AMÉRICA SAI DE CABEÇA ERGUIDA- Análise tática de Palmeiras 1 x 1 América MG pela Copa do Brasil

Por Davi Magalhães

Depois da derrota em casa no jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil contra o Palmeiras, o América foi até São Paulo precisando de uma vitória para se classificar para a próxima fase da competição. A equipe comandada por Enderson Moreira vinha de uma ótima vitória diante do Botafogo, onde ganhou sendo muito organizada, aplicada taticamente e executando muito bem sua proposta de jogo.

Novamente organização não faltou ao América que começou muito bem o jogo. Aliás, é uma das características da equipe o início de jogo muito intenso e agressivo que faz como foi na partida de ida contra o Palmeiras. Naquela partida a equipe americana incomodou muito adiantando a marcação para pressionar a saída de bola adversária.

No jogo de volta, o América também começou executando uma forte marcação e dificultando a construção de jogo palmeirense. Mas dessa vez essa forte marcação começava a partir do meio-campo. O América começou o jogo reativo, se defendendo em bloco médio, no tradicional 4-4-2 compacto de Enderson.

O América fazia uma forte marcação a partir no meio campo, mas como essa marcação anulava a construção de jogo do Palmeiras?

A equipe mineira executava um princípio de jogo defensivo: o direcionamento. O direcionamento se refere à busca de conduzir o adversário para zonas mais favoráveis para a roubada da bola. Ou seja, o América direcionava o Palmeiras a começar seus ataques sempre por zonas laterais em seu próprio campo. Por quê? Porque é muito mais fácil cortar as linhas de passe do portador da bola em zonas laterias do campo. Assim a estratégia era influenciar o Palmeiras a sempre iniciar seus ataques pelos lados e quando a bola chegava em uma zona lateral do campo os jogadores próximos cortavam as linhas de passe do portador e tiravam todas opções de passe do adversário, fazendo com que ele rifasse ou perdesse a bola no campo de defesa palmeirense.

pal 1O América direciona o Palmeiras a jogar por uma zona lateral do próprio campo. Na imagem, Luan pressiona o portador da bola, Donizete e Carlinhos cortam as linhas de passe. Com as linhas de passe cortadas, Marcos Rocha rifa a bola.

Com isso, a construção de jogo palmeirense foi completamente anulada. Bruno Henrique e Felipe Melo, fundamentais na construção da equipe, participavam pouco, visto que o jogo acontecia muito pelos lados do campo e sempre com vantagem americana, que conseguia fazer com que a posse de bola do Palmeiras não fosse efetiva. Afinal, o time de Roger Machado acabava tendo que esticar a bola e não conseguia progredir no campo com a bola. O que explica a partida sumida de Lucas Lima.

O modelo de jogo do América é de jogo direto, sempre quando tem a bola, a equipe americana é muito vertical. Com poucos passes chega ao gol adversário, e não foi diferente contra o Palmeiras.

pal 2O América é um time muito vertical, procura através de rápida troca de passes, finalizar ao gol. Sempre atacando pelos lados do campo. Na imagem, Aderlan e Norberto fazendo a dobradinha pela direita.

Foi assim, que o América marcou seu gol. Através de uma rápida troca de passes pela esquerda, onde teve ultrapassagem do lateral Carlinhos que tocou para Serginho marcar. Mais uma boa partida de Serginho, que é muito importante nas transições ofensivas, tem liberdade para flutuar pelo campo e entra na área para finalizar.

pal 3No momento ofensivo, Serginho flutua pelo campo. Meia atua entre as linhas de marcação adversárias e tem liberdade para cair pelos lados do campo.

Mesmo com 43% de posse de bola, o América finalizou seis vezes no gol, sendo duas dentro da área. A idéia de Enderson é ter uma posse de bola efetiva, que resulte em oportunidade de gol. Mais uma vez a idéia do seu treinador foi muito bem executada, sempre que tinha a bola, a equipe visitante era agressiva, objetiva, vertical.

Na segunda etapa, Roger Machado colocou Guerra no lugar de Deyverson. O atacante que começou jogando não fez boa partida. Méritos também da boa atuação americana na primeira etapa.

O ponto negativo da partida americana foi a queda da intensidade na segunda etapa. Rafael Moura não se alinhava com Serginho no 4-4-2 no momento defensivo e o time americano não direcionava mais as jogadas pelos lados do campo de ataque palmeirense.

pal 4Serginho se desloca para cortar linha de passe. Mas o time não acompanhou o jogador, fazendo com que o Palmeiras conseguisse progredir com a bola.

Essa queda na intensidade permitiu ao Palmeiras jogar pelo meio, com os meio-campistas (Bruno Henrique e Felipe Melo) que subiram de rendimento na segunda etapa.

Como o América não tinha mais tanta intensidade na marcação, não conseguia mais direcionar o adversário a começar seus ataques sempre por zonas laterias em seu próprio campo. Assim, o Palmeiras iniciava a construção do jogo pelo meio e usava toda a largura do campo, abrindo a defesa adversária.

No segundo tempo Palmeiras melhorou no jogo, Felipe e Bruno começaram a aparecer mais, e principalmente Keno, que começou o jogo na esquerda, foi atuar pela direita na segunda etapa e incomodou muito Carlinhos (lateral-esquerdo). Inclusive foi pelo lado direito que saiu o gol de empate palmeirense em ultrapassagem de Marcos Rocha.

pal 5No gol do Palmeiras, Juninho demora a pressionar o portador da bola. Bruno Henrique teve muita liberdade para encontrar Marcos Rocha que passou livre, sem ser acompanhado por Luan.

No segundo tempo, Palmeiras finalizou 7 vezes de dentro da área, quase o dobro do número da primeira etapa (4). Esse número ajuda a entender como América baixou a intensidade, não se compactava defensivamente como na primeira etapa. Consequentemente, o Palmeiras esticou muito menos a bola, procurou trabalhar mais a bola, assim fazendo com que ela chegasse com mais qualidade ao último terço do campo para jogadores como Keno e William.

Boa partida dos dois últimos citados, principalmente William, que começou o jogo atuando aberto na direita e acabou jogando como um centroavante. William é um jogador muito bom para se ter no elenco, ele pode cumprir muito bem diferentes funções.

O jogo terminou empatado por 1 a 1 e mesmo com a queda de rendimento na segunda etapa o América foi eliminado da Copa do Brasil com dignidade, sabendo que competiu muito bem com uma das equipes de maior investimento do país. Trabalho de Enderson Moreira é muito bom, montou uma equipe bastante competitiva.

@magalhaesDavi_

Anúncios