Resumo tático – 24ª RODADA

Por Felipe Henry

Esquema mais utilizado: (4-2-3-1 – 13x)

Sport, Cruzeiro, São Paulo, Flamengo, América-MG, Ceará, Grêmio, Palmeiras, Corinthians, Santos, Vasco da Gama, Atlético-MG e Atlético-PR.

(4-3-3 – 3x) Botafogo, Internacional e Vitória.

(4-1-4-1 – 2x) Chapecoense e Paraná Clube.

(4-3-2-1 – 2x) Bahia e Fluminense.

Novamente, vemos uma grande preferência das equipes da Série A optando por atuar no 4-2-3-1, sendo em quatro dos dez jogos, o esquema utilizado pelas duas equipes. Além disso, apenas São Paulo, Flamengo, Palmeiras, Santos e Atlético-MG venceram na rodada, onde o Alvinegro Praiano foi o único jogando como visitante.

Nos outros esquemas, apenas Internacional e Fluminense venceram na rodada.

Em uma rodada de poucos gols, fica a pergunta: Quem mais ficou com a bola?

  1. Santos (63%)
  2. Flamengo (61%)
  3. Botafogo (59%)
  4. América-MG (58%)
  5. Grêmio (58%)

Quando teve 73% de posse no 1T, o Santos pouco produziu e sequer concluiu a gol, só conseguindo chegar aos gols com os contra-ataques da segunda-etapa; Já o Flamengo, dominou a partida por completo e também chegou a casa dos 70% de posse no 1T, conseguindo acertar apenas dois dos 29 cruzamentos tentados.

Confira no vídeo abaixo, uma análise sobre a vitória rubro-negra no último sábado:

Botafogo e Grêmio saíram derrotados mesmo ultrapassando a casa dos 60% no 2T, mas as más atuações de Kieza (Bota) e Luan (Grêmio) foram prejudiciais para transformar todo esse domínio em gol.

O América, por sua vez, teve a bola e pouco soube o que fazer com ela. Luan esteve em uma jornada muito infeliz e ainda cedeu espaços para contra-ataques, muito pela baixa intensidade mesmo atuando em casa.

FINALIZAÇÕES:

  1. Paraná Clube – 18
  2. Atlético-PR – 16
  3. Flamengo – 15
  4. Fluminense – 14
  5. Vasco – 13

Finalizar 18 vezes a gol e acertar o alvo apenas quatro vezes, representa muito bem o que foi a 24ª Rodada do Campeonato: Pouca eficiência ofensiva das equipes por sofrer com as atuações fracas de seus principais jogadores, como foi o caso de Caio Henrique e Carlos pelo Tricolor Paranista; Já o CAP, mandou uma bola na trave e obrigou o goleiro Victor a fazer defesas importantíssimas, mas mesmo com a boa atuação de Raphael Veiga, enfrentou dificuldades na definição das jogadas, com seis finalizações para fora.

No trio carioca, há curiosidades: No Tricolor das Laranjeiras, o zagueiro Digão foi quem conseguiu finalizar mais de uma vez (duas), desconsiderando finalizações bloqueadas; Já o Gigante da Colina só conseguiu concluir a gol no 2T; O Mengão, por sua vez, viu o seu centroavante Fernando Uribe terminar seu jogo sem nenhuma finalização ao gol, onde Everton Ribeiro (quatro) e Diego Ribas (cinco) foram quem mais finalizaram entre os três cariocas.

CRUZAMENTOS:

  1. São Paulo – 34
  2. Sport – 32
  3. Flamengo – 29
  4. Vasco – 28
  5. Ceará e Paraná – 24

Cruzamentos. Algo que os times brasileiros não tem feito com muita eficiência já há algum tempo. O vice-líder do Campeonato sofre para propor e todos sabem disso, mesmo com Nenê sendo o seu principal organizador. O camisa 10 foi quem mais cruzou (17) e também foi quem mais acertou (Três), chegando ao gol em uma das tentativas, quando encontrou Diego Souza.

Confira na imagem abaixo de Ícaro Caldas, como o Bahia dificultou a transição ofensiva do São Paulo no Morumbi:

ibraFoto/Divulgação: @King_Frames.

Pelo lado do Sport, foram 32 tentativas com apenas oito acertos, onde concentrou suas principais descidas ao ataque pelos lados para explorar a velocidade de Rogério e principalmente a liderança técnica de Marlone, que foi quem mais tentou cruzamentos com 15 bolas na área, acertando apenas cinco delas.

O Vasco foi quem mais acertou cruzamentos na rodada – onze; Destaque para a boa atuação do lateral-direito Lenon, que acertou cinco de dez tentativas, inclusive um belo lançamento para a cabeçada de Yago Pikachu que acertou o travessão, na melhor chance criada na partida pelo time cruzmaltino.

DESARMES:

  1. Internacional – 19
  2. Bahia – 18
  3. Grêmio – 17
  4. Santos – 17
  5. Cruzeiro – 15

Na rodada em que as defesas e os times reativos se sobressaíram, o Inter contou com as boas atuações de Zeca e Rodrigo Moledo, com três desarmes cada, para seguir tendo uma defesa sólida e difícil de ser enfrentada, principalmente as três interceptações do zagueiro colorado. Aliás, a presença do Grêmio no “Top-Five de desarmes” só mostra o quão disputado e duro foi o GreNal do último Domingo, onde o volante Thaciano foi o destaque conseguindo cinco desarmes em cinco tentados.

Já o Bahia complicou as ações para o ataque são paulino e contou com a boa atuação do lateral-direito Nino Paraíba que conseguiu os quatro desarmes que tentou, além de quatro cortes. Aliás, em média, foi o time mais eficiente no quesito (82%).

TIME DA RODADA:

Regras para a seleção de destaques da rodada:

  1. O esquema será sempre funcional. Ou seja, priorizará o jogo ofensivo e isso pode acarretar em deixar um ou outro jogador de fora, já que tentarei escolher pelo menos um jogador de cada partida.
  2. A posição natural do jogador será respeitada aqui. A não ser que ele venha desempenhar outra função na partida e seja um desequilíbrio fundamental para a vitória de sua equipe. Caso contário, será priorizado como ele atua normalmente na liga.
  3. Critérios utilizados para a escolha – Goleiros: Defesas difíceis, Clean Sheet e uma atuação que garanta a vitória; Laterais: Desarmes, aproveitamento em passes e cruzamentos e eventuais participações em gols; Zagueiros: Desarmes, duelos e interceptações, menos faltas cometidas e melhor aproveitamento nos passes; Volantes – Os mesmos critérios para a escolha dos zagueiros, com o acréscimo da participação na transição ofensiva nas jogadas que terminem em gols; Meias-Centrais: Aproveitamento nos passes, duelos vencidos e finalizações; Pontas/Wingers – Dribles, cruzamentos, duelos vencidos (1 x 1), finalizações certas e aproveitamento nos passes; Centroavantes: Finalizações certas, gols e aproveitamento nos passes;
  4. Em caso de jogos adiados, os jogadores das equipes não serão incluídos na seleção de destaques.
  5. Na escolha do técnico, será avaliado o desempenho de sua equipe na rodada dentro de uma proposta de jogo funcional. Em caso de uma rodada onde os times que optam por um jogo reativo e mais defensivo saiam vencedores, o processo de escolha será de preferência aos treinadores dessas equipes.

Esquema escolhido: 5-4-1,com variações para o 3-5-2.

Magrão (GOL – Sport Recife)

33 pênaltis defendidos. QUE HOMEM! O veterano goleiro é um ídolo do Sport Recife e não é para menos, já que defendeu a cobrança de Raniel aos 41’ do 2T e fez defesas importantíssimas para garantir um suado e importante ponto conquistado pelo rubro-negro pernambucano na Ilha.

Marcos Rocha (LD – Palmeiras)

O lateral palmeirense foi decisivo com sua assistência para o gol de Deyverson e foi um dos melhores em campos no Derby realizado no Allianz Parque, principalmente por seu desempenho no aproveitamento em passes longos (cinco de nove tentados) e nos duelos disputados (vencendo quatro de sete), além de conseguir três interceptações.

Confira na imagem de Breno Barbosa, como Marcos Rocha teve espaço para fazer a assistência para o gol de Deyverson:

palmeirasFoto/Divulgação: Canal Premiere.

Leonardo Silva (ZAG – Atlético-MG)

31 gols pela Série A do Campeonato Brasileiro; 24 marcados no sistema de pontos corridos pelo Atlético. Em seu jogo de número 346 com a camisa do Galo, Léo Silva foi novamente decisivo com seu gol de empate diante do Furacão na Arena Independência, além de conseguir cinco cortes e duas interceptações.

Messias (ZAG – América-MG)

Um dos jogadores mais “underdogs” do Campeonato é o bom zagueiro Messias, que vem fazendo um bom campeonato pelo Coelho e novamente foi importante para liderar o sistema defensivo e segurar o zero no placar, com sete cortes e nove duelos vencidos,de 11 disputados; Além disso, obteve uma interceptação e um desarme.

Digão (ZAG – Fluminense)

O melhor em campo no clássico “Vovô” disputado no Aterro do Maracanã, Digão atingiu um bom número de bolas cortadas (16) e venceu sete dos 11 duelos disputados, liderando o sistema defensivo tricolor, além de bloquear quatro chutes e conseguir duas interceptações, sem esquecer do gol da vitória, o segundo em seu retorno ao Flu.

Renê (LE – Flamengo)

Em um jogo de poucas boas notícias para o Flamengo na parte ofensiva, Renê foi um dos principais destaques ao marcar um belo gol para abrir o placar no Aterro do Maracanã, além de vencer nove dos treze duelos que disputou e conseguir quatro interceptações, além de ser uma boa alternativa pelo lado esquerdo, considerando a fraca atuação de Vitinho.

Richard (VOL – Fluminense)

Mais do que um volante, Richard é um meio-campista defensivo de boa movimentação pelo setor, avançando ao ataque pelo lado direito e iniciando a transição ofensiva Tricolor, sendo importante em uma partida sem Sornoza. Richard criou uma boa chance no campo de ataque, foi bem em dribles (conseguiu três em 3 tentativas) e bolas longas (duas de três tentativas),além de conseguir cinco cortes e cinco interceptações e vencer 13 dos 21 (!) duelos disputados na partida, liderando o meio-campo de um Fluminense que tanto carece de qualidade técnica.

Léo Gomes (MC – Vitória)

Uma surpresa no time da rodada é o jovem meia-central do Vitória, Léo Gomes. Com apenas 21 anos, foi uma boa notícia no time de Carpeggiani e importante com sua movimentação para controlar o meio-campo no triunfo contra o Vasco, com duas assistências para finalizações (como no lindo passe para o gol de Erick, cinco passes longos concretizados de sete tentados e quatro cortes, além de uma finalização. Um dos melhores em campo na quarta vitória seguida do Leão baiano.

Confira no vídeo abaixo do Análises Futebolísticas, uma análise sobre o belo gol do Vitória sobre o Vasco no Barradão:

Edenilson (MC – Internacional)

Autor do gol da fundamental vitória colorada, Edenilson se destacou ao conseguir aproveitar dois dos três cruzamentos que tentou na partida, duas finalizações e dois dribles, ocupando bem os espaços principalmente no lado direito do meio-campo colorado, com uma atuação no jogo sem bola.

Nenê (MEI – São Paulo)

O maestro do Morumbi foi novamente decisivo. Mesmo longe de fazer uma grande partida, foi o responsável por dar a assistência para o gol da vitória marcado por Diego Souza, além de conseguir dois desarmes, dois dribles, quatro passes para finalizações e vencer sete dos treze duelos disputados. Uma boa atuação, além de se movimentar bem pelo último terço, aparecendo nos dois flancos.

Gabriel Barbosa (ATA – Santos)

Gabigol foi, sem dúvida, um dos grandes destaques da rodada. Na Vila Capanema, anotou um doblete nas duas finalizações que fez na partida e teve uma boa média de passes (95%), concluindo 22 deles, além da importância que ganhou no esquema de Cuca.

Técnico: Luiz Felipe Scolari (Palmeiras)

Em uma rodada de clássicos decisivos, o Verdão foi muito superior ao Corinthians no Allianz Parque e foi novamente eficiente em uma proposta diferente do que vem sendo utilizado nessa atual passagem de Tio Phil Scolari em uma rara partida que ultrapassou os 60% de posse, tendo um jogo fluído principalmente pelos flancos e com um esquema de jogo bem organizado.

@Lipe_Henry

#AprendemosJuntos!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s