Valeu pela taça, mas que os erros sirvam de lição: ANÁLISE TÁTICA WEST HAM 1 (7)x(6) 1 MAINZ 05

Por Felipe Holanda

O West Ham de Manuel Pellegrini vem “ganhando corpo” na pré-temporada 2018/2019 após a chegada de reforços pontuais. Precisa, contudo, aprender com os próprios os erros se quiser fazer bonito na disputadíssima Premier League. No duelo amistoso com o Mainz 05-ALE, válido pela Betway Cup, os Hammers cometeram várias falhas, principalmente no sistema defensivo. O resultado foi um empate em 1 x 1 no tempo normal, com vitória inglesa por 7 x 6 nos tiros livres da marca do pênalti, dando aos donos da festa o direito de erguer a taça simbólica.

Diante dos alemães, Manuel Pellegrini manteve o 4-1-4-1 inicial, mas com algumas ausências. Felipe Anderson, Yarmolenko e Fredericks, destaques nos últimos jogos, foram poupados, sendo substituídos por Antonio, Snodgrass e Zabaleta, respectivamente. Com Adrian na meta, Balbuena e Diop formaram pela primeira vez a dupla de zaga, enquanto Masuaku permaneceu na lateral-esquerda e Rice à frente da defesa. No meio e ataque, Noble e Wilshere reeditaram a dupla de volantes e Arnautovic permaneceu como o homem mais adiantado do time.

westComo o West Ham iniciou o jogo contra o Mainz 04

Nos primeiros minutos, a equipe londrina esteve bem postada na defesa, com o auxílio dos volantes e dos laterais. O capitão Noble voltava para buscar a bola e o West Ham saía para o ataque com uma linha de três homens, dificultando a marcação adiantada proposta pelos alemães e dando mais fluidez ao jogo de posse.

westSaída de três do West Ham (Reprodução/Sport1)

A organização tática, entretanto, durou pouco. Com o Mainz retraído na defesa para sair no contra-ataque, a defesa do West Ham passou por maus bocados. Os alemães só não abriram o placar porque a arbitragem marcou impedimento. Serviu como um aviso para os comandados de Pellegrini.

No primeiro tempo, pouco organizado, o West Ham praticamente não levou perigo à defensiva do Mainz. Exceto pela finalização de Rice após cobrança de escanteio. A tentativa acabou saindo por cima de meta de Zentner.

Mas foi no segundo tempo que Robert Snodgrass, melhor jogador dos Hammers na partida, começou a aparecer. Ele assumiu as bolas paradas e começou a infernizar a defesa adversária com investidas pela direita. O escocês capitaneou a jogada que abriu o placar para o West Ham, acertando o cruzamento preciso para Martinez.

westWest Ham atacando no formato de um pentágono no momento do gol de Martinez (Reprodução/Sport1)

Com a vantagem no placar e o troféu encaminhado, o West Ham acabou relaxando no jogo. Foi a deixa que o Mainz precisava para atacar. A arma adotada pelos alemães foi as investidas em contra-ataque.

westCom as linhas espaçadas do West Ham, o Mainz começou a jogar no contra-ataque (Reprodução/Sport1)

De tanto insistir, o Mainz conseguiu chegar ao empate com Quaison aos 39 minutos da segunda etapa. O gol levou a decisão de quem ficaria com a taça para os tiros livres da marca do pênalti.

Foi aí que brilhou a estreia do goleiro Adrian. O goleiro espanhol defendeu uma das penalidades do adversário, converteu sua cobrança, e o West Ham venceu por 7 x 6.

@holandareporter e @WHTaticas

Anúncios

Um comentário sobre “Valeu pela taça, mas que os erros sirvam de lição: ANÁLISE TÁTICA WEST HAM 1 (7)x(6) 1 MAINZ 05

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s