Um choque de grandes investimentos – ANÁLISE PRÉ-JOGO EVERTON X WEST HAM

Por Felipe Holanda

Everton e West Ham, dois dos clubes que mais investiram na janela de transferências na Inglaterra, se enfrentam neste domingo (16), no Goodison Park, pela quinta rodada da Premier League. Pela injeção financeira e de qualidade técnica que aconteceram em ambos os elencos, os dois ainda têm muito a mostrar dentro de campo se o desejo for “beliscar” uma vaga nas competições europeias.

A vida dos anfitriões é mais tranquila, é verdade. Com seis pontos na tabela, os Toffes de Marco Silva entram com o favoritismo no confronto e vão a campo no 4-2-3-1. Do outro lado, com quatro derrotas em quatro jogos, os Hammers de Manuel Pellegrini vêm no mesmo sistema tático, mas devem se sentir um pouco mais acuados por jogarem fora de casa e pela pressão da lanterna.

ibraAs prováveis escalações de Everton e West Ham

O Everton tem vida mais tranquila, em partes. Isso porque, o brasileiro Richarlison, principal jogador do time neste início de temporada, está suspenso. Do outro lado, o West Ham também não comemora, afinal, o meio-campista Jack Wilshere, um dos principais reforços, está vetado por dores no tornozelo. Outro que não deve ser relacionado é Javier Hernández, que está gripado.

Sem Wilshere, Mark Noble retorna ao time para reassumir a faixa de capitão. O veterano deve atuar ao lado de Sánchez na dupla de primeiros meio-campistas, enquanto Felipe Anderson faz a função central na criação de jogadas, com Antonio e Snodgrass atuando “espetados” pela esquerda e direita, respetivamente. Neste sistema, o West Ham tem a opção de atacar no 4-4-2.

ibraO 4-4-2, porém, acaba se transformando quando o West Ham não tem a posse de bola. No caso de pressão do adversário, os Hammers se defendem no 4-3-2-1, com muita densidade na transição defensiva.

ibra

Se defendendo, os Hammers tendem a temporizar na organização defensiva, uma das características dos times treinados por Pellegrini. O que, por enquanto, não vem dando muito certo, principalmente quando a marcação é pega de surpresa. O score é realmente dos mais preocupantes. Com dez gols sofridos em quatro jogos, o West Ham tem a segunda pior defesa do certame, só à frente do Huddesfield.

Como dito no início da matéria, Everton e West Ham são duas das equipes que mais abriram os cofres para a temporada. Os Toffes gastaram cerca de 99 milhões de Euros, trazendo nomes como os dos brasileiros Richarlison e Bernard, além do colombiano Yerri Mina. Já os Hammers desembolsaram mais de 103 milhões de Euros, contratando atletas como Felipe Anderson, ex-Lazio, e Fabián Balbuena, ex-Corinthians.

@holandareporter

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s