A geração belga, de promessa a dúvida – ANÁLISE TÁTICA DA BÉLGICA

Por Juan Carlos Moura e Rafael Lima

bel 1

Em 2014 a Bélgica veio ao Brasil com uma equipe de jovens promissores e a expectativa de encantar o mundo, com um futebol alegre e ofensivo. Na Euro 2016 chegou mais forte e experiente pronta para colher os frutos. Nas duas competições a equipe fez água. Não encantou e não conquistou bons resultados.

Para o mundial da Rússia em 2018 a equipe quer deixar o rótulo de promessa, e quer bater de frente com as maiores seleções do mundo.

Para isso, aposta no técnico Roberto Martinez, que tem no currículo trabalhos no Swansea, Wigan e Everton equipes da Premier League. Suas equipes sempre primam pela organização e forte sistema defensivo.

A Bélgica não é diferente, vem ao mundial pensando em chegar longe, mas com um estilo mais pragmático. Assim a equipe não traz mais a esperança de praticar um futebol de encantar os olhos.

A começar pelo sistema de jogo, a equipe joga no híbrido 3-4-2-1 quando ataca.

bel 2

 

E se defende no 5-4-1.

bel 3

A saída de bola é feita pelos zagueiros. Kompany joga centralizado entre os excelentes Vertonghen (esquerda) e Alderweireld (direita). Se Kompany não reunir condições de jogar o mundial, L. Ciman que hoje está fora da lista como 24° Atleta ou Boyata, passa a ser o zagueiro central.

Os defensores recebem o apoio dos meio campistas Witsel (ou Dembelé) e Kevin De Bruyne para realizar a transição ofensiva.

Os alas da equipe Carrasco (esquerda) e Meunier (direita) são os responsáveis por dar amplitude a equipe. Assim eles pouco auxiliam na saída de bola, os meio campistas ditam o rítmo do time acelerando as jogadas para os atacantes Hazard e Mertens, que têm a função de dar apoio aos alas, e de se aproximarem do atacante Lukaku.

Mertens aliás precisa deixar a timidez de lado para se associar mais com De Bruyne e Hazard. O atacante napolitano, joga muito fixo pela direita auxiliando Meunier e parece bastante preocupado na recomposição defensiva. O atleta não era titular com o ex técnico Wilmonts e parece disposto a fazer tudo que o técnico solicitar para se manter entre os titulares, mas com a bola precisa ser mais eficiente.

bel 4Carrasco (esquerda) e Meunier (direita) circulados em vermelho, dando amplitude (alargando o campo) para equipe.

A intenção de Martinez e ter 5 jogadores pra fazer a saída da bola (3 zagueiros e 2 meio campistas) e 5 jogadores para atacar (os 2 alas, os 2 meias e 1 centroavante), e assim ter uma equipe equilibrada defensiva e ofensivamente. De Bruyne têm liberdade para dar apoio no ataque, mas não pisa muito na área adversária. Já Witsel (ou Dembelé) tem a missão de proteger a defesa, e fazer as compesações pelos lados do campo.

Sem a bola a equipe “afunda” os alas, que se unem aos 3 zagueiros para formar uma linha com 5 defensores, o que facilita as coberturas nos lados do campo e nas costas dos zagueiros e a gerar superioridade numérica no setor. De Bruyne e Witsel recebem a companhia de Hazard (esquerda) e Mertens (direita) para fechar a segunda linha que fica muito próxima a linha de defesa, encaixotando qualquer adversário que queira jogar nas costas dos volantes belgas. Assim Lukaku fica isolado na frente.

Martinez assumiu a seleção após a eliminação nas quartas de final da Euro 2016 para o País de Gales. O objetivo era classificar a equipe para a Copa do Mundo.

A missão foi simples em vista do fraquíssimo grupo que a equipe caiu nas eliminatórias para a Copa da Rússia (10 jogos 9 vitórias 1 empate 0 derrotas 43 gols a favor 6 gols contra 37 saldo de gols).

A equipe fez mais 7 amistosos (4 vitórias e 3 empates), e desde que o técnico Roberto Martinez assumiu o cargo, a equipe não foi derrotada.

Porém nenhum adversário que os belgas enfrentaram são equipes de primeiro nível, a equipe foi pouco exigida, e mesmo assim apresenta vários erros.

A começar pela linha defensiva. Carrasco oferece uma opção interessante de ataque, mas na defesa comete erros infantis, como quebrar a linha defensiva “caçando” o adversário. O bloco defensivo faz a marcação muito baixa e permite que o adversário circule a bola sem nenhuma pressão, Portugal que enfrentou a equipe no penúltimo amistoso pré-Copa teve muita liberdade para trocar passes no campo defensivo belga. Isso passa a ser uma grave deficiência, por que a equipe conta com jogadores rápidos e letais para explorar o contra ataque, mas espera o erro do adversário, para iniciar a transição ofensiva. A equipe faz bem a recomposição defensiva, mas procura apenas controlar os espaços sem pressionar o adversário.

Portugal toca a bola como quer sem ser pressionado pela equipe Belga.

Subir o bloco defensivo para uma pressão média variando para o 5-3-2 com os dois homens mais avançados pressionando o portador da bola pode ser uma boa alternativa, forçando o erro ou mesmo roubando a bola. Esse expediente foi utilizado no último amistoso contra o Egito. A dúvida é se a equipe vai arriscar ocupar mais o campo adversário sem a bola contra equipes mais poderosas.

Martinez têm o mérito de colocar todos os bons jogadores para atuar juntos, mas com isso sacrifica muito o talento de Kevin De Bruyne, o jogador joga como se estivesse em um trilho, correndo sempre para frente ou para trás, não tem a mesma liberdade que tem em seu clube.

Hazard também fica muito longe do gol quando a equipe está se defendendo. No Chelsea que joga em um modelo defensivo similar ele sempre é o (ou um dos) homens mais adiantado da equipe.

Martinez poderia deixar De Bruyne na função de Mertens e Fellaine ocuparia o lugar do napolitano. Fellaine poderia acrescentar a equipe força defensiva e aumentaria o poderio ofensivo na bola aérea, que já conta com Kompany e Lukaku .

E contaria com Mertens como opção, para acelerar o jogo. O atacante poderia até mesmo jogar no lugar do Lukaku, revezando com Hazard para ocupar o comando do ataque. Seria um trio ofensivo (Hazard, De Bruyne e Mertens) rápido, habilidoso e insinuante.

Se pensar em mudar o sistema de jogo para o 4-2-3-1 (Wilmonts ex técnico usava esse sistema) poderia pensar em:

Meunier e Vertonghen (laterais) Kompany /Vermaelen e Alderweireld (zagueiros) – Dembele/Fellaine e Witsel (volantes) – Hazard (esquerda) De Bruyne (centralizado) e Jnuzaj/Mertens (direita) com Lukaku no comando do ataque.

bel 5

Ou seja opções não faltam, a equipe poderia ser montada até mesmo de acordo com o adversário. Mas falta pouco para o Mundial e Martinez parece ter um estilo mais conservador.

O Craque

Hazard estreou na seleção em 19/11/2008 contra a seleção de Luxemburgo, seu primeiro gol veio apenas em 2011 na vitória por 4×1 contra o Cazaquistão.

Hazard gosta de atuar com liberdade, especialmente da faixa esquerda para o centro. Jogador rápido, inteligente e extremamente habilidoso, usa e abusa do 1 contra 1. É a grande arma belga em busca de voos mais altos na Rússia.

87 jogos

22 gols

Fique de olho.

Kevin de Bruyne poderia muito bem ser considerado o destaque da seleção, mas seu posicionamento mais afastado do gol, e por ter que fazer uma recomposição mais posicional no momento defensivo, faz com que o atleta perca esse posto para Hazard.

Mas isso não quer dizer que diminui a importância do meia hábil, inteligente e extremamente técnico, que tem por obrigação carimbar todas as bolas da equipe.

A equipe parece meio travada, lenta previsível. O grupo tem o discurso ensaiado que esse estilo mais cauteloso faz parte da maturidade da equipe e maior experiência dos atletas. Mas é nítido o descontentamento de alguns atletas com a forma da equipe jogar.

Grupo :Bélgica – Inglaterra – Panamá – Tunísia

Grupo H: Colômbia – Japão – Polônia – Senegal

A Bélgica caiu no grupo G, não deve ter problemas para passar de fase, se conseguir avançar em 1° a tendência é encarar Japão, Polônia ou Senegal. Analisando seus possíveis adversários nas 8° de final, não é difícil imaginar novamente a equipe entre as 8 melhores seleções do mundo, lembrando que a Bélgica nunca chegou entre os semifinalistas. Chegar à semifinal seria um Sonho, mas a realidade deve ser a chegada até as 4° de final, por maior que seja a qualidade técnica individual, coletivamente a equipe parece ter muitos problemas para corrigir em tão pouco tempo.

@10juancarlitos e @rafjoga101983

Anúncios

Um comentário sobre “A geração belga, de promessa a dúvida – ANÁLISE TÁTICA DA BÉLGICA

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s