Em duelos de tricolores, melhor para o paulista – ANÁLISE TÁTICA SÃO PAULO 1 x 0 BAHIA

Por Pedro Galante e Michel Corbacho

O São Paulo recebeu o Bahia, apostando na força de sua torcida para conquistar os três pontos. Sem Everton, machucado, a principal novidade no onze inicial de Diego Aguirre foi o meia Everton Felipe.

O primeiro tempo do tricolor paulista foi bem fraco. O time até tinha posse de bola, mas não conseguia avançar no campo do adversário. Faltava desequilíbrio pelos lados, os dois pontas fizeram quarenta e cinco minutos ruins. Rojas, que jogava pela esquerda foi pouco acionado e Everton Felipe não conseguia dar continuidade as jogadas, seja com o passe ou com o drible.

Nenê repetiu as movimentações da última partida, não ficou preso entre as linhas baianas. Mas Jucilei e Hudson não conseguiam criar com muita qualidade. Sem o desequilíbrio dos pontas, e sem um volante com passe vertical, Nenê quase não foi acionado e o ataque são-paulino ficou muito previsível.

O Bahia se defendia bem, povoava o meio campo e disputava pela bola. Enderson Moreira colocou três volantes em campo, mas na prática defendia com duas linhas de quatro. Flávio atuou pela ponta direita e por não ter a velocidade como característica, entregou muito pouco nos contra-ataques.

ibra(Foto: Ícaro Caldas)

Se os contra-ataques pelo lado direito não funcionavam, pelo esquerdo era diferente. Zé Rafael e Léo incomodaram o São Paulo por ali, principalmente pela dificuldade defensiva de Everton Felipe. As duas equipes voltaram sem mudanças para o segundo tempo, e tudo indicava que o jogo continuaria com a mesma tônica da primeira etapa. Até que aos 13 minutos, Aguirre promoveu duas substituições: Liziero no lugar de Régis e Trellez no lugar de Everton Felipe.

A mudança foi providencial. Hudson foi deslocado para a lateral direita e agora o São Paulo atacava com muita força em uma espécie de 4-2-4, com Rojas voltando para o lado direito, Diego Souza e Trellez na área – o primeiro mais móvel – e Nenê pela esquerda. Dois minutos após a alteração, o São Paulo chegou ao gol com cruzamento de Nenê para Diego Souza.

ibraPosicionamento do São Paulo no ataque. Hudson na lateral e Diego Souza saindo da área. (Foto: Instat/ Pedro Galante)

No lance do gol, a defesa baiana falhou na marcação, sobretudo o zagueiro Lucas Fonseca, que prestando atenção somente na bola, deixou Diego Souza entrar livre para marcar. Erro de fundamento!

ibra(Foto: Ícaro Caldas)

A frente do placar, o São Paulo adotou uma postura mais defensiva. Trellez foi deslocado para o lado esquerdo, fechando a linha de meio e deixando Nenê com menos preocupações defensivas pelo meio. O Bahia tentava criar – Enderson Moreira colocou Élber e Edigar Junio – mas esbarrava nas duas linhas de quatro dos comandados de Aguirre, que pressionavam bastante o portador da bola. Para piorar, o artilheiro do Bahia na temporada, Gilberto saiu de campo, e a equipe quase não agrediu o adversário. O São Paulo ainda criou boas chances com Nenê lançando de trás, mas não chegou a um segundo gol.

ibraSão Paulo postado defensivamente. Trellez fechando o lado esquerdo e Nenê por dentro. (Foto: Instat/ Pedro Galante)

O Bahia perdeu fora de casa e não conseguiu subir na tabela. Já o São Paulo conquistou três pontos importantes para se manter na briga pela taça.

@Pedro17Galante e @michelcorbacho

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s