A surpresa da Copa? – ANÁLISE TÁTICA DO MARROCOS

Por Maurício Wiklicky

Vinte anos depois da sua última Copa do Mundo (França, 1998), longo período de maus resultados no continente, até a chegada do já incônico técnico francês Hervé Renard (bi campeão da Copa das Nações Africanas com Costa do Marfim e Zâmbia). Finalmente o Marrocos volta à copa!

Há muita qualidade no meio campo, uma defesa confiável (ao menos para o nível africano, pois não tomou gol nas eliminatórias, com três vitórias e três empates) e um ataque veloz. O que pode complicar a atuação são as improvisações, como:

  • Hakim Ziyech: no Ajax é o extrema/meia esquerda. Na seleção costuma jogar na direita no meio ou no ataque, como ponta.
  • Nabil Dirar: atua como extrema no Fernerbahce, na seleção é lateral direito muito ofensivo.
  • Achraf Hakimi: o lateral direito do Real Madrid, que atua na esqueda do Marrocos
HAKIMIHamiki como lateral direito do Real e esquerdo no Marrocos.

Com dois laterais ofensivos (equilibrio de ações nos gols das eliminatórias, com 6 pela direita e 5 pela esquerda) a proteção da zaga se dá pelos experientes El Ahmadi e Boussoufa. Ambos contribuíram para que o Marrocos fosse a segunda melhor equipe nas eliminatórias africanas em roubadas de bola. Além deles a segurança defensiva se dá pelo excelente, e capitão, Benatia, que compensam a fragilidade do goleiro Munir El Kajouui, que jogou apenas 6 jogos na temporada 17/18 pelo Numancia.

Pela característica da posse de bola, não se duvide que na estreia contra o Irã, os comandos de Renard atuem sem um dos dois experientes volantes, para ter mais uma opção de qualidade pelo meio campo. Claro que contra a Espanha os dois volantes estarão em campo, para tentar alguma jogada de contra ataque. Já contra Portugal El Ahmadi e Boussoufa também devem jogar, primeiro para defender e assim para especular quando possível. Portugal aliás deverá ser o grande confronto para Marrocos ter alguma esperança de classificação, desde que a vitoria contra o Irã na estreia se concretize. Difícil, com certeza, mas não impossível.

A qualidade do meio campo se dá por Hakim Ziyech, eleito melhor jogador do Ajax da última temporada e com maior número de assistências no campeonato holandês. Ele possui liberdade para atuar, chegando junto ao ataque, com outro jogador de muita aproximação, Amrabat. No comando do ataque, o francês naturalizado marroquino Boutaib é o titular.

WhatsApp Image 2018-06-07 at 23.28.01Provável escalção e formação tática do Marrocos (feito com o Tactical Pad)

DESTAQUE – Hakim Ziyech

O meia de 25 anos do Ajax pode terminar a copa em outro clube europeu, provavelmente a Roma (passe estipulado em 20 milhões de euros). Realizou uma excelente temporada no Ajax, com 17 assistências (líder do campeonato) e 9 gols, e também na seleção marroquina (média de 6 passes chave por partida, criando a maior quantidade de chances na África, após Keita).

Canhoto, com passadas largas e habilidade, além de um bom chute de fora da área. Costuma vir de trás em velocidade, centralizando ou abrindo pela esquerda. Quando tem a bola dominada, possui alto potencial de arrancada.

FIQUE DE OLHO – ACHRAF HAKIMI

O lateral de 20 anos do Real Madrid é uma forte arma ofensiva do Marrocos. Pode atuar junto com Ziyech na esquerda, tornando um fortíssimo lado. Sua tendência é totalmente ofensiva, mas com capacidade de marcação e uma boa bola parada.

Obviamente que por ser jovem, comete erros de posicionamento na marcação, ainda mais na seleção, onde atua deslocado pela esquerda, como falamos acima. O time do Irã, Cedric por Portugal e Carvajal (seu colega de Real Madrid) que fiquem de olho na dupla Achraf e Ziyech!

@mwgremio

ANÁLISE GOLS

Por Pedro Cardoso Petrachini

marrocos fot

(Foto: Reuters)

Gols a favor

A seleção de Marrocos, comandada pelo francês Hervé Renard, fez 44 gols nas 28 partidas (média de 1,57 por jogo) sob o comando do europeu, que assumiu no início de 2016. E pode-se dizer que as bolas paradas foram extremamente efetivas. Somando pênaltis (9), faltas (2) e lances de cruzamento para a área (9), 20 tentos saíram assim, 45% do total.

Com exceção das jogadas de bola parada, as construções mais velozes pelo lado direito foram bastante úteis, rendendo 6 gols, como falamos acima. Pressão na saída dos rivais também foi importante, com seis tentos construídos desta forma.

Novamente, o principal nome da artilharia marroquina foi o meia Ziyech, do Ajax. Ele foi o responsável por 8 tentos. Logo atrás, o atacante Boutaib, do Malatyaspor, fez 7. Ambos estão entre os 23 convocados para o Mundial.

Gols contra

A defesa foi um ponto extremamente forte do time de Renard. Nos 28 confrontos, foram apenas 13 gols sofridos, excelente média de 0,46 por jogo. Apenas uma vez, em amistoso contra a Holanda, a equipe sofreu mais de um tento, em derrota por 2 a 1.

Para furar o bom sistema montado pelos marroquinos, as armas mais úteis foram bolas paradas lançadas para a área e lançamentos longos nas costas dos zagueiros. Cada uma destas ações rendeu 3 gols aos adversários.

@PedroPetrachini

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s