UM RESULTADO QUE ENGANA – Análise tática de Internacional 3 x 0 Chapecoense

Por Luiz Martins

Nesta segunda, dia 21/05/2018, Inter e Chapecoense se enfrentaram pela sexta rodada do Brasileirão.
Sem D’Alessandro e com Lucca confirmado entre os titulares, o torcedor colorado temia que um desempenho ruim aliado a um mau resultado seria a tônica do jogo.

O que vimos em noventa minutos de bola rolando no Beira-Rio, foram duas equipes demonstrando um futebol de baixo nível técnico e sendo anuladas por suas características de jogo.

A Chapecoense marcava de forma recuada, muito próximo a sua área (bloco baixo), praticamente aguardando que o Inter povoasse seu campo, pra tentar a retomada de bola e buscar saídas em contra-ataque, conseguindo uma bola na trave em jogada de velocidade.

inter 1Chapecoense marcando em bloco baíxo a saída de bola do Inter
Lance de saída em contra-ataque da Chapecoense

Em contrapartida, o time do Inter demonstrava extrema dificuldade em organizar sua saída de bola, saída lenta em suas transições ofensivas, lateralizando o jogo e apostando em bolas longas para Pottker e Lucca receberem essa bola em velocidade, mas possuíam dificuldades na finalização e acabamento das jogadas.

A Equipe do Inter em todo o primeiro tempo possuía a posse de bola, mas sentia-se carente de um jogador de organização no meio-campo, para controlar o ritmo da partida e avançar para o campo adversário, buscando maiores passes entrelinhas. Eram raras as vezes que a equipe demonstrou essa característica. Somente quando Rodrigo Dourado e Zeca começaram a buscar mais bolas próximos aos zagueiros a equipe conseguia efetividade no ataque.

Nestas poucas vezes, duas questões chamaram a atenção:

– Rodrigo Dourado aparecendo mais na organização da construção ofensiva. (Frame realizado por Ícaro Caldas).

inter 2

– Zeca fazendo movimentos com a bola, de buscar a diagonal próximo aos meio-campistas, pra tentar mais toques curtos e aproximar o time, muito em função da passividade da marcação da Chape. (Frame realizado por Ícaro Caldas).inter 3

Desta forma equipe teve maior volume ofensivo, mas ainda carecia de maior organização ofensiva, para agredir a defesa adversária.

Mesmo com estas dificuldades, em uma jogada de insistência de Leandro Damião, Inter conseguiu abrir o placar, com gol de Lucca aos 39min do 1º tempo.

Com o gol o time da Chape deixou mais espaços em sua marcação, por ter que buscar o resultado. Neste cenário, a atuação do time melhorou em relação a si mesmo, por ter menos posse de bola que o adversário.

Assim a equipe sente-se mais confortável em atuar, mesmo que a organização ofensiva da equipe continuasse ruim, apostando em bolas longas aos jogadores de meio e ataque, recebendo ela em velocidade, melhorando a transição ofensiva, assim conseguindo ampliar o placar em 2-0.

Após o gol, duas trocas no time foram importantes: As entradas de Rossi e Juan Alano.

Por ter que realizar um jogo de maior controle de espaços, a entrada de Rossi foi importante para fechar bem a linha pelo lado esquerdo, segurando as subidas de Apodi e também uma saída em velocidade pra o contra-ataque. Já com Juan Alano, um jogador pra reter a bola no meio-campo, aguardar os jogadores passarem da linha da bola e acioná-los em velocidade, pra surpreender o adversário.

Assim o Inter ampliou o placar para sacramentando a vitória em 3-0.

A solidez defensiva da equipe mais uma vez foi o destaque da equipe. No início do jogo time marcava a saída de bola do adversário, com pressão e encaixes individuais.

inter 4Frame realizado por Ícaro Caldas.

Quando a equipe da Chape conseguia avançar dentro de campo, Inter se reorganizava em uma formação 4-1-4-1, fechando linhas de passe e os espaços, fazendo algumas perseguições individuais, pra pressionar o portador da bola.

inter 5Nesta situação Dourado e Moledo novamente foram os destaques, por sentirem-se confortáveis nestas situações. Frame realizado por Ícaro Caldas.

O resultado do time foi o esperado, porque Inter não conseguia marcar a quatro jogos e vinha de jogos de extremas dificuldades em atacar o adversário, mesmo que de forma desorganizada. Pensando neste cenário, foi um alivio para o time, que ambiciona primeiramente se manter na série A do Brasileirão.

Mas em contraponto, o desempenho apresentado segue sendo muito abaixo do que este grupo poderia apresentar. A equipe sente-se confortável em um modelo de jogo que priorize jogadas de velocidade e transições rápidas. A transição ainda carece de melhorias, por ser lenta, muito em função de ter muito espaçamento entre suas linhas.
A comissão técnica, neste momento, precisa enxergar essa virtude da equipe em realizar este modelo, ao invés de ainda insistir em uma tentativa de um jogo mais apoiado e cadenciado, mesmo que em muitas situações este tipo de jogo tenha que ser utilizado. Deve ocorrer uma mescla de ideias, para que o primeiro objetivo ocorra: A Permanência na série A.

Jogador Destaque

Novamente o destaque fica por conta de 2 jogadores:

Lucca

Jogador que demonstrou bom controle de bola e ataque ao espaço, para levar o time à frente. Realizou muito bem a recomposição no momento defensivo e chegada rápida ao ataque. Conseguiu uma assistência em cobrança de falta e um gol na partida, onde buscou posicionamento por dentro, para finalizar.

inter 6

Rodrigo Dourado
Novamente um dos pilares defensivos da equipe, com sua capacidade de leitura de espaço, visão de jogo e antecipação de jogadas, organizando o sistema defensivo e neste jogo aparecendo também no momento ofensivo, conseguindo alguns passes de quebra de linhas. Poderia ter chegado mais a frente, para ser opção de retorno e iniciar novamente jogadas, mas demonstrou evolução se compararmos outras atuações suas.inter 7

@ojunomartins

Anúncios

2 comentários sobre “UM RESULTADO QUE ENGANA – Análise tática de Internacional 3 x 0 Chapecoense

Os comentários estão desativados.