A OBRIGAÇÃO EM MEIO AO CAOS – Análise tática de Vasco 1 x 0 Paraná

Por Ricardo Leite

Com mais de um time de desfalques, problemas físicos, problemas extracampo e vindo de goleada sofrida para o Bahia, o Vasco entrou em campo para enfrentar o lanterna do Brasileirão.

O grande adversário do Vasco eram seus próprios problemas. Com isso, o Vasco tinha que alcançar a vitória a qualquer custo e foi o que fez.

Com time repleto de meninos, Ze Ricardo optou pela dupla que jogou junta nos juniores. Andrey e Cosendey fizeram bom primeiro tempo. Jogadores dinâmicos e que buscam o jogo vertical sempre que possível. Sem a bola, os dois faziam a proteção da zaga. Sem ela, Andrey recuava, era opção de passe pros zagueiros e inciava as jogadas e a transição. Ja Cosendey se portava como um meia, ora vinha buscar o jogo próximo a Andrey, ora centralizava mais à frente buscando ser o articulador. Mas com a progressão da equipe cruzmaltina ao ataque, ambos se apresentavam a frente, inclusive finalizando de média distância.

vas 4

vas 7

Para furar o bloqueio do Paraná, o Vasco buscava “alargar” o campo com a amplitude dos extremos e gerar superioridade numérica atacando com alto número de jogadores.
vas 1

Na frente, Ze Ricardo optou por Caio (ineficaz durante toda partida em todos os momentos do jogo: marcação, transições e ataque) na esquerda, Pikachu na direita (às vezes centralizava) e Rios e Riascos se movimentando e cada hora um saía da area para criar espaços para o outro atacar. Rios normalmente se movimentava mais fora da área.
vas 2

Com Luis Gustavo (zagueiro de origem) fazendo a lateral direita, o Vasco ganhava uma alternativa e a utilizou por diversas vezes. Ele recuava e se juntava a Ricardo e Werley numa linha de três e o Vasco ocupava mais o meio campo. Os três jogadores fizeram boa partida defensiva.
vas 5

O gol saiu numa jogada iniciada próxima dos zagueiros pelo menino Andrey. Ele progride em frente, passa de um marcador e se vê obrigado a fazer (lindo) lançamento longo (poucas opções de passe próximo) e acha Pikachu, que em velocidade tira do goleiro para marcar o gol da vitória.
vas 3

No segundo tempo, o Vasco inexplicavelmente não aproveitou o fato de estar à frente do placar e não ficava com a bola (tanto que teve 61% de posse de bola no primeiro tempo e apenas 34% no segundo), dava muito espaço na propria intermediária e entrou num clima Kamikaze com o Paraná, concedendo muitos contra ataques, onde a equipe paranaense conseguia até criar superioridade numérica no setor ofensivo. Isso foi agravado após a saída do Cosendey que dava bom equilíbrio ao meio e participava bem das transições.
vas 6

O Vasco se aproveitou do fato de ter muitos jogadores que jogam em mais de uma posição e variava seu esquema sem precisar fazer substituições. Luis Gustavo (zagueiro e lateral), Henrique (lateral extremo), Cosendey (volante/meia), Rios (centroavante/segundo atacante, extremo) são alguns exemplos de jogadores que desempenharam pelo menos duas funções dentro da partida.

Mesmo mal na segunda etapa, o Vasco teve algumas oportunidades de matar o jogo mas as desperdiçou em pênalti (perdido pelo GA), e contra ataques (2) com Riascos e (1) com Pikachu.

O Vasco precisava vencer, e venceu. Sentiu a falta do entrosamento, sentiu a falta de um articulador para pensar o jogo e sentiu a falta de experiência para saber jogar com a vantagem nas mãos. Mas em compensação o jogo foi positivo para o zagueiro Ricardo Graça se consolidar à frente do Erazo, para a dupla de volantes que se mostrou muito útil ao treinador e para o Luis Gustavo lembrar ao treinador que pode ser importante como alternativa defensiva. Com o time extenuado, achei que Ze Ricardo demorou demais a realizar algumas substituições e isso prejudicou o coletivo na etapa final.

Aproveito esse espaço para dizer que o Vasco espera ansiosamente a parada pra Copa. É imprescindível rever e recuperar a condição física dos atletas. Além de muitas lesões, a equipe sente de uma forma geral o ritmo dos jogos e caiu muito de nível no segundo tempo. Jogadores se mostrando exaustos aos 20 minutos do segundo tempo. A parte física será determinante para o Vasco alcançar suas pretensões no campeonato.

 

@analisevasco

Anúncios

Um comentário sobre “A OBRIGAÇÃO EM MEIO AO CAOS – Análise tática de Vasco 1 x 0 Paraná

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s