O exterminador de campeões mundiais no Brasil tenta repetir o feito em 2018 – ANÁLISE TÁTICA DA COSTA RICA

Por Jorge Junior

A Seleção Costarriquenha de Futebol, atual vigésima terceira colocada no ranking da Fifa, entra na Copa do Mundo de 2018 tentando repetir a façanha na Copa do Mundo do Brasil. Há quatro anos atrás, surpreendeu, foi a primeira colocada na fase de grupos que tinha as consagradas campeãs do mundo Inglaterra, Uruguai e Itália. Passou das oitavas de final ao eliminar a seleção grega, e parou nas mãos do goleiro holandês Krul nas quartas de final, após empate no tempo normal e prorrogação.

c1

ELIMINATÓRIAS DA CONCACAF (RESUMO)

Los Ticos (Os Ticos), apelido dado a seleção, tiveram um bom desempenho nas eliminatórias da Concacaf (Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe). Por critério de ranking entraram direto na 4ª fase. Eis o desempenho:

c2

– 4ª Fase

Venceram seus três jogos em casa: 3-1 contra Panamá, 1-0 contra Haiti e 3-0 contra a Jamaica. Fora de casa foram duas vitórias (2-1 contra Panamá e 1-0 contra Haiti) e um empate contra Jamaica em 1 a 1.

c3

– 5 ª Fase

Na fase final das eliminatórias em casa obtiveram duas vitórias (4 a 0 contra os EUA e 2 a 1 contra Trinidad e Tobago) e três empates (0 a 0 contra Panamá e 1 a 1 contra Honduras e México). Fora de casa foram duas vitórias pelo mesmo placar de 2 a 0 contra EUA e Trinidad e Tobago, um empate contra Honduras por 1 a 1, e duas derrotas para México (2-0) e Panamá (2-1).

c4

Em 16 jogos: 9 vitórias; 5 empates; 2 derrotas;

24 gols pró (média de 1,5 gol / partida) / 10 gols contra (média de 0.625 gol/partida);

OS CONVOCADOS

c5

Goleiros: Keylor Navas (Real Madrid-ESP), Patrick Pemberton (Alajuelense-CRC), Leonel Moreira (Herediano-CRC).

Defensores: Cristian Gamboa (Celtic-ESC), Ian Smith (Norköpping-SUE), Giancarlo González (Bologna-ITA), Bryan Oviedo (Sunderland-ING), Ronald Matarrita (New York City-EUA), Óscar Duarte (Espanyol-ESP), Francisco Calvo (Minnesota United-EUA), Kendall Waston (Vancouver Whitecaps-CAN), Johnny Acosta (Rionegro Águilas-COL).

Meio-campistas: David Guzmán (Portland Timbers-EUA), Yeltsin Tejeda (Lausanne-Sport-SUI), Celso Borges (Deportivo La Coruña-ESP), Randall Azofeifa (Herediano-CRC), Rodney Wallace (New York City-EUA), Bryan Ruiz (Sporting-POR), Daniel Colindres (Saprissa-CRC), Christian Bolaños (Saprissa-CRC).

Atacantes: Johan Venegas (Saprissa-CRC), Joel Campbell (Betis-ESP), Marco Ureña (Los Angeles FC-EUA).

COMO JOGA

Nos últimos dois amistosos, contra Inglaterra e Irlanda do Norte, o treinador Óscar Ramírez adotou o 1-3-4-2-1 como esquema tático, contando com algumas variações bem interessantes no decorrer dos jogos.

O trio de zagueiros é experiente e tem excelente porte físico. Fortes, rápidos e altos. A média de altura de 1.87m, sendo o mais alto Waston com 1.96m, e o mais “baixo” o Calvo com 1.80m. Segurança nas bolas aéreas.

No meio de campo, o capitão Bryan Ruiz, mesmo poupado, segue com status de capitão e principal armador da equipe. A lesão do atleta não é recente, mas o departamento da seleção optou por fazer um trabalho de fortalecimento muscular. Bryan foi o último atleta a se juntar à seleção e não treinou nas últimas três semanas após o término do contrato com Sporting-POR.

Nesses últimos jogos o promissor atacante Ureña foi municiado principalmente por jogadas construídas pelos lados do campo, pelas duplas: no lado esquerdo Oviedo e Venegas, e no lado direito por Gamboa e Campbell. Cruzamentos por baixo e pelo alto para o bom atacante Ureña que se movimenta bastante com e sem a bola.

c6Formação no último amistoso contra Inglaterra. Equipe experiente e alta.

c7

Formação em 3D da equipe sem o capitão B. Ruiz que se recupera de lesão)

c8Costa Rica x Irlanda do Norte – 3 zagueiros, linha de 4 jogadores no meio e linha de 3 atacantes

Dados quantitativos individuais, nos 2 jogos supracitados:

c9

c10

c11

c12

DESTAQUE

c13K. NAVAS atuando pela Seleção da Costa Rica

Navas defendeu a sua seleção no sub-17, Campeonato Mundial de Futebol Sub-17, em 2003. Já a estreia na seleção principal foi outubro de 2008, no amistoso contra o Suriname.

Na Copa do Mundo FIFA de 2014 foi titular e destaque da equipe. Defendeu a penalidade de T. Gekas, nas oitavas de final contra a Grécia, 5–3 para seleção da Costa Rica.

Após o destaque, o Real Madrid o contratou. K. Navas conquistou diversos títulos, entre eles 3 Liga dos Campeões, 3 Copa do Mundo de Clubes da FIFA, 2 Supercopa da UEFA, 1 La Liga e 1 Supercopa da Espanha.

Dados:

CRC

FIQUE DE OLHO

c18Urena – comemora gol contra Uruguai – Copa de 2014

Ureña é um jogador que se movimenta bastante no ataque, com e sem a bola. Em diversas oportunidades é possível observá-lo recuando no meio-campo para ajudar na armação e dando opções de passe.

Ureña atuou pela seleção da Costa Rica nas divisões de base, sub-17 e sub-20. Desde sua estreia em 19 anos em 2009, ele marcou 14 gols e três assistências em 55 aparições.

Disputou quatro dos cinco jogos da equipe na Copa do Mundo da FIFA de 2014.Marcou gol na vitória por 3-1 sobre o Uruguai, e foi eleito o melhor jogador em campo deste jogo.

Atualmente atua no Los Angeles Football Club.

c21

@jorginhoffc

ANÁLISE GOLS

Por Pedro Cardoso Petrachini

CRC NOOVFoto: Getty Images

Gols a favor

A seleção da Costa Rica surpreendeu na Copa de 2014 com um time extremamente eficiente na defesa, sofrendo apenas 2 gols em 5 jogos. No ciclo pós-Copa América 2016, o ataque mostrou que realmente não é dos mais fortes. Em 22 jogos, foram 29 tentos, média modesta de 1,31 por partida.

Contra rivais mais duros, como será na Rússia, a tendência é de que os costarriquenhos joguem bem fechados. Contra adversários mais limitados de seu continente, nem sempre foi assim. De qualquer forma, as bolas paradas, contra-ataques e ligações diretas foram as principais fontes de sucesso: 11 gols saíram assim (38%).

Uma característica é sempre buscar rapidamente o espaço vazio na defesa, para não ficar rodando muito a bola. Por isso, infiltrações na última linha representaram mais 5 gols. O artilheiro deste ciclo na seleção do técnico Óscar Ramírez foi Marco Ureña, com 5.

Gols contra

A retaguarda da Costa Rica, geralmente montada com 5 homens, teve desempenho bom em alguns momentos, mas ruim em outros, como na goleada sofrida diante da Espanha (5 a 0). A média total acabou em 1 gol tomado por jogo, 22 em 22 duelos.

Uma preocupação clara para Ramírez deve ser o lado esquerdo de seu sistema defensivo. 5 tentos dos adversários foram construídos por aquela parte do campo, em lances finalizados com cruzamentos para a área.

Vale lembrar que a principal referência atual do futebol costarriquenho está justamente na defesa. O goleiro Keylor Navas, grande destaque em 2014, é titular do Real Madrid e geralmente corrige alguns erros de sua defesa, com intervenções importantes.

@PedroPetrachini

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s