Sem se expor, o Vitória garantiu o empate e o título da Copa ES – ANÁLISE TÁTICA ATLÉTICO ITAPEMIRIM 0 x 0 VITÓRIA

Por Juliano Rangel

Com a ótima vantagem de 3 a 0 conquistada no primeiro jogo da final, o Vitória foi até o Estádio Sumaré para conquistar seu terceiro título da Copa Espírito Santo. Com uma atuação consciente e muito segura, o Alvianil não levou sustos para no final gritar “É campeão!”.

Sem outra alternativa, a não ser ganhar por três ou mais gols, Cleiton Marcelino manteve o seu tradicional 4-2-3-1, mas com algumas mudanças em comparação ao primeiro jogo. No meio-campo, Pirão e Adriano deram lugar para Ranieri e Thomas, na extrema esquerda Adrianinho foi o escalado e Warlei foi deslocado para o comando de ataque.

Já o Vitória de Wesley Martinelli manteve a equipe do primeiro jogo. E mesmo jogando com o placar agregado a seu favor, o Alvianil começou pressionando o Atlético, com uma marcação por encaixes na saída de bola. Sem a bola, a equipe se compactava, com seus pontas retornando para o meio e, assim, formando um 4-4-2, que até chegava a variar para um 4-5-1.

22

22

Com dificuldades em criar pelo meio de campo, a alternativa encontrada pelo Atlético eram as descidas pelos lados, principalmente pela direita com o lateral Felipe Foca, que apoiava as investidas de Kaio. O lateral-direito também utilizava das cobranças de laterais mais longas em direção a área do Vitória.

22

O Vitória contra-atacava nas descidas rápidas, com destaque para as investidas de Chiquinho na direita e para as infiltrações pelo meio e nas ultrapassagens dos laterais.

22

Na segunda etapa, o Atlético voltou num 4-2-4, com Eraldo entrando no lugar de Thomas para atuar mais centralizado, ao lado de Warlei. Adrianinho foi um pouco mais recuado para jogar ao lado de Ranieri.

22

A equipe conseguia ter mais presença no ataque, com os laterais, de forma simultânea, gerando amplitude e avançando para o ataque, mas esbarrava na linha defensiva do Vitória ou no goleiro Harrison.

Enquanto isso, pelo lado do Vitória, os meias tinham mais liberdades para acelerar nas transições ofensivos, já que o Atlético deixava espaços no meio e pelos lados. O volante Thiago e o extremo Chiquinho conseguiam mais campo para avançar com a bola.

22

A cartada final de Cleiton Marcelino foi dar mais velocidade pelo lado direito do ataque com Paulinho entrando como extremo direito. Já do outro lado, Wesley Martinelli fechou mais a equipe com a entrada do volante Reinaldo, mas manteve aceleração do time nas transições com as entradas de Lucas Balbino e Henrique. Foi o ponto final para o Alvianil garantir o empate e levantar a taça da Copa Espírito Santo 2018.

@esquadra_tatica

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s