A fim de se reencontrar – ANÁLISE TÁTICA VITÓRIA 0 x 1 SÃO PAULO

Por Pedro Galante

O São Paulo foi até Salvador, enfrentar o Vitória buscando três pontos para se manter no G4. Aguirre fez apenas uma alteração em relação ao empate contra o Atlético Paranaense: Bruno Peres no lugar de Araruna na lateral direita.

A estratégia era de se defender e buscar um ataque mais direto. Estilo de jogo muito mais adequado as características do time.

A pressão na saída de bola adversária, e o combate pela bola no meio campo estão de volta. Aqui é preciso destacar a importância de Luan, o jovem volante entrou muito bem na equipe e foi mais uma vez o melhor do time, sempre ativo defensivamente, seja combatendo, diminuindo o espaço ou dando sustentação para que outros jogadores pressionem.



china fcHudson pressiona e Luan dá sustentação. (Foto: Instat/ Pedro Galante)

Outro jogador a ser destacado é Gonzalo Carneiro. O atacante uruguaio tem sido muito prestativo na hora de pressionar a defesa, diminuir o espaço, incomodar os zagueiros. Além disso, tem participado ofensivamente, seja recepcionando bolas longas, ou atacando em profundidade depois da roubada da bola, seja por parte própria ou dos companheiros.

ataCarneiro pressionando a saída de bola. (Foto: Instat /Pedro Galante)

A jogada do gol saiu de um lançamento de Edimar. Os lançamentos são uma alternativa para o São Paulo que tem dificuldades em criar o jogo. Edimar poderia ter feito um passe rasteiro a frente para o time trabalhar a bola, mas a chance de não conseguir chegar ao ataque seria grande. Um lançamento coloca o time no último terço de ataque, bem próximo ao gol de forma rápida.

china fc

O segundo tempo foi muito similar ao primeiro. O Vitória perdendo tentava criar chances, mas não se arriscava muito, a ponto de deixar o São Paulo com espaços para contra-atacar.

E o São Paulo se defendia em duas linhas de quatro, negava espaços e tentava ser direto com a posse da bola, mesmo assim, pouco agrediu o goleiro adversário.

Mas aos 19 minutos da segunda etapa, o ponta direito tricolor Joao Rojas se machucou. A lesão é uma verdadeira tragédia para a continuidade do trabalho de Diego Aguirre. O jogo de transição e ataque direto do uruguaio requer muito dos pontas, tanto defensiva quanto ofensivamente. A lesão do ponta esquerda Everton causou uma queda drástica no desempenho do time. Perder o ponta direita na reta final é péssimo.

Aguirre tem duas opções ao meu ver: buscar na base a reposição para seus pontas ou improvisar seus laterais,

O uruguaio tem bons jovens valores que sem dúvida possuem qualidade para jogar. A questão é que lançar esses garotos em um momento tão decisivo pode ser nocivo ao desenvolvimento desses atletas.

Quanto a improvisar os laterais é uma alternativa que diminui a qualidade do time no setor de ataque, mas dá mais poder de marcação. É a alternativa mais segura.

Aguirre também tem que decidir quem defenderá a meta na próxima partida, Jean foi expulso em um lance polêmico após o fim da partida. A dúvida é entre o contestado Sidão e o jovem Lucas Perri.

A próxima partida será contra o Flamengo. Mais uma vez o time deve repetir sua postura mais reativa. Uma vitória é essencial para se consolidar no G4.

@Pedro17Galante

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s