo adversário, fazendo uma defesa frágil como a do Cardiff, apresentar falhas no posicionamento e na proteção à área. Destaque para o holandês Georginio Wijnaldum, com 108 passes certos e com 93% de aproveitamento e para Salah, em uma função mais construtiva do que de conclusão, com duas assistências.

china fcWijnaldum, ao lado de Fabinho, atuou como construtor nas principais jogadas ofensivas do Liverpool.
Importante observar o posicionamento de Salah, centralizado ao lado de Roberto Firmino.
Foto/Divulgação: Total Football Analysis.

Quanto ao Chelsea, novamente os comandados de Maurizio Sarri foram soberanos e contaram com a excelente atuação de Ross Barkley no comando do meio-campo, acertando apenas quatro passes a menos que Jorginho (90 de Ross; 94 de Jorginho), com duas assistências. Novamente atuando fora de casa e contra um time que arma um sistema defensivo mais povoado, dominou as ações e soube abrir a defesa adversária.

CdnJorginho marcado? Kanté é alternativa para a saída de bola junto com Barkley, além de atrairem a marcação e abrirem os corredores pelos lados.

CdnFoto/Reprodução: Total Football Analysis.

Com um homem a mais e dominando as ações no 2T para conseguir o empate, o Leicester chegou a alcançar a marca de 74% de posse e contou com um James Maddison em bom nível nas entrelinhas e sendo a principal referência criativa da equipe e fazendo uma boa dupla com Demarai Gray no 4-2-3-1 de Claude Puel.

Já Wolverhampton e Arsenal tiveram ápices de controle territorial em suas partidas em momentos bem distintos. Os lobos, mesmo com Ruben Neves e João Moutinho liderando a equipe com 73 passes cada (destaque para Moutinho com 90% de precisão e cinco passes para finalizações), criaram muitas chances, mas não conseguiu converter isso em gols. Já os Gunners alcançou 65% de posse em um 1T muito improdutivo na parte ofensiva, principalmente com um Özil muito menos dinâmico que nas últimas rodadas,tendo em Lucas Torreira, sua base de construção com 66 passes certos, com 91% de aproveitamento.

china fcTorreira, na base da jogada, precisou ser o articulador das jogadas ofensivas do Arsenal. Foto/Divulgação: Total Football Analysis.

FINALIZAÇÕES:

  1. Wolverhampton – 25
  2. Chelsea – 24
  3. Southampton – 22
  4. Leicester – 21
  5. Liverpool – 19

Em um zero a zero com muito poucas chances claras de gol, restou ao Southampton buscar o protagonismo e finalizar 22 vezes ao gol, mas raramente levando perigo. Apenas o zagueiro Jack Stephens concluiu no alvo mais de uma vez (duas finalizações ao gol) e os três atacantes Danny Ings, Charlie Austin e Manolo Gabbiadini sequer conseguiram isso em um time que sofre com a falta de objetividade no ataque.

Mais importante que criar é ter qualidade para converter em gols. Dentre as cinco equipes que mais finalizaram, apenas Chelsea e Liverpool venceram e marcaram mais que um gol, mostrando a grande diferença que há na capacidade de ser eficiente na fase ofensiva.

DESARMES:

  1. Huddersfield – 18
  2. Brighton – 13
  3. Watford – 11
  4. Crystal Palace – 10
  5. Leicester – 10

Com um time que privilegia um jogo mais físico no 4-4-1-1 montado por David Wagner, o Huddersfield costuma aparecer entre as equipes que mais desarmam no campeonato. Contra o Watford, apesar da derrota incontestável, não abdicou de sua estratégia de jogo e contou com bons rendimentos de Chris Löwe (5 desarmes – 100% de aproveitamento nas tentativas), Philip Billing (três desarmes – quatro tentativas) e Erik Durm (três desarmes – quatro tentativas). Aliás, Billing é o 5º jogador que mais desarmou na temporada. (32 ao todo).

Já o Watford voltou a apresentar uma proposta mais reativa, onde seus jogadores pressionam pela recuperação da posse e buscam acelerar pelos lados. Os três desarmes tentados e conseguidos por Isaac Sucess, que atuou como 9, exemplifica bem isso, sendo o líder da equipe no quesito.

The BIG Game: Tottenham 0-1 Manchester City.

Cdn

No grande jogo da rodada, Pep e Pochettino travaram um aguardado duelo que foi bastante equilibrado. Destaca-se a vantagem que Mahrez e Sterling levaram nos duelos contra Ben Davies e Trippier pelos flancos, principalmente nas situações de 1×1. No meio-campo, David Silva e Bernardo Silva também foram bem mais produtivos nas transições ofensivas, principalmente em situações de amplitude, atuando mais abertos. Na região central, Fernandinho foi um líder para garantir o domínio territorial e nos momentos sem bola, ser fundamental para a proteção da área.

No que diz respeito ao Tottenham, uma partida bem pragmática na parte ofensiva, onde Lamela e Lucas Moura não estiveram em uma boa jornada, sem muita eficiência nas tentativas com a bola, muito pelo pouco tempo de posse e melhorando um pouco na segunda etapa com a entrada de Dele Alli.

The Surprise: Fulham 0-3 Bournemouth.

futFoto/Reprodução: ESPN.

Não resta dúvida que a grande surpresa da Premier League até aqui é o Bournemouth, de Eddie Howe, apresentando um bom nível em sua proposta reativa, hora com um 4-3-2-1, hora com um 3-4-2-1 que possui alguns destaques individuais, que foram importantes nessa vitória.

Ryan Fraser, que foge de ser apenas um jogador habilidoso que joga pelos flancos. Pelo contrário, busca o jogo no meio-campo e ajuda na construção das jogadas, sendo o principal articulador e válvula de criatividade na fase ofensiva. Usa sua velocidade, visão de jogo e boa técnica para criar boas oportunidades e, contra o Fulham, deu duas assistências.

Callum Wilson, com cinco gols, é o artilheiro da equipe na Premier League. Um centroavante comum? Não. Tem força física e sabe bem usar isso para vencer duelos contra os adversários, busca se movimentar bastante no último terço, usando bem a sua velocidade.

Dois destaques de um time que vale a pena ficar de olho, principalmente pelo bom potencial de marcação para retomar a posse, tanto que vem surpreendendo nessas primeiras dez rodadas.

Confira os mapas de movimentação da dupla Fraser/Wilson. Perceba como apesar de estar mais presente no flanco esquerdo, também busca bastante o jogo no meio-campo:

china fcMapa de movimentação de Fraser.
china fcMapa de movimentação de Callum Wilson.

SELEÇÃO DA RODADA:

Técnico: Maurizio Sarri (Chelsea)

Esquema utilizado: 3-4-3

Caldas team

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s