Um flerte perigoso – ANÁLISE TÁTICA WEST HAM 0 x 1 WOLVES

Por Felipe Holanda

vit

Com apenas quatro jogos disputados, o West Ham de Manuel Pellegrini já começa flertar com o rebaixamento na Premier League. A derrota para o Wolverhampton Wanderes, neste sábado (1), no Estádio Olímpico de Londres, foi a quarta na competição. Afundados na lanterna, os Hammers seguem sem nenhum ponto conquistado.

Dentro de campo, os donos da casa até tiveram boas chances para conquistar o resultado positivo, chegaram a dominar as ações do jogo, mas sofreram um gol no último minuto, graças à uma falha grotesca de Carlos Sánchez. Adama Traoré aproveitou o vacilo e assinalou para os Wolves.

Como vem fazendo desde que chegou ao West Ham, Pellegrini escalou o time no 4-2-3-1, mas viu muitas dificuldades, principalmente na primeira etapa, para furar o bloqueio do 3-4-3 dos Wolves. Nuno Espírito Santo, por sua vez, provou que é um dos mais promissores técnicos do futebol mundial, com uma equipe bastante organizada em todos os setores.

vitAs escalações iniciais de West Ham e Wolverhampton

Com muitas investidas pelas laterais de ambos os lados, o jogo começou muito truncado e concentrado no meio de campo. A alternativa inicial adotada por Pellegrini foi espaçar o centro, para dar liberdade às subidas de Fredericks, pela direita, e Creswell, pela esquerda.

vitWest Ham apostando na amplitude de seus laterais

O problema para os Irons é que, do outro lado, o os Wanderes respondiam na mesma moeda, sempre buscando as extremidades do campo. Bem treinado por Nuno, o Wolverhampton conseguiu se segurar na defesa e, de quebra, levar perigos nos contra-ataques velozes, ainda que faltasse capricho nas finalizações à meta de Fabianski.

Foi aí que o West Ham adiantou a marcação, com Carlos Sánchez sendo recuado para fazer a função de terceiro homem de defesa. O objetivo era sufocar a equipe adversária e empurra-la contra o próprio gol. Porém, não adiantou. O primeiro tempo passou praticamente nulo para os Hammers em quesitos ofensivos, exceto por uma cabeçada de Balbuena, que saiu acima do travessão de Rui Patrício.

vitWest Ham com todos os jogadores de linha no campo de ataque

Na segunda metade do jogo, com a entrada de Yarmolenko, o West Ham passou a ser mais ofensivo, buscando pelo gol que abriria o placar. O ucraniano conseguiu levar perigo aberto pelo lado esquerdo, mas a primeira boa chance veio com o segundo substituto: Pedro Obiang. O camisa 15, que assumiu o posto de Wilshere, arrematou de longe e por muito pouco errou o alvo, já aos 31.

Sete minutos mais tarde, foi a vez de Javier Hernandéz (outro que saiu do banco de reservas, substituindo Antonio), dar mais amplitude ao ataque dos Hammers. No lance, Chicharito lançou Arnautovic, que fez belíssima jogada, e só não deixou sua marca porque o goleiro Rui Patrício fez uma ótima defesa, com 37.

vit

Mas o que parecia uma atuação convincente e um empate com sabor de derrota terminou em tragédia. Com requintes de crueldade, os Wolves marcaram o gol da vitória no último minuto, após Sánchez perder a bola e deixar a defesa totalmente desguarnecida. Não deu tempo para mais nada.

vitNo lance, Sánchez tinha algumas opções de passe, mas foi desarmado

Como se não bastasse a má fase, os três próximos jogos serão duríssimos para o West Ham. Enfrenta, na sequência, Everton fora, além de Chelsea e Manchester United como mandante.

@WHTaticas e @holandareporter

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s