RESUMO TÁTICO – 21ª Rodada

Por Felipe Henry

SANTOS 2 x 0 BAHIA

Armado no 4-3-3 por Cuca e com o jovem Rodrygo atuando como meia-central atrás do ofensivo, o Santos contou com a boa atuação de Derlis González pelo flanco direito do ataque para criar suas principais chances após um 1T improdutivo, onde teve mais posse (56%) e não conseguiu criar boas chances (Duas finalizações, apenas uma na área adversária), melhorando no 2T após a postura reativa adotada pela equipe alvinegra que explorou bem os contra-ataques; Já o Bahia de Enderson Moreira foi a campo com um 4-2-3-1 pecou nas finalizações (Sete chutes a gol, três dentro da área, nenhum no alvo) mesmo conseguindo ocupar o campo do adversário (61% de posse no 2T) e já que Zé Rafael era uma rara ilha de criatividade, não houve objetividade no setor ofensivo do Tricolor Baiano.

ATLÉTICO-PR 2 x 1 GRÊMIOmwFoto/Divulgação: Clube Atlético Paranaense.

Armado no 4-2-3-1 por Tiago Nunes, o Furacão apresentou um jogo de posse (Ao menos no 1T com 61%) para transitar em velocidade até o campo ofensivo, principalmente pela movimentação de Marcinho e Pablo, explorando os espaços no sistema defensivo gremista principalmente pelo lado direito com a boa atuação de Jonathan e melhorando no 2T após a entrada de Bruno Nazário; Já o Grêmio foi montado também em um 4-2-3-1 por Renato Portaluppi e apresentou uma estranha dificuldade para criar no setor ofensivo com uma atuação abaixo do esperado do trio Pepê-Douglas-Marinho e principalmente para acertar a pontaria (Sete finalizações, duas no alvo – nenhuma no 2T), sem contar os espaços cedidos no sistema defensivo pelo lado esquerdo, mesmo com a boa atuação de Bressan.

CORINTHIANS 1 x 0 PARANÁ CLUBE
Armado no 4-2-3-1 por Osmar Loss, o Corinthians contou com a excelente atuação de Jádson para dar qualidade a uma superioridade na posse de bola no ataque (60% – 66% no 1T), principalmente pelas fracas atuações de Pedrinho, Clayson e Roger, prejudicando uma transição ofensiva que resultou em metade das finalizações para fora (16 ao todo, oito finalizações fora do alvo), algo que melhorou após a entrada de Matheus Vital, sem esquecer a bela atuação do zagueiro Henrique (três interceptações, um desarme e cinco duelos vencidos); Já o Paraná de Claudinei Oliveira também foi montado no 4-2-3-1 e foi mal na aposta do jogo direto e passes longos, com um baixíssimo aproveitamento que foi potencializado pelas fracas atuações de Raphael Alemão e Silvinho pelos lados, onde o goleiro Richard e o lateral-esquerdo Igor Carius (quatro desarmes, sete duelos vencidos dentre 13 disputados e quatro interceptações) evitaram uma derrota maior.

 

palNúmeros de Jádson na vitória do Corinthians sobre o Paraná na Arena Corinthians.

BOTAFOGO 2 x 0 SPORT RECIFE
Armado no 4-2-3-1 por Zé Ricardo, o Fogão foi superior durante os 90 minutos mesmo não tendo a superioridade na posse de bola (43%), mas conseguindo neutralizar as ações do adversário muito em função da boa atuação de seus zagueiros (Igor Rabello e Joel Carli) que conseguiram proteger a área contra finalizações, sem esquecer de Léo Valencia, que se movimentou bem para criar as principais jogadas ofensivas, que teve 17 finalizações ao longo da partida, sendo 12 delas dentro da área e sete no alvo; Já o Sport de Eduardo Baptista foi a campo montado no 4-2-3-1 novamente voltou a apresentar falhas no setor ofensivo principalmente na criação das jogadas, com uma transição ofensiva que apresentou problemas devido as fracas atuações de Marlone, Rogério e Morato (Oito finalizações, uma no alvo, duas dentro da área) e mesmo estando com a bola na maior parte do tempo, ainda sofreu com uma defesa desorganizada, principalmente no lado esquerdo.

CRUZEIRO 2 x 1 FLUMINENSE

Armado taticamente no 4-2-3-1 por Mano Menezes, a Raposa contou com mais uma boa atuação de De Arrascaeta para construir suas jogadas ofensivas desde o lado esquerdo, eficiente tanto no ataque (Quatro dribles e uma assistência), quanto na defesa (12 duelos vencidos e três desarmes), sem esquecer-se das 11 finalizações ao longo da partida, em uma estranha noite reativa do Cruzeiro dentro do Mineirão; Já o Flu de Marcelo Oliveira atuou no 4-3-2-1 (Com variações para o 4-4-2 losango) e teve muitos problemas para pisar na área adversária devido as fracas atuações de Sornoza e Matheus Alessandro, além da lamentável lesão de Pedro que faz com que o nível técnico da equipe sofra um inevitável declínio, sem esquecer dos problemas individuais no sistema defensivo, onde a desorganização e os espaços cedidos acabaram custando caro.

palNúmeros de De Arrascaeta na vitória do Cruzeiro sobre o Fluminense no Mineirão.

SÃO PAULO 1 x 0 CEARÁ

mwFoto/Reprodução: Globo.com

Atuando no 4-2-3-1 armado por Diego Aguirre, o Líder do Brasileirão novamente apresentou problemas para propor o jogo principalmente por Rojas e Everton Cardoso ficarem presos na marcação adversária, onde muitas chances foram criadas, evidenciando a deficiência na hora da finalização (19 ao todo – 11 para fora) e nos cruzamentos (31 ao todo – acertando apenas sete), por mais que Nenê estivesse em uma boa jornada na organização no ataque, Bruno Peres e Reinaldo foram fundamentais para dar amplitude pelos lados e serem decisivos para a vitória; Já o Ceará de Lisca também foi a campo com um 4-2-3-1 e esteve muito bem na proteção a área (44 cortes – destaque para Luiz Otávio com 16), tentando atacar pelos lados e sofrendo com as más atuações de seus homens de frente (Leandro Carvalho, Ricardinho e Calyson), onde apenas Arthur conseguia manter a bola presente no campo de ataque com seu bom pivô.

Confira na imagem abaixo o posicionamento defensivo do Vozão, protegendo a região central da sua defesa e a sua área:

palFunil do Ceará bem protegido, mas os flancos ficam abertos. (Foto: Instat/ Pedro Galante)

AMÉRICA-MG 2 x 2 FLAMENGO

mwFoto/Divulgação: América Futebol Clube.

Montado no 4-2-3-1 por Adilson Batista, o Coelho teve a maior parte da posse no campo do adversário, sempre preferindo os passes curtos para rondar a área e aproveitando as falhas defensivas para conseguir espaços e finalizar, com destaque para o primeiro gol onde Rafael Moura aproveita o mau posicionamento de Léo Duarte para concluir uma das duas finalizações corretas do América na partida (12 ao todo, sete dentro da área, nove fora da área); Já o Fla de Maurício Barbieri armou sua equipe com um 4-1-4-1 e atuou em uma intensidade baixa, cedendo muitos espaços em sua defesa muito antes da expulsão de Cuéllar, mesmo com a ótima atuação de Everton Ribeiro como principal organizador do setor ofensivo, desde o lado direito, sendo responsável por duas das 11 finalizações do rubro-negro na partida.

palNúmeros de Everton Ribeiro no empate do Flamengo contra o América-MG na Arena Independência.

INTERNACIONAL 0 x 0 PALMEIRAS

mwFoto/Divulgação: Sport Club Internacional.

Armado no 4-2-3-1 por Odair Helmann, o Colorado teve problemas na fase ofensiva mesmo sendo a equipe que mais teve a iniciativa de ter a posse da bola (56% – 404 passes concluídos), mas sofreu para realizar uma transição de qualidade devido a Patrick e Nico López atuarem abaixo do esperado, o que dificultou para penetrar na área adversária (14 finalizações – quatro dentro da área) e buscar a aproximação de Jonatan Álvez ou Brenner, o que não mudou após a entrada de D’Alessandro; Já o Palmeiras de Luiz Felipe Scolari foi novamente reativo com seu 4-2-3-1 e conseguiu aproveitar espaços no sistema defensivo colorado com Moisés e Lucas Lima flutuando nas entrelinhas para criar boas chances (20 finalizações), mas com a equipe pecando muito na qualidade dos remates (Apenas três no alvo – 14 para fora) mesmo conseguindo pisar na área (11 finalizações), sem esquecer de destacar a partida segura da defesa alviverde que novamente não foi vazada, com destaque para Luan e Gustavo Gómez em mais uma boa atuação.

Confira na imagem abaixo de Luis Martins, o posicionamento dos meias palmeirenses aproveitando o espaço nas linhas defensivas do Inter, buscando aproximação de Deyverson:

palOs meias palmeirenses junto a Deyverson, buscando posicionamento as costas dos volantes colorados. Foto/Divulgação: (Luiz Martins/MW Futebol)

VITÓRIA 1 x 0 ATLÉTICO-MG

mwFoto/Divulgação: Esporte Clube Vitória.

Armado no 4-2-2-2 por Paulo César Carpeggiani, o Vitória contou com a boa atuação do goleiro Ronaldo para sair com a vitória, sem esquecer a aposta pelo jogo direto com mais ênfase no lado direito em tentativas de lançamento que vinham desde o campo defensivo (11 apenas dos dois zagueiros), conseguindo assim finalizar a gol mesmo sem muita qualidade (19 ao todo – quatro no alvo), em um jogo que novamente sofreu para ter uma transição defensiva sólida e organizada por ceder muitos espaços; Já o Galo foi a campo com o 4-2-3-1 montado por Thiago Larghi e teve a bola em seus pés na maior parte do tempo (64% – 73% no 2T), mas sofrendo novamente com a falta de pontaria (17 finalizações – nove para fora) onde mesmo com amplitude pelos flancos não conseguiu uma transição ofensiva de qualidade devido a má atuação de Chará e Ricardo Oliveira, o que não mudou após a entrada de Luan, que conseguiu três desarmes e vencer oito dos 12 duelos disputados.

VASCO DA GAMA 3 x 1 CHAPECOENSE
Armado no 4-3-2-1 por Valdir, o Vasco teve problemas para propor o jogo no 1T quando teve mais posse (56%) onde a transição era falha com os volantes vascaínos não conseguindo encontrar os três homens de frente que estavam espaçados, melhorando na segunda etapa quando encontrou mais espaços na defesa alviverde com a ótima atuação de Maxi López, que com boa visão de jogo e movimentação (Principalmente pelo lado direito) deu vida a um time que conseguiu finalizar 17 vezes ao gol; Já a Chape de Guto Ferreira foi a campo com um 4-1-4-1 que foi novamente inofensiva no setor ofensivo ao enfrentar dificuldades com um jogo que não funcionava pelos lados devido as más atuações de Yann Rollim e Bruno Silva, o que não mudou após a entrada de Vinícius, sem esquecer de uma defesa que tentou fechar-se em duas linhas de quatro, mas que esteve longe de ser compacta.

Confira na imagem abaixo de Ricardo Leite, um exemplo da visão de jogo e movimentação do argentino Maxi López contra a Chape:

mwArgentino demonstra mobilidade, técnica e visão no primeiro gol vascaíno. Foto/Divulgação: (Ricardo Leite/MW Futebol)

 

palNúmeros de Maxi López na vitória do Vasco sobre a Chapecoense em São Januário.

CONFIRA A SELEÇÃO DA 21ª RODADA DO SITE ESTATÍSTICO SOFASCORE.COM:
pal

@Lipe_Henry

#AprendemosJuntos!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s