Como o 4-1-4-1 calou o Monumental de Nuñez – ANÁLISE TÁTICA DE RIVER PLATE 0 x 1 GRÊMIO

Por Maurício Wiklicky

Primeiro jogo da maior semifinal da Libertadores da América da história. Seis títulos. Os dois melhores times da America dos últimos 5 anos. River Plate de 32 jogos invictos (ok, perderam no final de semana anterior com os reservas), e 11 meses sem perder no histórico Monumental de Nuñez. Grêmio, o campeão da América. Atributos para um jogaço!

Antes do jogo o técnico Gallardo disse que o River seria avassalador. Pode soar um pouco arogante, mas para quem conhece como joga o River Plate sabe que eles vão para cima e atacam com vários jogadores. Não é um time que trabalha muito a bola, busca sempre chegar ao ataque com velocidade e muitos jogadores. Na escalação ficou claro, colocando o jovem Palacios e o colombiano Quintero, e deixando na reserva Nacho Gonzalez, jogador mais defensivo.

Já pelo lado tricolor Renato sabia que não poderia contar com Everton, o principal jogador da temporada, que seria peça essencial para buscar contra ataque e jogar em cima dos lentos zagueiros Pinola e Maidana. Outro jogador que era dúvida, e acabou nem fincando na reserva, foi Luan, o atual Rei da América. Sem os dois melhores jogadores ofensivos, como encarar o River? Renato surpreende mais uma vez escalando Michel, parada há 5 meses, e muda o esquema para o 4 1 4 1, e consegue calar o Monumental de Nuñez.

O esquema tático 4 1 4 1 tem como por base impedir que o jogador com a bola não construa a jogada, não consiga efetuar passes ofensivos, e o jogador que está na frente da área, no caso Michel, tente chegar nesse jogador com a posse de bola através de marcação individual.

posicionamento medio

Posicionamento medio do Grêmio contra o River. O 4 1 4 1, mais um esquema do adaptável Grêmio de Renato.

Michel na frente da defesa

Ele foi considerado o melhor em campo. Não só pelo gol, mas pela atuação que teve defensivamente. Uma atuação simplesmente perfeita! Michel foi o protetor da defesa, pois como falado, o River ataca com vários jogadores (dois atacantes, três meias e um ou dois laterais). São seis ou sete jogadores chegando no ataque, sendo os dois atacantes, Borré e Scocco, dentro da área na maioria das vezes, e a organização por conta de Pity Matinez (habilidoso que tem velocidade como o foco), Quintero (que arrisca muito e faz muitos passes de ruptura para achar os companheiros dentro da área), e Palácios, que tem o chute de fora da área uma de suas qualidades.

dados completos michel

Acima, os número de Michel no jogo.

Vamos dividir a marcação do Grêmio em dois momentos. O primeiro é uma marcação na intermediária, a chamada marcação em bloco médio. Isso acontecia quando River começa a organizar a jogada. Michel ficava na linha de defesa, e na frente dele uma linha de quatro jogadores, com Ramiro na direita, Maicon e Cicero centralizados e Alisson na esquerda. O objetivo aqui e de cortar a linha de passe e velocidade do River, onde o posicionamento de Michel faz com que o jogador que jogue nas entrelinhas fique marcado ou então o passe fique com um jogador entre o passador e o atacante.

No segundo momento a marcação era na linha da grande área, a chamada marcação em bloco baixo. Nesse caso Michel entrava na área entre Geromel e Kannemann, ocupando o espaço, e não permitindo a infiltração ou marcando quem entrava na área.

Abaixo o gráfico de disputas de Michel no jogo, e em vídeo observem seu posicionamento.

açoes michel

As duplas Leo Gomes/Ramiro e Cortez/Alisson

Existe uma expressão pejorativa usada por muitos comentaristas, que é a de atacantes, ou meias abertos, são chamados de assistente de lateral. Obviamente que a função principal não é essa, mas muitas vezes em determinados jogos, ou momentos de jogos isso é importantíssimo. E foi isso que aconteceu com Ramiro pela direita e Alisson na esquerda, antes de mais nada eles eram assistentes dos laterais, Leo Gomes e Cortez respectivamente.

As ações de Alisson na imagem a esquera e de Ramiro a direita.

Como falado acima havia dois momentos de marcação. No primeiro, mais longe da área, Ramiro e Alisson ficavam abertos para quebrar primeira linha de passe entre laterais e meias do River. Caso o River conseguisse avançar, Leo Gomes e Cortez entravam dentro da grande área, no mesmo sentido de Michel, para ocupar o espaço e não deixar os jogadores do River desmarcados, a principal característica do time argentino. Com isso Ramiro e Alisson ocupavam a faixa dos laterais, sendo bem defensivos. Obviamente que ambos também atacavam, muito mais Alisson, por característica pessoal. Então agora vocês já sabem, quando alguém falar que tal jogador era assistente de lateral observe se isso não foi importantíssimo no jogo.

Abaixo separei lances de Ramiro e Cortez. Assim vocês podem observar as funções e movimentações do meia e do lateral.

Mais uma atuação segura de Cortez, de 15 confrontos venceu 12!

Ramiro sendo um excelente assistente de lateral, ajudando o inexperiente Leo Gomes na marcação.

Um Grêmio diferente

Não somente pelo esquema tático, o Grêmio foi um time muito diferente do seu padrão. Ao invés de dominar o jogo, ter a posse de bola e comandar as ações da partida, o time de Renato atuou com muita precaução. Os números mostram isso:

• menor posse de bola na era Renato (33%)

• o menor número de passes (247)

• jogo com mais passes errados (47%)

E o que isso significa?

Que o Grêmio se adapta conforme o adversario, mudando sua estratégia e que os números serão sempre complemento de uma análise.

Gráfico de intensidade ao longo do jogo. Posse do River, controle do Grêmio.

Defensivamente tudo explicado, mas como atacaríamos? Aqui não vou me deter muito tempo, pois a estrategia foi clara. Grêmio sem Luan e Everton.

O que faz Renato?

Faz com que Cícero chute de fora da área.
Cruzamentos de bola parada (uma das dificuldades do River que comentei aqui).

Como sai o gol?
Chute do Cícero e escanteio.
Cobrança e gol de cabeça de Michel.

E dizem que Renato não estuda…

Bela vantagem do Grêmio, mas nada decidido. O River tem um excelente time, e serão mais 90 minutos de um grande jogo, com muita tensão, na Arena!

@mwgremio

Anúncios

Um comentário sobre “Como o 4-1-4-1 calou o Monumental de Nuñez – ANÁLISE TÁTICA DE RIVER PLATE 0 x 1 GRÊMIO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s