Esqueçam o ferrolho! – ANÁLISE TÁTICA DA SUÍÇA

Por Rafinha Santos

A Schweizer Nati é comandada pelo iugoslavo naturalizado suíço Vladimir Petković que já teve passagem pelo Young Boys e pela Lazio, clube onde foi campeão da Coppa Itália na temporada 12/13. Ele chegou à seleção em 2014 logo após a Copa do Mundo, desde então adotou o seu modelo de jogo próximo ao usado na equipe italiana.

 

SISTEMA TÁTICO E TENDENCIA

 

O sistema tático adotado é o 4-2-3-1 com variação para o 4-5-1 em momentos defensivos 4-1-4-1 em momentos de transição ofensiva em bloco.

suica 1

4-2-3-1 clássico como padrão do modelo de jogo. A principal ideia desse modelo é propor triangulação de bola em todas as faixas de campo com movimentação em bloco, tanto ofensiva, quanto defensiva.

suica 2

4-5-1 no modelo de jogo defensivo. Com destaque para o Dzemaili que fica responsável pelo balanço tático na região central e se preciso acompanha a marcação dos volantes, principalmente Xhaka.

WhatsApp Image 2018-06-11 at 11.07.24

4-1-4-1 no modelo de jogo ofensivo. Com destaque para o avanço do Xhaka e flutuação do Dzemaili em profundidade e Shaqiri ocupando o espaço deixado pelo pouco avanço do Lichtsteiner.

O modelo de jogo defensivo povoa o meio campo para induzir o adversário a jogar pela lateral, nesse momento a marcação não é ativa e chega a ter até seis jogadores na área, dessa forma obriga o adversário a fazer cruzamentos ou iniciar o jogo novamente na defesa.

CapturarQuando é atacada pelo meio perde o controle de organização devido à insegurança tática de Akanji e Djourou.

Nas bolas paradas a equipe a sofre pouco, porem perde na retomada da posse de bola e dessa forma retorna ao modelo de linha quatro atrás e linha de cinco na frente.

Capturar2Bloco baixo defensivo e pouco combate após vencer o combate aéreo.

O modelo de jogo ofensivo adota a saída de bola baixa e com os volantes próximos da área, dessa forma Xhaka se transforma no principal organizador e Dzemaili se movimenta para o lado oposto fazendo uma linha de quatro no meio com Xhaka e Dzemaili centralizados, Zuber e Shaqiri projetados ao ataque pela lateral, porem nessa transição o atacante precisa iniciar a movimentação para receber um passe em profundidade com Gavranovic ou na referencia com Seferovic.

Capturar3Movimentação base do Seferovic, sempre de costas para o gol e com ultrapassagem por trás.

capturar 5Movimentação base do Gavranovic que flutua para a linha de fundo e faz com que a área seja ocupada por quem vem de trás.

Nas bolas paradas Shaqiri e Schär são os principais jogadores a se observar, enquanto o meio-campista tem um ótimo lançamento o zagueiro tem excelente tempo de bola e consegue se posicionar do lado oposto da falta fazendo o cabeceio para o centro da área.

suica 11Movimentação base nas jogadas aéreas.

Porem nas faltas mais próximas o time atua com linha de seis na entrada da área e todos correm em direção à linha de fundo na diagonal.

suica 12Movimentação ofensiva diagonal nas bolas paradas, porem mantendo a base do lado oposto para confundir a defesa rival.

 

ANALISE DA SELEÇÃO

DEFESA

Abrindo a seleção temos Yann Sommer de 29 anos que assumiu a vaga de Diego Benaglio que se aposentou da seleção logo após a Copa do Mundo de 2014. Na temporada 2014/2015 recém-chegado ao B. Mönchengladbach se consolidou na temporada de estreia onde teve seu melhor desempenho individual na carreira, se consolidando como titular absoluto na seleção e no clube.

Na lateral o experiente Stephan Lichtsteiner atua como base e o polivalente Ricardo Rodriguez que atua como apoiador, que atuam respectivamente na Juventus (Arsenal na próxima temporada) e no Milan. Na construção ofensiva ambos participam pouco, porem mantém organização defensiva já que a equipe utiliza pouco às jogadas em profundidade pela lateral. O zagueiro base Fabian Schär é o destaque no jogo aéreo ofensivo e defensivo, alem disso auxilia muito o Lichtsteiner que já tem idade avançada e tem déficit físico para os 90 minutos, enquanto isso Johan Djourou e Manuel Akanji intercalam entre base e apoiador, porem ambos brigam pela vaga e no momento Akanji está na frente, porem ambos sobrecarregam bastante o Rodriguez que em vários momentos precisa ir para o 1×1 sem nenhuma sobra.

suica 13Composição defensiva de Lichtsteiner, evidenciando falha de Djourou que não avança na bola.

suica 14Composição defensiva de Ricardo Rodriguez, evidenciando a maior pressão pela esquerda e maior ocupação da área.

MEIO

O meio campo atua basicamente com dois volantes, um meio-campista central e dois meio-campistas abertos, porem o meia-atacante central Blerim Dzemaili atua tanto flutuando pelos lados quanto para frente entrando na área. Pelos lados os meio-campistas extremos Xherdan Shaqiri e Steven Zuber são os principais articuladores quando se movimentam e centralizam as jogadas geralmente em cruzamentos e finalizações de média e longa distancia.

suica 15Inversão rápida de jogo buscando o atacante.

suica 16Cruzamento de longa distancia evidenciando o pouco avanço de Lichtsteiner e centralização de Seferovic.

A função exercida por Granit Xhaka de Box-to-box é de vital importância, já que ele atua de área a área com poder de finalização e vitalidade.

suica 17Importância de Xhaka como elemento surpresa e ocupação da área.

Assim como na zaga essa vaga ao lado também está vaga, já que Denis Zakaria atua mais como recuperador e Remo Freuler atua mais como distribuidor, porem Freuler é mais experiente tira a pressão exercida pelo meio, enquanto Zakaria atua mais como o centralizador e avança ao ataque para brigar pela segunda bola de forma mais incisiva.

ATAQUE

No ataque a vaga está em aberto com Haris Seferovic que atua na referencia e trabalha com um ou dois toque na bola e Mario Gavranovic que atua tanto como falso 9 saindo da área e como segundo atacante abrindo espaço para a entrada de Dzemaili no centro, Xhaka vindo de trás e Zuber e Shaqiri pelas extremidades.

suica 18Seferovic é o jogador mais indicado para jogos em que a defesa adversária tenha um forte jogo aéreo, já que ele se movimenta antecipando a jogada e propicia a ultrapassagem dos meio-campistas e extremos.

suica 19Gavranovic é o jogador mais indicado para jogos em que a defesa seja forte no jogo aereo e tenha pouca velocidade de recomposição.

 

PRINCIPAL JOGADOR

O meio campista Shaqiri que atua como extremo pela direita é o principal jogador por participar das principais jogadas ofensivas da equipe, principalmente pelas alas e na parte defensiva tem o papel de apoiar o lateral Lichtsteiner e Behrami ou Zakaria pelo meio. Praticamente todas as jogadas em transição tem como opção Zuber (antes era o Mehmedi que está fora da Copa do Mundo por lesão) e Shaqiri pelos extremos para movimentar a linha defensiva adversária. Nas jogadas ofensivas ele flutua abrindo espaço para os reservas Embolo e Drmic ocuparem a área quando entram em campo, porem ele tem como ponto forte os seus cruzamentos de longa distancia buscando o Seferovic na região penal da área.

Analisando sua temporada apenas pelo Stoke City ele atuou em 38 partidas, somando 3080 minutos, marcando oito gols e dando sete assistências.

JOGADOR PARA FICAR DE OLHO

O meia-atacante Dzemaili que atua primariamente pelo meio é o principal jogador do modelo de jogo aderido pela seleção suíça. Nas ações ofensivas ele atua tanto fazendo transição com os volantes, quanto ocupando a área juntamente com o Seferovic, porem a única característica deficitária seria a infiltração pelas pontas, já que seu ponto forte é a organização e passe, ao invés de velocidade e finta. Nas ações defensivas ele atua flutuando e acompanhando a posse de bola na região central com possibilidade variação do 4-5-1 para o 4-4-1-1 nas partidas em que o Gavranovic está no ataque.

Analisando sua carreira apenas por clubes, chegou ao Bologna no começo da temporada 2016/2017 onde atuou em 33 partidas, marcando nove gols e dando três assistências. No inicio da pré-temporada de 2017/2018 teve uma contratura muscular e com isso assinou um empréstimo de seis meses para o Impact Montréal onde atuou em 25 partidas, marcando oito gols e dando 12 assistências, ao final do empréstimo voltou ao Bologna no final do ano, assim em 2018 já atuou em 15 partidas, marcando um gol e dando uma assistência, porem em maio teve mais uma lesão, dessa vez nos adutores onde ficou fora por cerca de 20 dias. Ele tem um grande histórico de lesões na coxa, tanto que em 2014 ficou quase três meses sem jogar e em 2016 pouco antes de assinar com o Bologna ficou um mês sem jogar.

 @rafinha_esporte

ANÁLISE GOLS

Por Pedro Cardoso Petrachini

SUICOESFoto: Fabrice Coffrini-AFP

Gols a favor

A imagem que se criou da Suíça na última década era de uma seleção defensiva, jogando na retranca e buscando uma bola para ganhar os jogos. E de fato era assim. Atualmente, porém, a situação é um pouco diferente. No ciclo pós-Euro 2016, foram 32 gols em 15 jogos, o que representa média de 2,13.

Com meio-campistas e atacantes mais talentosos, casos de Xhaka, Shaqiri, Dzemaili, entre outros, o técnico Vladimir Petkovic montou um time que constrói as jogadas, não fica apenas no estilo reativo. Assim, jogadas trabalhadas em mais de um lado do campo foram comuns: 7 gols (21,8%) saíram com lances em que o sistema ofensivo balançou a defesa rival.

Com boa qualidade de passe no meio, as infiltrações buscando os homens mais adiantados (seja Seferovic, Drmic ou outro) também foram bastante úteis, gerando 5 tentos (15%).

No aspecto individual, o artilheiro foi justamente Seferovic, com 4 gols. A conta, porém, é bem dividida. 14 jogadores diferentes marcaram para o time de Petkovic, com destaque para a força dos laterais: Lichtsteiner e Rodríguez fizeram 3 cada um.

 

Gols contra

Apesar de ter deixado a retranca para trás, a Suíça não passou a ter uma defesa vulnerável. Pelo contrário, a média segue ótima. Em 15 jogos, foram 7 gols sofridos, apenas 0,46 por partida. Em 11 confrontos, a retaguarda passou ilesa.

E os poucos tentos sofridos tiveram origens bem distintas, o que não caracteriza um ponto muito fraco no sistema da equipe europeia. Um cuidado que a equipe pode ter é com rebotes. 3 tentos saíram após algum corte da defesa, com a segunda bola sobrando novamente com o adversário.

Os outros 4 vieram das seguintes formas: bola parada cruzada na área (1), ligação direta defesa-ataque (1), construção pela esquerda e cruzamento (1) e construção pela direita, com passe para dentro da área.

@PedroPetrachini

 

Anúncios

Um comentário sobre “Esqueçam o ferrolho! – ANÁLISE TÁTICA DA SUÍÇA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s